Relatório do WRI | Edição de genoma é uma das soluções para a crise de alimentos

wri

A produção de alimentos com a ajuda de ferramentas biotecnológicas, como os OGM e a edição de genoma, são uma das soluções apresentadas no último relatório do World Resources Institute para responder à necessidade de mais alimentos com o aumento da população mundial, que até ao ano 2050, estima-se, ultrapassará os 10 mil milhões de pessoas.

Realizado em colaboração com o Banco Mundial e as Nações Unidas (ONU), o estudo do World Resources Institute (WRI), “Creating a Sustainable Food Future“, avança vinte e duas medidas que poderão mitigar os efeitos do aumento da população mundial, entre os quais a escassez de recursos alimentares.

Segundo o documento do WRI, se continuarmos a produzir como produzimos hoje, a utilizar as ferramentas atuais e a travar as potencialidades de outras ferramentas na área da biotecnologia, não haverá comida para tantas pessoas (mais de 10 mil milhões em 2050).

Para os investigadores deste estudo conduzido por Tim Searchinger (investigador do WRI e professor na Universidade de Princeton, EUA), a alimentação tal como a conhecemos deve sofrer alterações, quer na sua constituição, quer no modo como é produzida. Uma das soluções é dar mais espaço de manobra à engenharia genética, através da sua implementação fora dos laboratórios e da criação de leis menos restritivas à sua aplicação no terreno.

Tim wri
Tim Searchinger, autor principal do estudo do WRI

Aumentar o investimento público nesta área é apontado como fundamental para o desenvolvimento de novas técnicas de melhoramento de plantas e para um futuro alimentar mais sustentável, como pode ler-se na página 24 do documento.

Leia aqui o relatório completo do World Resources Institute (WRI) e siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

 

Anúncios

Opinião | “OGM e edição de genes são talvez a maior esperança para um futuro mais saudável e sustentável”

mercados

Há mais de dez mil anos que os seres humanos modificam geneticamente as plantas. Isso significa que quase tudo o que comemos foi geneticamente modificado através de métodos como a reprodução seletiva e cruzamentos. Mas os métodos agrícolas modernos estão a ser rejeitados por causa de ideias irrealistas e romantizadas que preconizam um futuro melhor e mais “natural”. E isso coloca-nos um grande problema, como explica o especialista em nutrição e estudos alimentares Taylor Wallace, num artigo de opinião publicado no jornal digital norte-americano The Detroit News.

Créditos da fotografia: Ken Lambert / TNS

No mesmo artigo, o professor-adjunto do Departamento de Nutrição e Estudos Alimentares da George Mason University, nos EUA, e CEO principal do Think Healthy Group afirma que “a evidência diz-se que os OGM e a edição de genes representam, talvez, a maior esperança para um mundo mais saudável e sustentável.”

Wallace, que também é editor das publicações Dietery SuplementsAmerican College of Nutrition, não tem dúvidas de que agora, mais do que nunca, precisamos da ciência e da tecnologia para produzir alimentos e enfrentar os desafios globais crescentes como o aumento da população e a necessidade de ter mais e melhores colheitas.

Taylor Wallace
Taylor Wallace

“A ciência e as tecnologias agrícolas permitem-nos hoje uma abundância sem precedentes de alimentos seguros, saudáveis e nutritivos”. No entanto, lamenta o especialista em nutrição, os consumidores nunca foram tão dominados por dúvidas e preocupações infundadas, alimentadas em todo o mundo por grupos de ativistas anti-tecnologia.

Artigo completo (em inglês) aqui.

Siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

 

 

Bangladesh | Beringela Bt permite produção seis vezes maior do que a variedade convencional

beringela

No Bangladesh, a beringela é das culturas mais importantes para a agricultura de subsistência, mas antes da aprovação, no País, do cultivo da Beringela Bt, uma variedade geneticamente modificada, os agricultores perdiam uma boa parte da produção por causa de uma larva de inseto que pode destruir 45% de uma colheita. Com a beringela geneticamente modificada, a produtividade aumentou seis vezes.

Os agricultores de subsistência no Bangladesh ganham a vida produzindo e vendendo beringela. A maior ameaça à sua produção é uma larva de inseto que tem a capacidade de destruir metade de uma plantação.

Para combater a praga, os agricultores necessitavam de aplicar brandes quantidades de inseticidas, fazendo entre 80 a 100 pulverizações por estação, o que equivale a uma aplicação a cada dois dias durante três meses.

