Arquivo da categoria: Biotecnologia Geral

3 Dez 2014 – 3º Encontro Internacional de Genómica de Florestas, Oeiras – Portugal

Forest Genomics Meeting

3º Encontro Internacional de Genómica de Florestas

INSCRIÇÃO é gratuita e OBRIGATÓRIA

3rd Forest Genomics Meeting:
Regulation of genome expression dynamics in forest trees
3 Dezembro 2014 – ITQB/IBET, Oeiras, Portugal

A terceira edição do encontro internacional “Forest Genomics Meeting” (FGM) será realizada em Oeiras, Portugal, no dia 3 de Dezembro de 2014, no auditório do ITQB/IBET, em Oeiras, Portugal.

Este evento é mais uma oportunidade para discutir o estado da arte da floresta e da regulação da expressão génica nas árvores de floresta, cuja investigação é desafiada por alterações contínuas nas condições ontogénicas e ambientais, pois a expressão génica é controlada por redes transcricionais e pós-transcricionais complexas com subsequentes variações fenótipicas.

A 3ª edição do FGM será dedicada ao progresso do conhecimento sobre a regulação da expressão génica, em particular o papel dos factores de transcrição, small RNAs, metilação do DNA e modificações das histonas nas árvores de floresta.

PRAZOS:

Registo online OBRIGATÓRIO – 27 Novembro 2014

Submissão de Abstrats de Comunicações em Poster – 31 Outubro 2014

Mais informações
 Programa, Inscrição e Submissão de Comunicações

http://forestgenomicsmeeting2014.wordpress.com

Novo tecido feito com seda de aranha transgénica

Novo tecido feito com seda de aranha transgénica
EuroNews – 7 Oct 2014

Cientistas japoneses conseguiram criar tecido feito a partir de seda de aranha transgénica. Ou seja, o material foi tecido por bichos-da-seda que receberam um gene de aranha. Os investigadores misturaram proteínas de aranha e de bicho-da-seda. O resultado é um material híbrido muito mais resistente que a seda normal. A investigação está a ser desenvolvida por cientistas do Instituto Nacional de Ciências Agroecológicas, em Tóquio.

Yoshihiko Kuwana é um dos investigadores envolvidos no projeto. “Implantámos o gene da aranha tecedeira em espécies comuns de bicho-da-seda. O objetivo é produzir um novo tipo de seda 1,5 vezes mais resistente do que o fio de seda comum”, disse Yoshihiko Kuwana, investigador da do Instituto Nacional de Ciências Agroecológicas. Resta domesticar as aranhas, o que não é tarefa fácil.

Enquanto os bichos-da-seda estão domesticados há milhares de anos, produzem grandes casulos de seda e são fáceis de criar em ambientes fechados, as aranhas exibem um comportamento mais selvagem. O primeiro problema reside nos hábitos alimentares da espécie, como explica o investigador japonês. “Contrariamente aos bichos-da-seda, as aranhas podem ser canibais, ou seja comem-se umas às outras, por isso é difícil criar grandes quantidades de aranhas. Tentámos colocar duas aranhas na mesma caixa mas no dia seguinte só lá estava uma”, acrescentou o cientista japonês.

O objetivo final da investigação é produzir seda transgénica em larga escala já que o material tem várias vantagens. O fio natural produzido pelas aranhas para traçar as teias é cinco vezes mais forte que um fio de aço do mesmo tamanho. Na área biomédica, esse material poderá ser usado para para fabricar fio de sutura e para reparar tendões e ligamentos. No domínio militar, a seda de aranha pode ser útil para fazer coletes à prova de balas.

Manifesto para a Biotecnologia 2014-2019

BiotechManifesto2014-19

Manifesto para a Biotecnologia 2014-2019

A EuropaBio – Associação Europeia de BioIndustrias publicou um manifesto em defesa dos interesses da biotecnologia na União Europeia para 2014-2019 que se destina aos novos Membros do Parlamento Europeu e aos novos Comissários Europeus. O manifesto exige uma tomada de atenção e uma aposta firme para este sector no qual a Europa está a ficar para trás no panorama internacional.

