Manifesto para a Biotecnologia 2014-2019

BiotechManifesto2014-19

Manifesto para a Biotecnologia 2014-2019

A EuropaBio – Associação Europeia de BioIndustrias publicou um manifesto em defesa dos interesses da biotecnologia na União Europeia para 2014-2019 que se destina aos novos Membros do Parlamento Europeu e aos novos Comissários Europeus. O manifesto exige uma tomada de atenção e uma aposta firme para este sector no qual a Europa está a ficar para trás no panorama internacional.

É destacado o objectivo da biotecnologia como ferramenta utilizada para melhorar a qualidade de vida das pessoas e para resposta aos grandes desafios da sociedade do século XXI: aumentar a eficiência da utilização dos recursos disponíveis, melhorar a segurança alimentar, fazer face às alterações climáticas e enfrentar a necessidade de crescimento económico da Europa.

A biotecnologia está presente na vida do dia-a-dia: na roupa que vestimos, nos produtos para a lavar, nos alimentos, nos medicamentos e no combustível. Tem sido uma área fundamental para a competitividade europeia em inovação e investigação, assim como aumento de crescimento económico, aumento do número de postos de trabalho e criação de empresas.

Actualmente, a Europa corre o risco de ser o centro de investigação mundial que depois não beneficia das vantagens das tecnologias que inventa e disponibiliza ao mundo. A EuropaBio chama desta forma a atenção para que se crie e execute uma acção inteligente para a bioindustria europeia que envolva  todas as fases desde a investigação até ao comércio dos produtos.

Download do Manifesto

 

Anúncios

Resultados do Concurso – BioNanotecnologia e Medicina: Novos Fármacos Novas Soluções

RESULTADOS
do Concurso

BioNanotecnologia e Medicina
Novos Fármacos Novas Soluções

31 Maio de 2012

 

O CiB – Centro de Informação de Biotecnologia informa todos os interessados que, após rigorosa avaliação dos trabalhos participantes no Concurso – BioNanotecnologia e Medicina: Novos Fármacos Novas Soluções, o júri tomou hoje, 31 de Maio de 2012, uma decisão final.

Foi decidido por unanimidade dos membros do júri atribuir os seguintes prémios:

1º Prémio

– Trabalho da Escola Secundária de Francisco Rodrigues Lobo, Leiria, da autoria da aluna Diana Soraia Pereira Fernandes, sob a orientação da professora Isabel Maria da Cunha Vieira.

2º Prémio

– Trabalho da Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus, Vila Real, da autoria dos alunos Cátia Inês Teixeira da Silva Costa e André Martins Valente, sob orientação da professora Maria João Rodrigues da Silva

 Menção Honrosa

– Trabalho da Escola Secundária Raul Proença, Caldas da Rainha, da autoria das alunas Joana Morais Rodrigues Ferreira da Silva e Joana Raquel Lemos Santos, sob a orientação do professor Paulo Jorge Conceição Oliveira Ribeiro.

Os membros do júri seleccionaram os trabalhos vencedores tendo em consideração e dando igual importância aos seguintes aspectos: qualidade científica e linguística, coerência dos conteúdos, estrutura e organização dos trabalhos, objectividade, capacidade demonstrada na integração de conhecimentos provenientes de diferentes fontes, capacidade de reflexão sobre o tema e de argumentação, clareza e facilidade de leitura / visionamento, criatividade e genuinidade dos mesmos.

Agradecemos a todos os participantes e aos seus orientadores.

Muitos parabéns aos alunos e professores premiados!

O júri do concurso foi composto por quatro elementos:

– Pedro Fevereiro (investigador especialista em biotecnologia e bionanotecnologia e presidente da direcção do CiB)

– Abel González Oliva (investigador especialista em biotecnologia e bionanotecnologia)

– Sofia Duque (investigadora especialista em biotecnologia com experiência como professora de biologia do ensino básico e secundário)

– Rita Caré (especialista em comunicação e educação em ciência)

Segundo o ponto 10.4. do regulamento estipulado, das decisões do júri não haverá recurso.

Pedro Fevereiro
(Presidente da Direcção do CiB)

Nanotecnologia e Medicina – Biochips e nanotransistores

Nanotecnologia e Medicina
Biochips e nanotransistores 

29 Fevereiro 2012 – Creamos el Futuro – Nanotecnología

Ao entrarmos na era da nanotecnologia estamos cada vez mais perto de termos disponíveis diagnósticos médicos moleculares, o que torna possível detectar, cada vez mais cedo, doenças genéticas, infecciosas e até pequenas alterações em proteínas.

