Arquivo da categoria: BioRemediação

Recomendações EASAC | Edição de Genoma

Genome Editing EASAC - Mar2017

Recomendações
– Edição de Genoma em plantas, animais,
microrganismos e pacientes –

Comunicado CiB – 10 Abril 2017

Um relatório com recomendações sobre a Edição de Genoma foi publicado, no final de Março de 2017, pelo Conselho Consultivo das Academias Europeias de Ciências (EASAC). O relatório Edição de Genoma: Oportunidades Científicas, interesses públicos e opções políticas na UE dirige-se principalmente a decisores políticos da União Europeia (UE) e fornece recomendações sobre a abordagem relativa à aplicação da Edição de Genoma em plantas, animais, microrganismos e pacientes.

 

O QUE É A EDIÇÃO DE GENOMA?
A Edição de Genoma refere-se à modificação intencional de uma sequência de DNA específica, pré-seleccionada, existente num determinado ser vivo. Esta tecnologia está a aumentar o conhecimento sobre as funções biológicas dos seres vivos e a revolucionar a investigação científica. Esta nova e poderosa ferramenta tem potencial para ser utilizada em diferentes áreas de aplicação: saúde humana e animal, agricultura e alimentação e bioeconomia. Contudo, associadas às perspectivas dos benefícios desta tecnologia, têm sido levantadas questões relacionadas com a segurança e a ética, assim como questões relacionadas com a sua regulamentação.

 

Segundo Pedro Fevereiro (presidente do CiB – Centro de Informação de Biotecnologia, investigador e professor de Biotecnologia Vegetal), “as técnicas de Edição de Genoma possibilitam aos investigadores modificar um sequência precisa do DNA, criando modificações específicas, as quais permitem melhorar as características dos seres vivos sem que seja necessária a integração de DNA estranho. Esta tecnologia vai revolucionar os métodos de melhoramento vegetal e animal e auxiliar a cura e prevenção de doenças em humanos.”

O EASAC destacou que os decisores políticos devem assegurar que a regulamentação para a Edição de Genoma deve ter por base factos científicos, considere os benefícios, assim como os riscos hipotéticos e que seja proporcional, e suficientemente flexível, para abarcar os futuros avanços da ciência e da tecnologia.

O EASAC considera que o aumento da precisão, actualmente possível através da edição de genoma, representa uma grande mudança na investigação e na inovação. Neste contexto, destacam-se algumas das suas recomendações em relação a diferentes áreas:

PLANTAS
Os reguladores devem confirmar que os produtos de edição de genoma, quando não contêm DNA de outros organismos, não sejam considerados na legislação sobre Organismos Geneticamente Modificados (OGM). A regulamentação seja específica para os produtos / características agrícolas, em vez de se focar na tecnologia através da qual se concretiza a sua obtenção.

ANIMAIS
O melhoramento de gado para pecuária deve ser regulamentado tal como é proposto para o caso do melhoramento de plantas, ou seja, a regulamentação deve ser específica para as características e não para a tecnologia.

DIRECCIONAMENTO GENÉTICO
As aplicações genéticas para o controlo de vectores e outras modificações de populações-alvo no meio selvagem (por exemplo, para insectos vectores de doenças) oferecem oportunidades potenciais significativas para ajudar a enfrentar grandes desafios de saúde pública e de conservação.

MICRORGANISMOS
A Edição de Genoma em microrganismos não levanta novas questões para o quadro regulamentar e está actualmente sujeita a regras estabelecidas para utilização confinada e para libertação deliberada de OGM. Dado o potencial da sua aplicação, incluindo em produtos farmacêuticos, biocombustíveis, biosensores, bioremediação e cadeia alimentar, é importante considerar a sua aplicação no contexto da estratégia da União Europeia para a Inovação e Bioeconomia.

