Prémio | CiB recebe Menção Honrosa

desenho 4

O texto do painel introdutório da exposição “PlantLab Sketching”, organizada pelo CiB e pelo ITQB NOVA, com o apoio do grupo FotoSketchers 2 Linhas, foi distinguido com uma Menção Honrosa no âmbito da atribuição do Prémio Acesso Cultura – Linguagem Clara 2019.

Criado pela Associação Acesso Cultura para incentivar boas práticas na comunicação escrita, o “Prémio Acesso Cultura- Linguagem Clara” recebeu este ano 26 candidaturas e foi atribuído a um texto do município de Torres Novas dirigido a crianças sobre o monumento “Lapas, as grutas que não são grutas”.

As menções honrosas foram para o texto de painel da exposição “Um Médico na Grande Guerra. Fernando da Silva Correia”, criado pelo Património Histórico – Grupo de Estudos, e outra para o texto introdutório da exposição “PlantLab Sketching: Urban Sketching”, do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier, o Centro de Informação e Biotecnologia (CiB) e os, que, segundo o júri, “revela um esforço, bem-sucedido, de aplicação dos princípios básicos da escrita clara – é sucinto, organizado em parágrafos construídos com frases curtas e utiliza um vocabulário acessível”.

Também destacou a leitura facilitada por algumas opções de design, como o texto alinhado à esquerda, os títulos e os tamanhos de letra diferenciados, “que permitem navegar mais facilmente nos diversos níveis do texto”.

Leia os textos vencedores aqui.

Siga o CiB no Twitter @cibpt e no Facebook @cib.portugal.

desenho 9

7 Mar | Prof. Montagu | “Pai” da 1º Planta Transgénica no ITQB, Oeiras

Marc Van Montagu
Marc Van Montagu | Por ViB

Seminário 
Plant Sciences: Discover, Innovate, communicate with Society
7 Março 2016 – 11h30 | Marc Van Montagu

O Professor Doutor Marc Van Montagu, considerado o “Pai” da primeira planta transgénica, estará em Portugal no próximo dia 7 de Março de 2016, pelas 11h30, para apresentar o seminário Plant Sciences: Discover, Innovate, communicate with Society, no ITQB NOVA, em Oeiras (na antiga Estação Agronómica Nacional).

Montagu e o seu colega Jeff Schell descobriram o mecanismo de transferência de genes entre a bactéria Agrobaterium e plantas, do que resultou o desenvolvimento da primeira planta transgénica. Essa descoberta abriu caminho para a tremenda evolução da investigação em Plantas durante as últimas três décadas. Em 2013, Marc Van Montagu recebeu o World Food Prize 2013, considerado um prémio equivalente a um “Nobel” na área da Alimentação e da Agricultura. O Professor Montagu é o mais reconhecido cientista vivo na área das Plantas.

Este seminário realiza-se no âmbito da Cerimónia de Abertura do 2º ano do Programa de Doutoramento “Plants for Life” do ITQB NOVA – Instituto de Tecnologia Química e Biológica da Universidade Nova de Lisboa.

A entrada é livre. Instruções para chegar ao ITQB AQUI

 

MAIS INFORMAÇÕES

Montagu-e-a-equipa-ha-30-anos-sofiafrazoa-2013
Fotografia de uma antiga foto de Marc Van Montagu e equipa de investigadores há mais de 30 anos | Por Sofia Frazoa, 2013

 

Concurso de Comunicação de Ciência – Plantas Transgénicas: 30 anos de Estórias


Concurso de Comunicação de Ciência
– Plantas Transgénicas: 30 anos de Estórias – 

Para alunos de Licenciatura ou Mestrado inscritos em Universidades Portuguesas

Entrega dos trabalhos até 27 Março de 2014

Inscrições Obrigatórias até 28 de Fevereiro de 2014

Mais informações

http://concurso30anosplantasgm.wordpress.com/

Poster Final Cores - 600x800

Fundação Gates contra a malária: 902 mil euros para Portugueses

icone_saude_final

Fundação Gates contra a malária
902 mil euros para Portugueses

Público – 21 Novembro 2013

Financiamento de 902 mil euros da Fundação Gates irá permitir a equipa internacional, liderada por laboratório português, continuar a testar uma potencial vacina com parasita transgénico, que já deu resultados preliminares positivos.