Mas desde que, em 2014, os decisores políticos alteraram a legislação, permitindo a produção da Beringela Bt – uma variedade geneticamente modificada que produz uma proteína natural tóxica unicamente para a praga-, esse cenário começou a mudar para melhor. Os agricultores não só reduziram substancialmente a utilização de agroquímicos como viram aumentar os seus ganhos seis vezes mais, o que deitou totalmente por terra as alegações de que no Bangladesh a beringela Bt foi um fracasso.

Ouça o testemunho do agricultor e líder da organização Farming Future Bangladesh, Arif Hossein, em mais um podcast do investigador Kevin Folta, da Universidade da Flórida, EUA.

Siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

Transgénicos | Ativistas anti-OGM comprometem segurança alimentar em África com mentiras sobre culturas GM

 

agricultura em áfrica
Créditos da imagem: Pablo García Saldaña

Grupos de ativistas contra as culturas geneticamente modificadas, como a Greenpeace e outros, têm vindo a disseminar falsidades sobre os alimentos transgénicos. O alerta foi feito pela bióloga molecular sul-africana Jennifer Thomson, investigadora na Universidade da Cidade do Cabo.

 

Num episódio da série de podcasts chamada Talking Biotech, da autoria do cientista Kevin Folta, da Universidade da Flórida, EUA, a investigadora e bióloga molecular sul-africana da Universidade do Cabo Jennifer Thomson afirma que África tem o máximo a ganhar com a biotecnologia na agricultura, no entanto, alerta, os agricultores e os consumidores desse continente estão a ser altamente prejudicados por não terem acesso a grande parte das culturas geneticamente modificadas (GM).

Segundo a especialista, é essencialmente por razões políticas que se está a negar aos produtores agrícolas africanos esse acesso. Não são questões científicas e como prova disso apresenta o exemplo do que está a acontecer em muitos laboratórios africanos, onde se desenvolvem variedades de culturas GM resistentes a pragas e outras com mais vitaminas dos que as variedades convencionais. O problema, diz, é que essas experiências estão exclusivamente confinadas aos laboratórios onde se faz investigação, não sabendo prever quando ou se virão algum dia a ser cultivadas em plantações não experimentais e comercializadas.

Para Jennifer Thomsom, a resistência à biotecnologia reside, em boa medida, às “mensagens falsas” transmitidas por grupos norte-americanos e europeus anti-OGM, como a Greenpeace e outras influentes. Mensagens como “os alimentos transgénicos provocam cancro e infertilidade”, lamenta a investigadora, além de mentirosas, prejudicam as pessoas que mais poderiam beneficiar das vantagens da implementação da biotecnologia na agricultura.

jennifer Thomson
Jennifer Thomsom

De recordar que não é a primeira vez que os grupos ativistas anti-OGM são desmentidos por cientistas. Em 2016, por exemplo, 110 investigadores galardoados com o Prémio Nobel acusaram a Greenpeace e outras de cometer um crime contra a humanidade. Numa carta tornada pública, os subscritores afirmaram que estas organizações “apresentaram os transgénicos de forma incorreta, incluindo seus riscos, benefícios e impactos, e apoiaram a destruição criminosa de plantações aprovadas para testes e pesquisas.”

O texto pedia à Greenpeace que “reconhecesse as conclusões das instituições científicas competentes” e “abandonasse a sua campanha contra os organismos geneticamente modificados em geral e o arroz dourado em particular.” Os investigadores mencionaram vários estudos publicados nos últimos anos que mostram que as plantações de alimentos transgénicos são seguras e não muito diferentes das plantações normais.

Ouça aqui o podcast com a entrevista de Kevin Folta a Jennifer Thomsome siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

Alimentos| 96% sem resíduos de pesticidas ou com vestígios dentro dos níveis permitidos

pesticidas

A última edição do relatório anual da UE sobre resíduos de pesticidas em alimentos, já disponível, revela que 96% das amostras de alimentos recolhidas na Islândia, Noruega e nos 28 países da UE não continham resíduos de pesticidas e aquelas em que foram encontrados vestígios cumpriam os níveis legalmente permitidos. Ou seja, em apenas 4% das amostras foram excedidos os níveis legais de vestígios de pesticidas. 