CÉLULAS HUMANAS
Investigação básica e clínica é necessária na edição de genoma em células humanas e deverá ser sujeita a regulamentação legal e ética e a práticas padronizadas. A aplicação clínica deverá ser rigorosamente avaliada dentro dos quadros regulamentares e considerar o consenso societal em relação a questões de relevância científica e ética, de segurança e de eficácia.

 

O Conselho Consultivo das Academias Europeias de Ciências chamou também a atenção para um aspecto que considera crucial, a “Justiça Global”, uma vez que existe o risco de aumento de desigualdade e tensão entre aqueles que têm acesso aos benefícios das aplicações da Edição de Genoma e aqueles que não têm. Segundo o EASAC, existem evidências de que decisões políticas têm criado dificuldades acrescidas a cientistas, agricultores e políticos de países em desenvolvimento, por exemplo, no caso das culturas geneticamente modificadas. Neste contexto, o EASAC considera vital que os decisores políticos avaliem as consequências de decisões tomadas em países externos à União Europeia. Reformular o actual quadro regulamentar na UE e criar a coerência necessária entre os objectivos internos da UE e a agenda para o desenvolvimento, com base em parcerias e na inovação, são importantes tanto para os países em desenvolvimento como para a Europa.

 

MAIS INFORMAÇÃO

 

 

Manifesto para a Biotecnologia 2014-2019

BiotechManifesto2014-19

Manifesto para a Biotecnologia 2014-2019

A EuropaBio – Associação Europeia de BioIndustrias publicou um manifesto em defesa dos interesses da biotecnologia na União Europeia para 2014-2019 que se destina aos novos Membros do Parlamento Europeu e aos novos Comissários Europeus. O manifesto exige uma tomada de atenção e uma aposta firme para este sector no qual a Europa está a ficar para trás no panorama internacional.

É destacado o objectivo da biotecnologia como ferramenta utilizada para melhorar a qualidade de vida das pessoas e para resposta aos grandes desafios da sociedade do século XXI: aumentar a eficiência da utilização dos recursos disponíveis, melhorar a segurança alimentar, fazer face às alterações climáticas e enfrentar a necessidade de crescimento económico da Europa.

A biotecnologia está presente na vida do dia-a-dia: na roupa que vestimos, nos produtos para a lavar, nos alimentos, nos medicamentos e no combustível. Tem sido uma área fundamental para a competitividade europeia em inovação e investigação, assim como aumento de crescimento económico, aumento do número de postos de trabalho e criação de empresas.

Actualmente, a Europa corre o risco de ser o centro de investigação mundial que depois não beneficia das vantagens das tecnologias que inventa e disponibiliza ao mundo. A EuropaBio chama desta forma a atenção para que se crie e execute uma acção inteligente para a bioindustria europeia que envolva  todas as fases desde a investigação até ao comércio dos produtos.

Download do Manifesto

 

Centena de investigadores debateu floresta transgénica em encontro internacional

Comunicado

25 anos de investigação científica

CENTENA DE INVESTIGADORES DEBATEU FLORESTA TRANSGÉNICA
EM ENCONTRO INTERNACIONAL

28 Novembro 2012 – CiB Portugal

 

II Encontro de Genómica Florestal, realizado em 26 de Novembro de 2012, no ITQB-UNL – Instituto de Tecnologia Química e Biológica, em Oeiras, reuniu 100 investigadores de diferentes países europeus e do Brasil. O objectivo foi promover a discussão sobre o estado da arte do uso da engenharia genética no melhoramento de árvores florestais das regiões temperadas e tropicais, após 25 anos de investigação científica.

Jorge Paiva, investigador do IICT – Instituto de Investigação Científica e Tropical, impulsionador e dinamizador deste encontro destaca que “a interacção entre os participantes foi muito importante para fortalecer a colaboração entre instituições académicas e empresariais, nacionais e internacionais no âmbito do tema das florestas transgénicas”.