Uma vacina contra a malária está a ser concebida por portugueses desde 2010. Na altura, Miguel Prudêncio, investigador e líder de uma equipa no Instituto de Medicina Molecular (IMM), em Lisboa, recebeu 100 mil dólares da Fundação Bill & Melinda Gates depois de concorrer a um financiamento de Fase I do programa Grand Challenges Explorations. Agora, passados três anos, o investigador volta a ser premiado pela fundação, desta vez com 902 mil euros, para continuar o projecto. Se tudo correr bem, daqui a dois anos começarão os primeiros ensaios clínicos em humanos para testar uma candidata a vacina, cuja ideia nasceu em Portugal.

O conceito de Miguel Prudêncio é simples. É preciso um parasita da malária de roedores, que não causa a doença em humanos, mas interage o suficiente com o sistema imunitário para provocar a imunização. Depois, é preciso inserir um gene do parasita humano no parasita de roedores, para criar uma imunização dirigida à malária humana. A ideia funcionou. O novo financiamento da fase II vai servir agora para fazer as últimas experiências preliminares, desenvolver um método de produção in vitro do parasita de roedores e vai ajudar a fazer a aplicação do pedido para a realização de ensaios em humanos na Holanda. Miguel Prudêncio está esperançoso, mas o investigador sabe que ainda há muitos desafios para ultrapassar, ou não fosse esta uma doença muito complexa.

LER MAIS

Entrevista ao “pai” da 1ª planta transgénica: “A tecnologia OGM é como respirar”

Marc Van Montagu e a equipa de investigadores há 30 anos

Entrevista 

Marc Van Montagu
Cientista responsável pela criação da primeira planta transgénica

A tecnologia OGM é como respirar

Julho-Agosto 2013
Por Sofia Frazoa | Revista Vida Rural

Trinta anos depois de ter criado a primeira planta transgénica, o biólogo molecular belga Marc Van Montagu foi um dos laureados com o World Food Prize 2013. Apesar de ter esperado maiores avanços na aplicação da Tecnologia dos Organismos Geneticamente Modificados, acredita que algo está a mudar. Entrevistado no instituto que criou, em Ghent, na Bélgica, garantiu que os OGM são inofensivos e uma solução de futuro para a produção de alimentos para seres humanos e animais.

Ler Entrevista

Versão em PORTUGUÊS | Versão em INGLÊS

NOTA-CORRECÇÃO – Na versão Portuguesa, página 7, deve ler-se “A maior prova de que os OGM são inofensivos é o facto de serem cultivados desde 1994 [e não 2006] sem risco para a saúde humana e para o ambiente”.

Três investigadores em agrobiotecnologia laureados com o World Food Prize 2013

Comunicado

Três investigadores em agrobiotecnologia laureados
com o World Food Prize 2013

19 Junho 2013 – CiB Portugal

Há 30 anos, os “pais” das primeiras plantas transgénicas – Marc Van Montagu (Bélgica), Mary-Dell Chilton e Robert T. Fraley (Estados Unidos da América) apresentaram-nas ao mundo num congresso científico na Flórida (EUA). Hoje foram laureados com o World Food Prize 2013, considerado como o “prémio nobel” da área alimentar.

Ao longo das suas vidas os três investigadores deram contributos excepcionais para o desenvolvimento científico da moderna biotecnologia de plantas, abrindo portas para o melhoramento de culturas agrícolas que actualmente permitem alimentar o mundo de forma mais eficiente e sustentável.

Este prémio reconhece contribuições em áreas alimentares, como a ciência e a tecnologia alimentar e agrícola, a produção, o marketing, a nutrição, a economia, a redução da pobreza, a liderança política e as ciências sociais.

Laureados com o World Food Prize 2013: Marc Van Montagu, Mary-Dell Chilton e Robert T. Fraley
Laureados com o World Food Prize 2013: Marc Van Montagu, Mary-Dell Chilton e Robert T. Fraley

Durante o anúncio, Kenneth M. Quinn, presidente do World Food Prize, destacou o impacto e o potencial do trabalho dos três laureados. Declarou que os investigadores são reconhecidos pela sua independência e pelas suas concretizações individuais excepcionais na fundação, desenvolvimento e aplicação da moderna agrobiotecnologia. Quinn acrescentou ainda que o seu trabalho possibilitou aos agricultores produzirem culturas que apresentam maiores produtividades, resistência a insectos e a doenças e com a capacidade para tolerar variações extremas de clima.

O laureado Marc Van Montagu, declarou que este prémio reconhece concretizações preciosas para a sociedade. Montagu explica: “Estou muito honrado por ter sido laureado. Para mim, o prémio destaca a importância da tecnologia dos OGM [organismos geneticamente modificados] como contribuição para a produção alimentar sustentável. Ao mesmo tempo que me sinto satisfeito com o prémio, percebo que existe um longo caminho a percorrer antes de esta tecnologia ser completamente reconhecida para produzir culturas e variedades essenciais à segurança alimentar de pequenos agricultores nos países menos desenvolvidos. Espero que este prémio abra portas para a Europa abraçar os benefícios desta tecnologia, uma condição essencial para a aceitação global das plantas transgénicas.”.

