Edição do genoma | Prémio Nobel da Química atribuído a duas cientistas pela investigação em CRISPR-Cas 9

Emmanuelle Charpentier, à esquerda, e Jennifer A. Doudna em Oviedo, Espanha, em 2015. Créditos da imagem: Miguel Riopa/Agence France-Presse — Getty Images

Emmanuelle Charpentier e Jennifer A. Doudna desenvolveram a ferramenta CRISPR, que pode alterar o DNA de animais, plantas e microrganismos com uma alta precisão.

O Prémio Nobel da Química foi concedido na quarta-feira a Emmanuelle Charpentier e Jennifer A. Doudna pelo trabalho, em 2012, no desenvolvimento do CRISPR-Cas9, um método de edição do genoma. Esta é a primeira vez que um Nobel de ciência é entregue a duas mulheres.

Ao anunciar as laureadas, o secretário-geral da Real Academia Sueca de Ciências, Goran K. Hansson, afirmou que “o prémio deste ano é sobre a reescrita do código da vida”.

Emmanuelle Charpentier e Jennifer A. Doudna foram pioneiras no trabalho inicial do CRISPR-Cas9, uma espécie de tesoura genética que permite aos investigadores alterarem o DNA de animais, plantas e micro-organismos com extrema precisão. Desde então, esta ferramenta de edição do genoma tem sido usada em inúmeras aplicações científicas, como a modificação genética de plantas ou a cura de doenças, como por exemplo a doença das células falciformes e a cegueira hereditária.

Rápido, eficiente e económico, o sistema CRISPR “resolve problemas em todos os ramos da biologia”, garantiu Angela Zhou, investigadora da American Chemical Society.

Leia a notícia no The New York Times.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s