Giancarlo Pasquali, investigador do Centro de Biotecnologia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Brasil, explica que “o avanço das pesquisas e o lançamento comercial das árvores Geneticamente Modificadas (GM) seguem os passos das variedades agrícolas GM como a soja, o milho e o algodão”. Segundo o investigador, novas características genéticas já foram introduzidas em álamo, eucalipto e pinheiro como, por exemplo, a resistência a doenças e as alterações da qualidade da madeira.

“A Engenharia Genética é uma tecnologia que adaptada ao melhoramento das árvores produtoras de madeira pode permitir ganhos importantes de produtividade e da qualidade da madeira.”, explica Pedro Fevereiro, director do Laboratório de Biotecnologia de Células Vegetais do ITQB e presidente do CiB – Centro de Informação de Biotecnologia. O investigador explica também que “a comercialização de árvores melhoradas com esta tecnologia não está ainda disponível. Contudo, os ensaios em curso – em laboratório e no campo – perspectivam a possibilidade de utilização futura desta tecnologia para o melhoramento das árvores de floresta.

Cristina Vettori e Matthias Fladung, coordenadores do projecto Europeu COST Action FP0905, abordaram diversas questões, amplamente discutidas entre os participantes, relativas à percepção e preocupação da sociedade com a biossegurança das florestas transgénicas e a sua comercialização na Europa. Esta acção COST  tem como objectivo reunir o conhecimento científico existente sobre as árvores GM e emitir recomendações para a implementação de legislação na União Europeia sobre a sua utilização.

“As avaliações de segurança para a saúde e ambiente estão a ser conduzidas na Europa, Brasil, China e Estados Unidos da América recorrendo a estudos de longa duração, como é pertinente em espécies arbóreas. O presente encontro permitiu reunir e discutir estas informações”, declarou Giancarlo Pasquali.  “Embora a libertação comercial de árvores GM ainda esteja distante, os desenvolvimentos científicos e tecnológicos que utilizam a engenharia genética de árvores avança significativamente”, acrescentou ainda.

O II Encontro de Genómica Florestal foi organizado no âmbito do projecto nacional “Micro-Ego” e do projecto internacional “Tree for Joules” do Plant KBBE (Transnational PLant Alliance for Novel Technologies – towards implementing the Knowledge-Based Bio-Economy in Europe), financiados pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, e pela acção COST FP0905, financiado pela Comissão Europeia.

MAIS INFORMAÇÕES

Programa e Livro de Resumos

 

Criação de ferramentas biológicas a partir de leveduras

Novas ferramentas biológicas a partir de leveduras

19 Março 2012 – Science Daily | Alphagalileo

Uma equipa de investigadores estão a um passo de criar uma “máquina” microscópica biológica para reconectar DNA. Este trabalho de investigação é realizado em leveduras – Saccharomyces cerevisiae -,  organismos ideais para desenvolver a biologia sintética,  e foi publicado na revista científica PLoS ONE.

Este trabalho poderá vir a ter importantes aplicações no futuro. Por exemplo, através de leveduras criadas para monitorizar as condições existentes em ambientes específicos. Por exemplo, poderão ser utilizadas na detecção de contaminantes em reservatórios de água ou  para monitorizar os processos de produção durante o fabrico de biocombustíveis.

Os investigadores do Imperial College, Londres, conseguiram demonstrar uma forma de criar um novo tipo de “conecção” biológica através de proteínas que interagem com o DNA e se comportam como os fios de um circuito eléctrico. Os investigadores dizem que as vantagens desta ligação biológica é que pode ser recriada uma e outra vez para criar milhões de ligações entre os componentes do DNA. A equipa conseguiu também desenvolver componentes de DNA denominados promotores –  necessários para reprogramar leveduras para concretizarem diferentes tarefas. Conseguindo aumentar o conjunto de componentes ligados entre si e disponibilizando-os para a comunidade científica via publicação de acesso livre, a equipa espera que este novo estudo promova um desenvolvimento mais rápido da área da biologia sintética.