Marc Van Montagu
Marc Van Montagu

O ano 2013 marca também o 60º aniversário da descoberta da dupla hélice da molécula de DNA por James Watson, Francis Crick and Morris Wilkins. Durante os últimos 60 anos, a ciência da genética molecular, também denominada como Nova Genética, abriu oportunidades fora do comum para moldarem o futuro da agricultura, da indústria, da medicina e da protecção do ambiente.

Foi com base nesse conhecimento que os três pioneiros – Van Montagu, Chilton e Fraley – conduziram, de forma independente uns dos outros, a investigação molecular que abriu caminhos para compreender o modo como uma bactéria poderia ser usada como ferramenta para a inserção de genes em células de plantas. Esse conhecimento contribuiu para o melhoramento genético de plantas com características muito interessantes para agricultura, a indústria, a medicina, a protecção ambiental e a alimentação.

As descobertas destes investigadores revolucionaram a biotecnologia – cada um eles a trabalhar em instituições diferentes –, pois desvendaram a forma de transformar células vegetais utilizando técnicas de DNA recombinante. A sua investigação é a base do desenvolvimento das culturas geneticamente modificadas – também conhecidas por culturas transgénicas – que em 2012 foram cultivadas em 170 milhões de hectares em todo o mundo, por 17,3 milhões de agricultores (sendo que 90 por cento são pequenos agricultores de países em desenvolvimento).

Mais informações

Novo Concurso Escolar – Planas Transgénicas: 30 anos de História(s)

Concurso

Plantas Transgénicas: 30 anos de História(s)

10º ao 12º Ano | Envio até 4 de Março de 2013

Em 1983, foram dadas a conhecer ao mundo as primeiras plantas geneticamente modificadas e em Janeiro de 2013 celebram-se os 30 anos deste marco histórico da Ciência e Tecnologia.

Para celebrar este momento, o CiB – Centro de Informação de Biotecnologia está a organizar o concurso “Plantas Transgénicas: 30 anos de História(s)” para alunos do Ensino Secundário ou equivalente, durante o ano lectivo 2012/2013.

Com este concurso o CiB pretende promover o conhecimento científico sobre a engenharia genética de plantas, as suas aplicações e sobre a história da produção desse conhecimento e estimular o interesse pela cultura científica e tecnológica, nomeadamente na área da biotecnologia verde e produção de plantas geneticamente modificadas, também conhecidas por plantas transgénicas.

MAIS INFORMAÇÕES

http://30anosplantastransgenicas.wordpress.com

Resultados do Concurso – BioNanotecnologia e Medicina: Novos Fármacos Novas Soluções

RESULTADOS
do Concurso

BioNanotecnologia e Medicina
Novos Fármacos Novas Soluções

31 Maio de 2012

 

O CiB – Centro de Informação de Biotecnologia informa todos os interessados que, após rigorosa avaliação dos trabalhos participantes no Concurso – BioNanotecnologia e Medicina: Novos Fármacos Novas Soluções, o júri tomou hoje, 31 de Maio de 2012, uma decisão final.

Foi decidido por unanimidade dos membros do júri atribuir os seguintes prémios:

1º Prémio

– Trabalho da Escola Secundária de Francisco Rodrigues Lobo, Leiria, da autoria da aluna Diana Soraia Pereira Fernandes, sob a orientação da professora Isabel Maria da Cunha Vieira.

2º Prémio

– Trabalho da Escola Secundária/3 do Morgado de Mateus, Vila Real, da autoria dos alunos Cátia Inês Teixeira da Silva Costa e André Martins Valente, sob orientação da professora Maria João Rodrigues da Silva

 Menção Honrosa

– Trabalho da Escola Secundária Raul Proença, Caldas da Rainha, da autoria das alunas Joana Morais Rodrigues Ferreira da Silva e Joana Raquel Lemos Santos, sob a orientação do professor Paulo Jorge Conceição Oliveira Ribeiro.

Os membros do júri seleccionaram os trabalhos vencedores tendo em consideração e dando igual importância aos seguintes aspectos: qualidade científica e linguística, coerência dos conteúdos, estrutura e organização dos trabalhos, objectividade, capacidade demonstrada na integração de conhecimentos provenientes de diferentes fontes, capacidade de reflexão sobre o tema e de argumentação, clareza e facilidade de leitura / visionamento, criatividade e genuinidade dos mesmos.

