Seis Academias Nacionais Francesas comentam publicação sobre toxicidade dos OGM

Comunicado

Seis Academias Nacionais Francesas
de Agricultura, Medicina, Farmácia, Ciência, Tecnologia e Veterinária

divulgam comunicado sobre publicação de Séralini et al. relativa à toxicidade dos OGM

 Outubro, 2012

As Academias Nacionais de Agricultura, Medicina, Farmácia, Ciência, Tecnologia e Veterinária tomaram consciência, ao mesmo tempo que o público em geral, do artigo da equipa de Gilles-Eric Seralini recentemente aceite para publicação na revista Food and Chemical Toxicology, onde se relata um resultado tóxico e carcinogénico significativo, em ratos, resultante do consumo de milho geneticamente modificado (GM) NK 603, ou da exposição a doses baixas do herbicida Roundup, ao qual o milho GM NK 603 é resistente.

As seis academias acreditam que, devido às muitas deficiências na metodologia e interpretação dos dados apresentados neste artigo, não é possível impugnar outros estudos que concluíram anteriormente pela segurança sanitária do milho GM NK603 e de uma maneira geral das plantas geneticamente modificadas, cujo consumo por animais ou seres humanos esteja autorizado.
Resumindo a análise apresentada em maior detalhe pelas Academias (http://www.academie-sciences.fr/activite/rapport/avis1012.pdf), verifica-se que, neste trabalho, a concepção do plano experimental é insuficiente, em muitos aspectos, os métodos tradicionais de estatística não foram utilizados relativamente à ocorrência tumores, a escolha dos animais utilizados para esta experiência é questionável, e, finalmente, elementos quantitativos essenciais para a interpretação dos resultados não foram tidos em conta.
A análise convencional estatística dos resultados, tal como foram apresentados no artigo, mostra que não há diferenças significativas entre os grupos de ratos em estudo relativamente à ocorrência de tumores devido aos Organismos Geneticamente Modificados (OGM) resistentes ao Roundup, ou à sua associação, o que contradiz o que o texto dos autores sugere.
Por conseguinte, este trabalho não permite qualquer conclusão confiável. É raro um evento não-científico desta natureza despertar paixões em França e até mobilizar tão rapidamente os membros do Parlamento. A manipulação da reputação de um cientista ou de uma equipa de investigação é um erro grave quando ajuda a espalhar temores, sem qualquer base estabelecida, para o público em geral.
Além do julgamento do mérito do conteúdo do artigo em questão, a forma da sua comunicação levanta muitas questões, incluindo a saída simultânea de dois livros, um filme e um artigo científico, com a exclusividade do conteúdo a um jornal semanário, sujeito a uma cláusula de confidencialidade, inclusive para investigadores, e uma conferência de imprensa. Estas condições de distribuição para a imprensa, sem qualquer oportunidade de comentar conscientemente não são eticamente correctas.
Pode-se ainda questionar a ausência de declaração de conflito de interesses por Séralini e seus colaboradores, quando se sabe do seu compromisso ambiental e do apoio financeiro recebido por grandes grupos de distribuição.
As Academias estão surpreendidas com o facto de o artigo ter sido aceite para análise e lembram que a publicação de um artigo numa revista científica com revisores não é, em si, uma garantia de qualidade científica. Alguns artigos publicados em revistas internacionais, incluindo as mais famosas, são de má qualidade e são por vezes retractados.
As Academias lembram que é natural que se proceda à luz da evolução dos conhecimentos e desenvolvimento de técnicas, reavaliações periódicas dos procedimentos utilizados para detectar qualquer possível toxicidade e / ou a carcinogenicidade dos alimentos.

Tirando as primeiras lições da emoção suscitada pela publicação do Séralini e seus associados, as seis academias:

• Esperam que as universidades e institutos públicos de investigação introduzam disposições éticas em relação à comunicação dos resultados científicos, relativamente à sua distribuição pelos meios de comunicação e pelo público em geral, de modo a evitar que os investigadores prefiram o debate mediático que deliberadamente suscitam, em relação ao debate científico que o deve necessariamente preceder, no seio da comunidade científica;
• Propõem que o presidente do Conselho Superior de Audiovisual nomeie uma Comissão de Alto Nível de Ciência e Tecnologia para o informar, numa uma base regular, de como são tratadas as questões científicas pelos actores da comunicação audiovisual;
• Pedem aos poderes públicos e ao governo que tudo façam para repor o crédito na experiência colectiva e na palavra da comunidade científica, a qual merece toda a confiança, muitas vezes negada, quando todos concordam que o futuro da França depende, em parte, da qualidade da sua investigação.

Mais informações

  • Artigo – “Long-term Toxicity of a Roundup Herbicide and a Roundup-Tolerant Genetically Modified Maize”. Gilles-Eric Seralini, Emilie Clair, Robin Mesnage, Steeve Gress, Nicolas Defarge, Manuela Malatesta, Didier Hennequin, and Joel Spiroux de Vendomois. Food and Chemical Toxicology. 19th September, 2012. in press. http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0278691512005637

1 comentário a “Seis Academias Nacionais Francesas comentam publicação sobre toxicidade dos OGM”

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s