Tom Ellis, investigador responsável pela equipa, explicou que os seres humanos têm utilizado as leveduras desde há milhares de anos na produção de vinha e de pão. Este trabalho permitirá utilizar as leveduras noutro tipo de aplicações como a monitorização da poluição ambiental e de combustíveis menos poluentes, o que pode fazer a diferença na vida do ser humano.

Ler mais AQUI e AQUI

Algas para limpar e produzir biocombustíveis

Algas para limpar e produzir biocombustíveis

13 Abril 2011

Investigadores do Rochester Institute of Technology, em Nova Iorque estudam a forma como três espécies de microalgas – Scenedesmus, Chlorella e Chlamydomonas – convertem nutrientes do meio líquido onde se encontram. Durante as experiências que realizaram as algas absorveram mais de 99% da amónia, 88% de azoto e 99% de fosfatos que se encontravam no meio. Ao mesmo tempo que podem ser utilizadas para tratamento de águas residuais, estas algas poderão ser utilizadas para produzir combustível, pois convertem os produtos que absorvem em lípidos que poderão depois ser utilizados para fabrico de biocombustíveis.

O próximo passo será instalar uma lagoa de 4000 litros  num estação de tratamento de águas residuais próximo do instituto para realizar uma experiência em maior escala e em ambiente real.

Ler mais

Via New Scientist

Enzimas alteradas geneticamente para limpar petróleo

 

Enzimas alteradas geneticamente para limpar petróleo

25 Março 2011

 

Investigadores do Instituto de Biotecnología de la Universidad Nacional Autónoma de México desenvolveram um sistema a partir de enzimas fúngicas geneticamente modificadas que convertem os compostos do petróleo em substâncias menos perigosas para o meio ambiente e induzem a sua degradação de forma natural. Este processo permite a limpeza e a recuperação mais rápida de áreas afectadas.

Ler mais

via BBC Mundo

Bactéria comum pode fechar fissuras em edifícios

Bactéria comum pode fechar fissuras em edifícios
Ser unicelular adquire a capacidade de selar
com a mesma solidez do cimento

24 Novembro 2010 – Ciência Hoje

Investigadores da Universidade de Newcastle modificaram geneticamente uma bactéria (a BacillaFilla) – existente no solo em quase todo o mundo – que tem a capacidade de regenerar fissuras produzidas na estrutura do cimento. Quando este ser unicelular se encontra em contacto com o material, segrega carbonato de cálcio e uma espécie de cola que, em conjunto, adquirem a solidez da massa usada em construções.

Os autores provêm de diferentes áreas, tal como informática, engenharia civil, microbiologia ou bioquímica e participaram no concurso Internacional «Genetically Engineered Machines» (iGEM, o Máquinas Manipuladas Geneticamente), organizado pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), em Boston (EUA). O objectivo do iGEM é incentivar estudantes a desenvolver organismos, com técnicas de engenharia genética par criar “algo novo e útil”.

O projecto da Universidade de Newcastle centrou-se em prolongar a vida de estruturas cuja construção é ecologicamente dispendiosa. Os micróbios originais, bactéria comum presente no solo, foram modificados para posteriormente serem introduzidas nas fissuras. Estes, uma vez aplicados, começam a reproduzir-se e a excretar uma mescla de carbonato de cálcio e cola, que após endurecer adquire uma rigidez semelhante ao cimento e com a capacidade de selar.

Ler mais

Árvores transgénicas no combate ao aquecimento global

Árvores transgénicas no combate
ao aquecimento global

1 Outubro 2010 – EurekAlert | ScienceDaily

Num estudo publicado na revista BioScience é sugerido que florestas de árvores geneticamente modificadas (GM) podem vir a sequestrar vários milhares de milhões de toneladas de carbono da atmosfera em cada ano, ajudando a minurar o aquecimento global.