As conclusões deste relatório são baseadas na análise que a EFSA-Autoridade Europeia para a Segurança Alimentar fez aos resultados de 88 mil amostras recolhidas nos 28 países membros da União Europeia, na Islândia e na Noruega em 2017.

No caso de Portugal, foram recolhidas 710 amostras. Destas, 50,1%  não apresentavam níveis quantificáveis de resíduos, 6,8% excediam o nível máximo de resíduos permitido e 43,1% estavam entre o nível zero de resíduos e o nível máximo legal.

As principais descobertas podem ser consultadas por país e por produto alimentar (fruta, vegetais, cereais, carne, entre outros) na ferramenta de visualização de dados desenvolvida pela EFSA, mas se preferir ter acesso ao relatório completo, clique aqui.

Siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn

 

Alimentação |Uma reportagem onde a ciência é quem fala mais alto

revista Visão

“Numa altura em que a Humanidade enfrenta alguns dos maiores desafios à sua subsistência, como as alterações climáticas, a poluição dos solos e a escassez de água, só a tecnologia alimentar poderá garantir a sobrevivência dos dez mil milhões de seres humanos que habitarão a Terra em 2050”.

O lead é um excerto da reportagem da jornalista Sara Sá, A sustentável comida do laboratório, tema de capa da última edição da revista Visão.  No panorama da imprensa nacional, é exemplo raro este trabalho, que faz valer a abordagem científica em detrimento de mitos e fakenews sobre as “velhas” tecnologias de melhoramento de plantas e animais (como os OGM) e as “novas” tecnologias (como a edição de genoma). Mitos e fakenews repetidamente  propagados, apesar de sustentados em medos infundados e interesses que não são tão “verdes” quanto querem parecer.

O que este trabalho reporta não é uma premonição catastrófica do futuro da alimentação. Reporta o presente em alguns países que têm uma legislação favorável ao uso da biotecnologia nos alimentos e reporta um futuro alimentar otimista, justamente graças a tecnologias de edição de genoma o CRISPR-Cas 9, que a União Europeia decidiu equiparar aos Organismos Geneticamente Modificados, sujeitando-as à mesma legislação restritiva de 2001.

De errado, apenas as imagens que acompanham a reportagem: as seringas e ferramentas afins utilizadas no peixe e no tomate não ilustram a realidade. É que não têm mesmo nada a ver. Fora as imagens, esta é uma reportagem para ler, reler e difundir nas redes sociais.

Vídeo | Graham Brookes apresenta estudo inédito sobre impactos do milho Bt em Portugal e Espanha

 

 

O CiB-Centro de Informação de Biotecnologia, teve o privilégio de receber no Seminário “Poderá a agricultura portuguesa usufruir das Novas Técnicas de Melhoramento?”, o economista agrícola britânico Graham Brookes, que, neste evento promovido pelo CiB em parceria com a CAP e a Embaixada dos EUA em Portugal, apresentou e comentou um estudo inédito da sua autoria sobre os impactos económicos e ambientais do cultivo de milho geneticamente modificado em Portugal e Espanha.

Veja a apresentação integral: https://www.youtube.com/watch?v=BiNuDXT94mQ&feature=share

Vídeo | Novas Técnicas de Melhoramento na Feira de Agricultura

PF na TV FNA2019 

FNA2019 TV   via

Pedro Fevereiro, Presidente do CiB, fala das Novas Técnicas de Melhoramento das Plantas e como podem elas beneficiar a agricultura portuguesa, tema de um seminário  promovido pelo CiB, em parceria com a CAP e a Embaixada dos EUA em Portugal, no dia 11 de junho, na Feira Nacional de Agricultura.

Estudo inédito | Milho Bt tem impactos muito positivos na economia e no ambiente 

graos de milho

Desde que começou a ser cultivado em Portugal e Espanha, em 1998, o milho Bt permitiu uma produção adicional de 1,89 milhões de toneladas e um aumento substancial no rendimento dos agricultores. Mas os benefícios não se confinam à economia e à sustentabilidade na produção de alimentos. Para o ambiente, os ganhos são também inquestionáveis. Estas são algumas das conclusões de um estudo recente publicado em maio e apresentado e comentado ontem em Portugal pelo próprio autor, o economista agrícola Graham Brookes, no Seminário “Poderá a agricultura portuguesa usufruir das Novas Técnicas de Melhoramento?”, promovido pelo CiB e pela CAP na Feira Nacional da Agricultura.