Um dos grandes avanços nesta área é a criação de biochips que fornecem grande quantidade de informação, funcionando a uma escala muito pequena, sobre a genética das pessoas e de agentes patogénicos, o que permitirá desenvolver mais rapidamente vacinas, fazer face às resistências desses agentes aos antibióticos e identificar mutações em genes e tratar tumores.

Também na administração de fármacos, a nanotecnologia tem um papel fundamental, por exemplo, na distribuição desses fármacos em locais especificos do organismo, sendo facilitadores da sua difusão através de barreiras biológicas e abrindo caminho até às células-alvo. Na terapia contra o cancro, os biochips nanotecnológicos conseguem chegar às células tumorais, evitando as células saudáveis, protegendo-as dessa forma de acumularem fármacos e reduzindo os efeitos tóxicos anti-tumorais.

O website Creamos el Futuro – Nanotecnología inclui uma lista de sugestão de outros recursos sobre o tema da nanotecnologia e da medicina.

Ler mais

BioNanotecnologia – Investigadora Portuguesa premiada no Parlamento Britânico

BioNanotecnologia
Investigadora Portuguesa premiada no Parlamento Britânico

14 Março 2012 – Público P3


Nanotecnologia experimental para tratar corações doentes valeu à cientista de 26 anos o segundo prémio do SET for Britain de biomedicina.

Renata Gomes, de 26 anos, apresentou, na segunda-feira, um poster do seu projecto científico na Câmara dos Comuns, em Londres. A fazer o doutoramento na Universidade de Oxford, sob a supervisão de Lino Ferreira, do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, a jovem explicou a uma centena de pessoas e a um júri de cientistas e políticos a estratégia que está a desenvolver para promover, após um enfarte, a regeneração do tecido cardíaco.

A sua pesquisa acabaria por receber, entre 53 candidaturas, um Silver Certificate e 2000 libras esterlinas (2386 euros) no âmbito dos prémios Science, Engineering and Technology (SET) for Britain, organizados anualmente pela Comissão Parlamentar e Científica, que fomenta a comunicação entre cientistas e políticos.

A cientista – que nos disse ser a laureada mais jovem de sempre e a primeira a não ser só britânica – está a desenvolver novas terapêuticas à base de nanotecnologia. A ideia é introduzir pequenos fragmentos genéticos, chamados micro-ARN, nos tecidos cardíacos para aumentar a eficácia dos transplantes de células estaminais, capazes de regenerar o tecido afectado.

LER MAIS

Nanopartículas entregam fármacos no cérebro

Investigação fundamental
Nanopartículas podem servir como veículo
de entrega de fármacos no cérebro

9 Janeiro de 2012 – Science Daily

 Os aglomerados de neurónios formam auto-estradas dentro do cérebro que poderão vir a ser utilizadas como vias de entrega de fármacos por nanopartículas e sem efeitos colaterais para o cérebro. 

Cada nanopartícula tem a capacidade de funcionar como um veículo que pode ser transportar compostos quimicos ou terapias génicas e que os distribui pelo corpo humano e os entrega em locais especificos.

Uma esquipa de investigadores está interessado nos Ormosil (silica modificada organicamente) que têm como alvo os neurónios com problemas relacionados com doenças neurodegenerativas, incluindo a doença de Alzheimer.

Um estudo recente, realizado em moscas da fruta, publicado na revista PLoS ONE, demonstra que a exposição prolongada aos Ormosil não causou efeitos colaterais negativos no organismo ou nas células neuronais destes animais.

O sucesso e utilização prática deste tipo de métodos estão ainda muito longe, mas os potenciais benefícios parecem promissores.

Ler mais

Projecto – Time for Nano | É tempo para as nanotecnologias

Projecto Internacional de Comunicação de Ciência 
Time for Nano

TIME for NANO é um projecto internacional, no qual Portugal participa, que consiste num conjunto de ferramentas para aumentar o interesse do público pela nanotecnologia. O principal objectivo do projecto é, por isso, promover o interesse do grande público, em especial dos jovens estudantes, pelos potenciais benefícios e riscos relacionados com a investigação, engenharia e tecnologia à nanoescala e recolher as suas opiniões.