Os autores do estudo sugerem estratégias para melhorar os processos utilizados pelas plantas para sequestrar o dióxido de carbono do ar , por exemplo para a vegetação e para o solo.

Para além de considerarem o aumento da eficiência dos processos da absorção da luz pelas plantas, os investigadores propõem também alterar geneticamente algumas espécies de árvores de forma a que estas acumulem o carbono sequestrado nas suas raízes, que pode depois ser armazenado no solo ou circular nas próprias árvores durante séculos.

Ler mais Aqui e Aqui

Culturas cintilantes para minimizar o uso de pesticidas na agricultura

Culturas cintilantes
para minimizar o uso de pesticidas na agricultura

8 Julho 2010 – SciDev

Os agricultores podem vir a conseguir detectar infecções em partes específicas das plantas que cultiva, direccionando o uso de pesticidas para esses tecidos.

Investigadores modificaram geneticamente o genoma de plantas de tabaco para que os seus tecidos quando infectados por vírus, batérias e outros agentes patogénicos mudem de cor ou cintilem de forma a aumentar o uso específico de pesticidas nos tecidos atingidos e a reduzir a utilização desses produtos fito-farmacêuticos na agricultura.

LER mais

Governo Francês lança um plano de biotratamento de sacos de plástico

Governo Francês lança um plano de biotratamento de sacos de plástico

21 Dezembro 2009 – EuropaBio | Plastics & Rubber Weekly

O Ministro da Ecologia de França concretizou um acordo para promover o biotratamento de sacos de plástico. No próximo ano o governo francês irá assim disponibilizar sacos de plásticos com 40% de matéria vegetal e a partir de 2018 com 70%.

O ministro declarou ainda que para além do desenvolvimento de sacos de plástico biodegradáveis, será dada prioridade ao tratamento de resíduos orgânicos, através da promoção individual ou através da construção de locais industriais de tratamento deste tipo de resíduos.

A utilização de sacos de plástico certificados suporta a recuperação orgânica dos resíduos biodegradáveis, declarou o director da Associação Europeia dos Bioplásticos, considerando que este acordo pode servir como modelo para os restantes países europeus.

LER MAIS

Bactérias iluminam busca de minas antipessoais

Bactérias iluminam busca de minas antipessoais

30 Novembro 2009 – SciDev

A produção de bactérias geneticamente modificadas para emitirem luz verde na presença de explosivos pode contribuir como ferramenta de baixo custo na detecção de minas antipessoais em países em desenvolvimento.

Segundo o relatório anual da Campanha Internacional para a Proibição de Minas Terrestres “Monitorização de Minas Terrestres 2009” houve mais de 73 mil vitimas provocadas por minas antipessoais entre 1999 e 2008.

Actualmente, utilizam-se detectores de metais e cães para encontrar essas minas.

O responsável pela investigação desta área, Alistair Elfick do Centro de Engenharia Biomédica da Universidade de Edimburgo, declarou à SciDev.net que a sua equipa modificou geneticamente a bactéria Escherichia coli para produzir uma proteína da membrana celular que detecta TNT, um químico utilizado naqueles explosivos.

LER MAIS

Reciclagem de resíduos da produção de queijo

Reciclagem de resíduos da produção de queijo

17 Setembro 2009 – ArgenBio

O soro proveniente da produção de queijo é um resíduo  que provoca  consequências ambientais, sendo uma dificuldade  acrescida na gestão de resíduos, em especial para o sector dos lacticínios.

Contudo, poderá haver uma alternativa para este resíduo orgânico: a sua utilização para produzir aditivos alimentares, na cosmética e  na industria farmacêutica.

Investigadores do Instituto de Agroquímica e Tecnologia de Alimentos,  em Espanha, conseguiram modificar a bactéria Lactobacillus casei, através da introdução no seu genoma de um gene da bactéria do queijo Lactococcus lactis que expressa a enzima  acetohidroxiácido sintase e em simultâneo através da anulação do funcionamento de dois genes que expressavam outras duas enzimas, a lactato deshidrogenase e a piruvato deshidrogenase.

Dessa forma, a equipa de investigadores conseguiu que a bactéria geneticamente modificada transforme os resíduos da produção de queijo em diacetilo e acetona, compostos de utilização comum na indústria de aditivos aromáticos.

Os resultados deste estudo foram publicados na revista Journal of Industrial Microbiology & Biotechnology.

LER MAIS

Nanotecnologia no tratamento de águas

México
Nanotecnologia no tratamento de águas

29 Julho 2009 – SciDev

Um grupo de investigadores de institutos no México, França, Espanha e Colômbia, utilizou um sistema com capacidade para degradar substâncias tóxicas em águas contaminadas, com a  utilização combinada de bio e nanotecnologias.

Através de um sistema biotecnológico a descontaminação realiza-se com fungos que conseguem transformar os compostos e a preparar o terreno para a utilização posterior de nanotecnologia de forma a descontaminar completamente a água com nanopartículas de óxido de titânio depositadas nos tais suportes de vidro ou cristal sob o efeito de luz solar ou radiação ultra-violeta. São produzidos oxidantes que degradam o material orgânico da água contaminada. Este processo pode fazer-se em menos de uma hora e poderá ser uma solução para as águas residuais de alguns tipos de industrias, como a do papel.

Este projecto tem relevância, pois a água própria para consumo humano é cada vez mais escassa, devido aos níveis da sua contaminação com origem ligada principalmente às actividades agrícolas e industriais. A utilização destas tecnologias traz assim grandes benefícios, porque permite a reutilização das águas, inclusivamente para consumo humano.

LER MAIS

Fungo selvagem com aplicações industriais e bioremediação

icone_BioRemediacao

Fungo selvagem com aplicações industriais e bioremediação

7 Maio 2009 – ArgenBio

Um fungo selvagem comestível poderá ser produzido de forma industrial para ser comercializado, uma vez que a sua utilização tem potencial para degradar resíduos agro-industrais, tendo por isso aplicações biotecnológicas muito interessantes.

A produção de fungos comestíveis aumentou nos últimos anos e impulsionou a investigação em novas espécies selvagens. Os investigadores de duas equipas de institutos da Argentina a estudar uma nova espécie Polyporus tenuiculus, com origem na América Central e da América do Sul. Esta espécie cresce naturalmente na madeira.

Segundo um dos autores do trabalho, Edgardo Albertó, podem agora ser estabelecidas condições e os parâmetros ideais para o cultivo industrial de uma nova espécie de fungo que nunca antes foi cultivado.

Os resultados deste estudo foram publicados no Journal of Industrial Microbiology and Biotechnology.

LER MAIS

Nanotecnologia para Água Potável – Edição Especial SciDev

Nanotecnologia para Água Potável
Edição Especial SciDev

Maio 2009 – SciDev

Actualmente, estão a ser desenvolvidas nanotecnologias cada vez mais poderosas e eficientes para a descontaminação de águas poluídas e impróprias par consumo.

A SciDev.Net – Rede para a Ciência e Desenvolvimento publicou uma edição especial sobre as potencialidades da Nanotecnologia para a produção de água potável. Os textos disponíveis focam temas como os resultados esperados com o uso desta tecnologia, os riscos da sua utilização, quais as soluções nanotecnológicas e como as fazer chegar aos países em desenvolvimento:

  • Como pode a nanotecnologia ajudar os problemas com a falta de água potável nos países em desenvolvimento
  • Questões chave para os projectos de tratamento de água através de nanotecnologias
  • Tratamento de água à nanoescala  e engenharia inovadora
  • Nanotecnologia para a água potável pode ajudar a desenvolver negócios inovadores
  • Avanços da nanotecnologia para a água potável em países em desenvolvimento
  • Nanotecnologia e água potável: novas tecnologias, nova regulamentação?
  • Nanotecnologia e água potável: factos e imagens
  • Nanoespanjas: Esperança da África do Sul para o tratamento da água

LER MAIS

BioRemediação – Algas retiram excesso de arsénico da água

BioRemediação
Algas retiram excesso de arsénico da água

1 Abril 2009 – ArgenBio

A alga unicelular Cyanidioschyzon tem a capacidade de se desenvolver em ambientes extremamente tóxicos.