  • Para atingir essa produção com milho convencional, teria sido necessário cultivar uma área agrícola adicional de 15.240 hectares;
  • Conseguir o mesmo resultado com sementes convencionais exigiria o uso adicional de 1.042 milhões de m3 de água de irrigação;
  • O rendimento dos agricultores portugueses e espanhóis nestes últimos 21 anos de utilização de milho Bt foi de 284,4 milhões de euros;
  • Por hectare, os ganhos financeiros dos agricultores subiram 173 euros, em média.

Em Portugal e Espanha, muitos agricultores têm cultivado continuamente milho Bt desde 1998. Decorridos 21 anos de investimento nesta variedade geneticamente modificada que protege o milho do ataque da broca (uma praga endémica presente em certas áreas da Península Ibérica responsável por grandes perdas na produção), os resultados são bastante positivos.

Essa é a grande conclusão do estudo recente “Vinte e um anos de milho resistente a insetos (GM) em Espanha e Portugal – contribuições agrícolas, económicas e ambientais”, do economista agrícola britânico Graham Brookes, da PG Economics (Reino Unido), publicado em maio na revista GM Crops & Food e apresentado e comentado em Portugal pelo próprio autor, no Seminário “Poderá a agricultura portuguesa usufruir das Novas Técnicas de Melhoramento”, organizado pelo CiB-Centro de Informação de Biotecnologia em parceria com a CAP e a Embaixada dos Estados Unidos em Portugal, no dia 11 de junho, no CNEMA, na Feira Nacional de Agricultura.

O estudo de Graham Brookes analisa exaustivamente, com vários exemplos e dados estatísticos, os impactos económicos e ambientais do cultivo desta variedade de milho, desde que se iniciou o seu cultivo em Portugal e Espanha. De salientar que o autor foi o primeiro a fazê-lo, tendo como foco a contribuição económica e ambiental do milho transgénico.

Benefícios económicos

Desde 1998, o cultivo do milho Bt permitiu que os agricultores portugueses e espanhóis obtivessem uma produção adicional de 1,89 milhões de toneladas, reduzindo substancialmente a utilização de recursos valiosos como a água. Para atingir esses níveis de produção com o milho convencional, teria sido necessário cultivar uma área agrícola adicional de 15.240 hectares nos dois países.

Em 21 anos de produção de milho Bt, por causa do aumento da produção, evitou-se a ocupação de terra na ordem dos 188.890 hectares. O cultivo desta variedade de milho também contribuiu para a economia de água graças ao aumento dos rendimentos e da produção, uma vez que para conseguir os mesmos resultados com sementes convencionais teriam de ser gastos adicionalmente 1.042 milhões de m3 de água de irrigação.

De 1998 até 2018, a área total cultivada com milho Bt nos dois países foi de 1,65 milhões de hectares, o que resultou num aumento de receita de 285,4 milhões de euros. Segundo o autor do estudo, por cada euro extra gasto na compra da semente transgénica em comparação com o custo da semente convencional, os agricultores ganharam mais 4,95 euros.

O aumento da produção  e a redução de custos aumentaram o rendimento dos agricultores em uma média de 173 euros por hectare, impulsionando as economias rurais dos dois países.

 Benefícios ambientais

No relatório pode ler-se que a tecnologia utilizada reduziu a pulverização de inseticidas em 678.000 kg de ingrediente ativo (−37%) e, como resultado, diminuiu o impacto ambiental associado ao uso de herbicidas e inseticidas nessas culturas (em 21%, conforme medido pelo indicador, o Quociente de Impacto Ambiental-EIQ).

Além disso, a redução das pulverizações resultou numa poupança de água entre 141.000 e 705.000 metros cúbicos em 21 anos de utilização de milho Bt (o que dá cerca de 7.250 e 36.260 metros cúbicos por ano). Em Portugal, a diminuição do consumo de água é de 0,2% do total anual de água gasta na irrigação.

Ainda segundo o economista agrícola britânico, a tecnologia também permitiu reduzir o consumo de combustível (593.000 litros), o que corresponde a uma redução substancial de CO2 libertado para a atmosfera. Só no ano de 2016, houve uma redução da emissão de dióxido de carbono na ordem dos 27,1 mil milhões de kg, o equivalente à retirada de 16,7 milhões de carros das estradas.