Este projecto conta com a participaçao de várias instituiçoes pertencentes a nove países da Europa e é financiado pela Comissao Europeia.

Deste projecto resultaram um nanokit com actividades práticas de nanociências e nanotecnologias e um conjunto de vídeos.

Para saber mais e visionar vídeos siga o LINK

Projecto «Nanovalor» vai juntar Galiza e do Norte de Portugal

Consórcio ibérico de nanotecnologia
Projecto «Nanovalor» vai juntar Galiza e do Norte de Portugal

2 Dezembro 2011 – Ciência Hoje

A Universidade do Minho (UMinho) apresentou hoje o projecto «NanoValor», que pretende “aproximar os actores-chave na nanotecnologia da Galiza e do Norte de Portugal”. O objectivo é aumentar a competitividade e potenciar a investigação e o desenvolvimento tecnológico.

Em comunicado, a UMinho explica que o projecto, que será por si coordenado, contará com a participação em consórcio de oito instituições do Norte de Portugal e da Galiza.

Ler mais

Atenção Escolas – Concurso BioNanotecnologia – Inscrição até 30 Dezembro 2011

Inscrição até 30 de Dezembro de 2011

BioNanotecnologia e Medicina
Novos Fármacos Novas Soluções 

 10º ao 12º Ano | Envio até 30 de Março de 2012


O CIB – CENTRO DE INFORMAÇÃO DE BIOTECNOLOGIA ESTÁ A PROMOVER O CONCURSO «BioNanotecnologia e Medicina Novos Fármacos Novas Soluções» DESTINADO AOS ALUNOS DO ENSINO SECUNDÁRIO OU EQUIVALENTE, DURANTE O ANO LECTIVO 2011/2012.

Com este concurso o CiB pretende contribuir para a promoção do conhecimento científico sobre a bionanotecnologia no contexto da saúde, da medicina e da farmacologia.

A Biotecnologia é fonte para excelentes histórias. Para as contar é necessário partir em busca de respostas com a curiosidade aguçada. Para abordarem e discutirem o tema proposto os alunos podem utilizar a sua criatividade utilizando três tipos de formato: (texto e imagens ou vídeo).

Serão seleccionados os três melhores trabalhos enviados até 30 de Março de 2012. Os prémios incluem leitores MP4 e vales-cheque destinados à aquisição de livros e material informático. Todos os alunos e professores premiados receberão um diploma.

Os interessados deverão enviar a ficha de inscrição, segundo as regras do regulamento, até 30 de Dezembro de 2011.

O CIB RECOMENDA QUE ALUNOS E PROFESSORES LEIAM ATENTAMENTE O REGULAMENTO DE FORMA A CUMPRIREM TODOS OS PONTOS DESCRITOS.

Regulamento e Outras Informações

Nanomedicina – Nanotecnologia aplicada à Medicina

Nanomedicina
– A Nanotecnologia aplicada à Medicina –

The Scientist – 1 Outubro 2011

À nanoescala os antigos materiais adquirem novas propriedades que irão mudar a forma como a medicina é praticada. A revista The Scientist, que divulga temas de ciência e tecnologia, publicou alguns artigos sobre a aplicação da tecnologia à escala Nano nas áreas de saúde.

  • Reduzindo a escala em Medicina: a nanotecnologia utiliza novas propriedades físicas dos materiais  e possibilitará novas formas de diagnóstico e tratamento dos pacientes, aumentando a sua eficiência com redução de custos.

Embalagens nanotecnológicas inteligentes para protecção dos alimentos

Embalagens vão ser mais seguras e comestíveis
Inovação portuguesa chega ao mercado mundial

Ciência Hoje – 2 Agosto 2011

Imagine uma camada natural finíssima à volta de uma maçã, que aumenta a qualidade, segurança e durabilidade do alimento, que é comestível e que até indica se o produto sofreu alterações.

A inovação, que chega ao mercado a médio prazo, aplica a nanotecnologia às embalagens e está a ser desenvolvida no âmbito do projecto internacional Nanopacksafer, explica José Teixeira, coordenador nacional e investigador do Instituto para a Biotecnologia e Bioengenharia/Centro de Engenharia Biológica (IBB/CEB) da Universidade do Minho.

Ler mais