O hidroarsenicismo consiste na presença elevada de níveis de arsénico, elemento tóxico ao seu humano e para os animais, em concentrações superiores às toleráveis na água potável.

Segundo o investigador Tim McDermott, do Departamento de Recursos Terrestres e Ciências Ambientais da Universidade Estatal de Montana, nos EUA, esta alga tem mostrado ser capaz de modificar quimicamente o arsénico em águas vulcânicas, o que pode ser fundamental para se aplicar a sua utilização com o objectivo de desintoxicar resíduos da industria mineira sobrecarregados com esta substância e também na produção de alimentos mais seguros e para limpar águas subterrâneas.

O hidroarsenicismo pode manifestar-se de diferentes formas, como lesões na pele ou doenças oncológicas, sendo a utilização potencial desta alga muito importante para tratar as águas contaminadas.

LER MAIS

Grandes Áreas Biotecnológicas


Grandes Áreas Biotecnológicas

Outubro 2008 – CiB Portugal

  • Quatro Grandes Áreas Biotecnológicas – Quatro Cores

Actualmente, é usual classificar com cores as grandes áreas da Biotecnologia.

A Biotecnologia Branca diz respeito às aplicações industriais e ambientais. Inclui os processos industriais que utilizam enzimas e organismos para processar e produzir químicos, materiais e energia. Esta área inclui também a biorremediação através de microrganismos que retiram produtos tóxicos do ambiente, por exemplo no tratamento de águas residuais ou no combate a marés negras.

A Biotecnologia Vermelha inclui as aplicações relativas à saúde. Esta área inclui a utilização de processos relacionados com a medicina e a farmacologia e que se baseiam na manipulação genética de organismos. Antibióticos, técnicas de diagnóstico, vacinas, terapia génica, testes genéticos, farmogenómica, células estaminais, entre outros, são exemplos das aplicações desta área.

A Biotecnologia Verde dedica-se às aplicações agrícolas e alimentares. As aplicações biotecnológicas desta área incluem métodos de melhoramento de variedades vegetais através da micropropagação, da selecção com marcadores moleculares e da utilização de tecnologia de DNA recombinante. As tecnologias desta área permitem ainda utilizar organismos e células vegetais para produzir ou transformar alimentos, biomateriais e energia.

As soluções utilizadas nesta área pretendem produzir plantas resistentes a doenças, a pragas, a pesticidas e condições ambientais adversas (por exemplo, a salinidade, as temperaturas extremas), ou plantas com teor nutritivo de maior qualidade.

A Biotecnologia Azul dedica-se a aplicações com origem em organismos aquáticos. Esta área envolve a aplicação de métodos moleculares com base em organismos marinhos e de água doce, ou nos seus tecidos, células ou componentes celulares. O objectivo é aumentar as reservas de alimentos e a sua segurança, proteger espécies ameaçadas e ainda desenvolver novos fármacos.

  • Biotecnologia Multicolor – Interdisciplinaridade

A Biotecnologia é interdisciplinar e por isso muitas aplicações são classificadas com mais de uma cor. Por exemplo, a produção de energia a partir de plantas ou de resíduos pode ser considerada biotecnologia branca ou verde.

—–

Fontes
  1. Biology online
  2. Bio Entrepreneur
  3. What is Biotechnology – UMBI
  4. Europabio
  5. ¿Qué es la Biotecnología? – Biopositivízate