Agradecemos a todos os participantes e aos seus orientadores.

Muitos parabéns aos alunos e professores premiados!

O júri do concurso foi composto por quatro elementos:

– Pedro Fevereiro (investigador especialista em biotecnologia e bionanotecnologia e presidente da direcção do CiB)

– Abel González Oliva (investigador especialista em biotecnologia e bionanotecnologia)

– Sofia Duque (investigadora especialista em biotecnologia com experiência como professora de biologia do ensino básico e secundário)

– Rita Caré (especialista em comunicação e educação em ciência)

Segundo o ponto 10.4. do regulamento estipulado, das decisões do júri não haverá recurso.

Pedro Fevereiro
(Presidente da Direcção do CiB)

BioNanotecnologia – Investigadora Portuguesa premiada no Parlamento Britânico

BioNanotecnologia
Investigadora Portuguesa premiada no Parlamento Britânico

14 Março 2012 – Público P3


Nanotecnologia experimental para tratar corações doentes valeu à cientista de 26 anos o segundo prémio do SET for Britain de biomedicina.

Renata Gomes, de 26 anos, apresentou, na segunda-feira, um poster do seu projecto científico na Câmara dos Comuns, em Londres. A fazer o doutoramento na Universidade de Oxford, sob a supervisão de Lino Ferreira, do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra, a jovem explicou a uma centena de pessoas e a um júri de cientistas e políticos a estratégia que está a desenvolver para promover, após um enfarte, a regeneração do tecido cardíaco.

A sua pesquisa acabaria por receber, entre 53 candidaturas, um Silver Certificate e 2000 libras esterlinas (2386 euros) no âmbito dos prémios Science, Engineering and Technology (SET) for Britain, organizados anualmente pela Comissão Parlamentar e Científica, que fomenta a comunicação entre cientistas e políticos.

A cientista – que nos disse ser a laureada mais jovem de sempre e a primeira a não ser só britânica – está a desenvolver novas terapêuticas à base de nanotecnologia. A ideia é introduzir pequenos fragmentos genéticos, chamados micro-ARN, nos tecidos cardíacos para aumentar a eficácia dos transplantes de células estaminais, capazes de regenerar o tecido afectado.

LER MAIS

Resultados do Concurso – AGROBIOTECNOLOGIA e BIODIVERSIDADE

Resultados do Concurso

– AGROBIOTECNOLOGIA
e BIODIVERSIDADE –

31 Maio de 2011

O CiB – Centro de Informação de Biotecnologia informa todos os interessados que, após rigorosa avaliação dos 14 trabalhos participantes no Concurso – AGROBIOTECNOLOGIA e BIODIVERSIDADE, o júri tomou hoje, 31 de Maio de 2011, uma decisão final.

Foi decidido por unanimidade dos membros do júri atribuir os seguintes prémios:

1º Prémio

– Trabalho da Escola Secundária Infanta D. Maria, Coimbra, da autoria dos alunos Bernardo Reis Prata, Diogo Monteiro Canhoto, Ricardo Ribeiro Guerra e Rui Encarnação Diogo sob a orientação da professora Ana Teles Furtado de Campos.

2º Prémio

– Trabalho da Escola Secundária com 3º Ciclo de José Estevão, Aveiro, da autoria dos alunos Ana Isabel Lopes Nascimento, João Soares de Moura e Viviane Reis Runa, sob orientação da professora Ana Flora Martins Esteves.

Menção Honrosa

– Trabalho da Escola Básica e Secundária Vieira de Araújo, Vieira do Minho, Braga, da autoria do aluno João Sousa Machado, sob a orientação da professora Cristina Sá Pinto.

Os membros do júri seleccionaram os trabalhos vencedores tendo em consideração e dando igual importância aos seguintes aspectos: qualidade científica, capacidade demonstrada na integração de conhecimentos provenientes de diferentes fontes, capacidade de reflexão sobre o tema, facilidade de leitura / viosionamento, criatividade, estrutura e organização dos trabalhos e genuinidade dos mesmos.

Agradecemos a todos os participantes ao concurso e aos seus orientadores.

Muitos parabéns aos alunos e professores premiados!

O júri do concurso foi composto por três elementos:

– Pedro Fevereiro (investigador especialista em biotecnologia de células vegetais e presidente da direcção do CiB)

– Sofia Duque (investigadora especialista em biotecnologia de células vegetais com experiência como professora de biologia do ensino básico e secundário)

– Rita Caré (especialista em comunicação e educação em ciência)

Segundo o ponto 10.4. do regulamento estipulado, das decisões do júri não haverá recurso.

Pedro Fevereiro
(Presidente da Direcção do CiB)