É destacado o objectivo da biotecnologia como ferramenta utilizada para melhorar a qualidade de vida das pessoas e para resposta aos grandes desafios da sociedade do século XXI: aumentar a eficiência da utilização dos recursos disponíveis, melhorar a segurança alimentar, fazer face às alterações climáticas e enfrentar a necessidade de crescimento económico da Europa.

A biotecnologia está presente na vida do dia-a-dia: na roupa que vestimos, nos produtos para a lavar, nos alimentos, nos medicamentos e no combustível. Tem sido uma área fundamental para a competitividade europeia em inovação e investigação, assim como aumento de crescimento económico, aumento do número de postos de trabalho e criação de empresas.

Actualmente, a Europa corre o risco de ser o centro de investigação mundial que depois não beneficia das vantagens das tecnologias que inventa e disponibiliza ao mundo. A EuropaBio chama desta forma a atenção para que se crie e execute uma acção inteligente para a bioindustria europeia que envolva  todas as fases desde a investigação até ao comércio dos produtos.

Download do Manifesto

 

Livro “Introdução ao Melhoramento Genético Vegetal

jose-ignacio-cubero

Livro
“Introdução ao Melhoramento Genético Vegetal”

O livro em Espanhol “Introducción al a mejora genética vegetal” já na 3ª Edição. José Ignacio Cubero aborda o tema do melhoramento vegetal.
Um comentário da Fundação Antama indica que o texto é de leitura fácil apesar de incluir explicações técnicas sobre a biologia. Aborda os fundamentos da prática do melhoramento vegetal e os métodos que podem ser utilizados, as questões relacionadas com a discussão ligada à utilização da engenharia genética de plantas para produzir culturas transgénicas, às patentes de organismos vivos e os impactos (positivos e negativos) da utilização de tipo de culturas no meio ambiente e a conservação de sementes tradicionais.

LER MAIS

 

 

Lançamento de Observatório de BioEconomia da UE

 

European_Commission

Comissão lança Observatório da Bioeconomia

14 Fevereiro 2013 – Comissão Europeia

Foi criado pela Comissão Europeia um observatório destinado a efetuar um levantamento dos progressos e avaliar o impacto do desenvolvimento da bioeconomia na União Europeia.

O observatório reunirá dados destinados a acompanhar a evolução dos mercados e a efetuar um levantamento das políticas bioeconómicas da UE, nacionais e regionais, das capacidades de investigação e inovação e da escala dos investimentos públicos e privados conexos. Será coordenado pelo Centro Comum de Investigação, o serviço científico interno da Comissão.

A Comissária Máire Geoghegan-Quinn declarou: «Faz agora um ano que lançámos a nossa estratégia bioeconómica. Actualmente, constatamos que os Estados-Membros aproveitam a oportunidade oferecida pela transição para uma economia pós-petróleo, que se baseia numa utilização inteligente dos recursos provenientes da terra e do mar. É essencial que o façam atendendo às vantagens que daí advirão para o ambiente, a produção alimentar e a segurança energética na Europa, bem como para a sua competitividade futura. Este observatório contribuirá para manter essa dinâmica.»

O observatório, que é um projeto trienal, terá início em março de 2013 com o objetivo de, em 2014, disponibilizar ao público, por intermédio de um portal Web dedicado, os dados por si recolhidos. O observatório apoiará, deste modo, as estratégias bioeconómicas regionais e nacionais que estão a ser desenvolvidas por Estados-Membros da UE.

Para além de proporcionar dados sobre a dimensão da bioeconomia e dos setores que a constituem, o observatório deverá acompanhar diversas medidas relacionadas com o desempenho, designadamente indicadores económicos, de emprego e de inovação, bem como medidas respeitantes à produtividade, ao bem-estar social e à qualidade do ambiente. Além disso, funcionará como «sentinela tecnológica» e «sentinela política», acompanhando o desenvolvimento científico e tecnológico, bem como as políticas relacionadas com a bioeconomia.

A bioeconomia na Europa já representa 2 biliões de euros e 22 milhões de postos de trabalho. A Comissão está a ponderar uma nova parceria público-privada no domínio das bioindústrias para acelerar o desenvolvimento do setor. Espera-se uma decisão em junho de 2013.

O anúncio foi feito pela Comissária numa conferência sobre bioeconomia organizada pela Presidência Irlandesa do Conselho da União Europeia e realizada em Dublin.

LER MAIS