Outros benefícios

Os grãos de milho Bt são de melhor qualidade do que os grãos de milho convencionais, com níveis mais baixos de agentes cancerígenos.

Menor desperdício de grãos para utilização em alimentos e rações.

Melhor monitorização dos riscos de produção.

Redução do tempo gasto na monitorização das plantações devido a prejuízos causados por pragas.

Colheita mais fácil.

Impactos negativos

Segundo Graham Brookes, não há nenhuma evidência de impactos económicos ou ambientais negativos e também não há nenhuma evidência de que as pragas desenvolvem resistência à biotecnologia.

O CASO DE PORTUGAL

Em 2018, a área cultivada com milho Bt em Portugal era 6 mil hectares, o que representa 6% da área total cultivada com milho (em Espanha, no mesmo ano, era de 115 mil hectares e em onze países fora da EU somava 85 milhões de hectares).

Tal como em todos os países da União Europeia, em Portugal apenas é permitido o cultivo de milho geneticamente modificado e de uma só variedade – o milho Bt, resistente a insetos. Mas o facto de na União Europeia não ser permitida a produção de outras culturas e variedades geneticamente modificadas (GM), não significa que a UE não as compre a outros países.

Na verdade, como pode ler-se no estudo de Graham Brookes, a UE importa grandes quantidades de culturas geneticamente modificadas, principalmente para utilização em rações para animais. Por exemplo, importa anualmente 35 milhões de toneladas de soja e farelo de soja GM.

Estima-se que a cada ano, em Portugal, sejam afetados regularmente pela praga do milho mais de 15 mil hectares (cerca de 14%-15% da área total de milho) e a aplicação de inseticidas tem revelado uma eficácia limitada.

As regiões mais prejudicadas são o Alentejo, Litoral Centro, Lisboa e Vale do Tejo. Isso explica por que razão as maiores concentrações de culturas de milho Bt se verificaram nestas regiões quando a tecnologia se tornou disponível para os agricultores.

Estudo completo aqui: 

‘Twenty-one years of using insect resistant (GM) maize in Spain and Portugal: farm level economic and environmental contributions’

Infografía do Estudo Graham Brookes

Descoberta | Fungo geneticamente modificado mata 99% dos mosquitos da malária

fungo malária

Num estudo feito no Burkina Faso, os investigadores garantem que um fungo geneticamente modificado pode matar 99% dos mosquitos transmissores da malária.

Investigadores da Universidade de Maryland, nos Estado Unidos da América, e do Instituto de Investigação em Ciências da Saúde, no Burkina Faso, identificaram pela primeira vez um fungo, designado Metarhizium Pingshaense, que infeta o mosquito Anopheles, o principal transmissor da malária em África.

O fungo foi geneticamente modificado para produzir a toxina encontrada no veneno de uma espécie de aranha-funil da Austrália e os resultados dos testes mostraram que 99% dos mosquitos morreram em 45 dias. Citado pela BBC News, Raymond Leger, um dos cientistas da Universidade de Maryland envolvidos no estudo, afirmou que os fungos Metarhizium Pingshaense “são muito maleáveis, sendo possível manipulá-los geneticamente com muita facilidade.”

As instruções genéticas para fabricar a toxina da aranha foram adicionadas ao código genético do fungo, de modo a produzir a toxina para o mosquito. Como explicou o investigador, “uma aranha usa as suas presas para perfurar a pele e injetar as toxinas. Substituímos as presas de aranha pelo fungo metarhizium”.

Os resultados da investigação e dos testes laboratoriais, publicados na revista Science, mostraram que o número de mosquitos aumentou quando não foi usado o fungo modificado. Contudo, recorrendo ao fungo da toxina de aranha, dos iniciais 1.500 mosquitos, no final dos testes, após 45 dias, existiam apenas 13. Mas, afiançam os investigadores, “o objetivo do estudo não é provocar a extinção do mosquito da malária”, é, sim, “ajudar a controlar a propagação da doença”.

A malária é uma doença infeciosa causada pelo parasita do género plasmodium que mata mais de 400 mil pessoas por ano. Transmite-se às pessoas pela picada do mosquito do género anófheles e os sintomas mais comuns são febre, fadiga, vómitos e dores de cabeça.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) já alertou que os casos de malária estão a aumentar nos dez países africanos mais afetados, porque os mosquitos estão a tornar-se resistentes a inseticidas.

Mais detalhes no estudo original, em inglês.

Siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn