Arquivo de etiquetas: Alimentação

Livro Gratuito | Sim aos OGM! Para nós e para o ambiente

Livro - Yes to GMO

Livro Gratuito
Sim aos OGM! Para nós e para o ambiente

O livro “Yes to GMOs! For us and the environment”, dos autores Borut Bohanec & Mišo Alkalaj, aborda as questões relacionadas com os Organismos Geneticamente Modificados e a sua importância para os seres humanos, a agricultura e para o ambiente, tais como:

  • Como os OGM estão distribuídos pelo mundo?
  • Como a genética protege as culturas contra pragas, fungos e doenças provocadas por bactérias e vírus?
  • Como as plantas podem tornar-se resistentes ao frio e necessitar de menos fertilizantes?
  • Como as plantas e os animais podem produzir medicamentos?
  • Como as alergias alimentares podem tornar-se algo do passado?

E ainda:

  • Porquê que estas maravilhosas conquistas são mantidas em segredo?

DOWNLOAD GRATUITO

___

VIDEO da TEDxL do autor Borut Bohanec
“GMO controversies – science vs. public fear”

 

 

 

Anúncios

Recomendações EASAC | Edição de Genoma

Genome Editing EASAC - Mar2017

Recomendações
– Edição de Genoma em plantas, animais,
microrganismos e pacientes –

Comunicado CiB – 10 Abril 2017

Um relatório com recomendações sobre a Edição de Genoma foi publicado, no final de Março de 2017, pelo Conselho Consultivo das Academias Europeias de Ciências (EASAC). O relatório Edição de Genoma: Oportunidades Científicas, interesses públicos e opções políticas na UE dirige-se principalmente a decisores políticos da União Europeia (UE) e fornece recomendações sobre a abordagem relativa à aplicação da Edição de Genoma em plantas, animais, microrganismos e pacientes.

 

O QUE É A EDIÇÃO DE GENOMA?
A Edição de Genoma refere-se à modificação intencional de uma sequência de DNA específica, pré-seleccionada, existente num determinado ser vivo. Esta tecnologia está a aumentar o conhecimento sobre as funções biológicas dos seres vivos e a revolucionar a investigação científica. Esta nova e poderosa ferramenta tem potencial para ser utilizada em diferentes áreas de aplicação: saúde humana e animal, agricultura e alimentação e bioeconomia. Contudo, associadas às perspectivas dos benefícios desta tecnologia, têm sido levantadas questões relacionadas com a segurança e a ética, assim como questões relacionadas com a sua regulamentação.

 

Segundo Pedro Fevereiro (presidente do CiB – Centro de Informação de Biotecnologia, investigador e professor de Biotecnologia Vegetal), “as técnicas de Edição de Genoma possibilitam aos investigadores modificar um sequência precisa do DNA, criando modificações específicas, as quais permitem melhorar as características dos seres vivos sem que seja necessária a integração de DNA estranho. Esta tecnologia vai revolucionar os métodos de melhoramento vegetal e animal e auxiliar a cura e prevenção de doenças em humanos.”

O EASAC destacou que os decisores políticos devem assegurar que a regulamentação para a Edição de Genoma deve ter por base factos científicos, considere os benefícios, assim como os riscos hipotéticos e que seja proporcional, e suficientemente flexível, para abarcar os futuros avanços da ciência e da tecnologia.

O EASAC considera que o aumento da precisão, actualmente possível através da edição de genoma, representa uma grande mudança na investigação e na inovação. Neste contexto, destacam-se algumas das suas recomendações em relação a diferentes áreas:

PLANTAS
Os reguladores devem confirmar que os produtos de edição de genoma, quando não contêm DNA de outros organismos, não sejam considerados na legislação sobre Organismos Geneticamente Modificados (OGM). A regulamentação seja específica para os produtos / características agrícolas, em vez de se focar na tecnologia através da qual se concretiza a sua obtenção.

ANIMAIS
O melhoramento de gado para pecuária deve ser regulamentado tal como é proposto para o caso do melhoramento de plantas, ou seja, a regulamentação deve ser específica para as características e não para a tecnologia.

DIRECCIONAMENTO GENÉTICO
As aplicações genéticas para o controlo de vectores e outras modificações de populações-alvo no meio selvagem (por exemplo, para insectos vectores de doenças) oferecem oportunidades potenciais significativas para ajudar a enfrentar grandes desafios de saúde pública e de conservação.

MICRORGANISMOS
A Edição de Genoma em microrganismos não levanta novas questões para o quadro regulamentar e está actualmente sujeita a regras estabelecidas para utilização confinada e para libertação deliberada de OGM. Dado o potencial da sua aplicação, incluindo em produtos farmacêuticos, biocombustíveis, biosensores, bioremediação e cadeia alimentar, é importante considerar a sua aplicação no contexto da estratégia da União Europeia para a Inovação e Bioeconomia.

CÉLULAS HUMANAS
Investigação básica e clínica é necessária na edição de genoma em células humanas e deverá ser sujeita a regulamentação legal e ética e a práticas padronizadas. A aplicação clínica deverá ser rigorosamente avaliada dentro dos quadros regulamentares e considerar o consenso societal em relação a questões de relevância científica e ética, de segurança e de eficácia.

 

O Conselho Consultivo das Academias Europeias de Ciências chamou também a atenção para um aspecto que considera crucial, a “Justiça Global”, uma vez que existe o risco de aumento de desigualdade e tensão entre aqueles que têm acesso aos benefícios das aplicações da Edição de Genoma e aqueles que não têm. Segundo o EASAC, existem evidências de que decisões políticas têm criado dificuldades acrescidas a cientistas, agricultores e políticos de países em desenvolvimento, por exemplo, no caso das culturas geneticamente modificadas. Neste contexto, o EASAC considera vital que os decisores políticos avaliem as consequências de decisões tomadas em países externos à União Europeia. Reformular o actual quadro regulamentar na UE e criar a coerência necessária entre os objectivos internos da UE e a agenda para o desenvolvimento, com base em parcerias e na inovação, são importantes tanto para os países em desenvolvimento como para a Europa.

 

MAIS INFORMAÇÃO

 

 

Vídeo | Os OGM são bons ou maus?

Vídeo | Animação
Os OGM são bons ou maus?
Engenharia Genética e a nossa comida

Com legendas em Português

Video - GMO are Good or Bad

Os Organismos Geneticamente Modificados (conhecidos pela sigla OGM ou por transgénicos) são um dos temas mais controversos da ciência e da tecnologia. Contudo, a controvérsia surge quando são levantadas questões relacionadas com o cultivo de plantas ou produção de alimentos transgénicos. O uso da engenharia genética, ou seja de OGM, para o tratamento da saúde das pessoas, como por exemplo a utilização de insulina transgénica para tratamento da diabetes,  não se caracteriza pelas mesmas controvérsias e debate público.
.
Neste vídeo-animação são explorados os motivos que dão origem  às controvérsias e porque razão os OGM já têm e terão uma importância cada vez maior no futuro da agricultura, da alimentação, da sociedade e da protecção do meio ambiente.
.
.
Nota: Caso as legendas em Português não apareçam em Português, clique no botão das definições do vídeo e depois na opção “legendas”.
.
.
.

A lenda negra dos Transgénicos: desmontando mitos que rodeiam as culturas geneticamente modificadas

Maçaroca de Milho Transgénico resistente à broca versus Maraçorca de Milho convencional atacado por branco e já infestado com fungos tóxicos nas feridas provocadas pelas brocas - Qual das maçarocas acha que e mais saudável na alimentação? E mais rentável ao agricultor?

A lenda negra dos Transgénicos:
Desmontando mitos que rodeiam as culturas geneticamente modificadas”

Fundação Antama | Actualizado em 2015

Os produtos transgénicos são os alimentos mais avaliados de toda a história da agricultura e são-no através das entidades científicas públicas competentes criadas com essa funçã. A União Europeia conta com a EFSA – Autoridade Europeia de Segurança Alimenta, uma entidade independente formada por um comité de cientistas internacionais e altamente qualificados (em nutrição, toxicologia, alergologia e meio ambiente) para realizar as avaliações de risco desses produtos.

LER MAIS AQUI

COMUNICADO – “São raros os leites para bebé que não incluem transgénicos” é falso e demagógico

 icone_actividadesCIB_final

COMUNICADO

“São raros os leites para bebé que não incluem transgénicos”
é falso e demagógico

30 Junho 2015 | CiB Portugal

O CiB – Centro de Informação de Biotecnologia vem informar que a notícia “São raros os leites para bebé que não incluem transgénicos”, publicada no jornal Expresso no dia 29 de Junho de 2015, contém uma série de incorreções e falsidades que têm como única finalidade assustar injustificadamente a população Portuguesa.

Segundo, Pedro Fevereiro, Presidente da Direção do CiB e investigador de biotecnologia de plantas, “não existem quaisquer leites para bebés que incluam transgénicos, sendo que esta notícia pretende assustar os consumidores e os decisores políticos deliberadamente com o objetivo de incentivar à votação favorável da proibição do uso de milho e soja Geneticamente Modificados para a produção de rações para gado”.

O milho e a soja geneticamente modificados (conhecidos também por transgénicos) aprovados para comercialização na União Europeia foram sujeitos a análises de risco em instituições oficiais de vários países, incluindo a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) e o seu risco considerado não superior ao do milho e soja não transgénicos. Verifica-se até que os animais alimentados com este produtos apresentam melhores características, como comprova a redução do número de carcaças recusadas, no conjunto dos matadouros dos Estados Unidos da América, desde que as variedades transgénicas foram colocadas no mercado. Da mesma forma o grão transgénico apresenta menores teores de micotoxinas do que o grão de plantas não transgénicas, o que é benéfico para a saúde de pessoais e de animais que que consomem estes produtos. Não existe portanto, qualquer razão para apelar ao princípio da precaução.

Não foram até ao momento detetadas proteínas transgénicas ou DNA transgénico no leite produzido por vacas alimentadas com rações contendo milho ou soja geneticamente modificada. Por outro lado, um animal que consome rações contendo milho ou soja transgénica não se torna transgénico, nem é possível verificar na sua carne ou leite que se alimentou deste tipo de produtos. “Não existe nenhuma forma técnica de se provar “à posteriori” que um animal foi alimentado com rações contendo produtos geneticamente modificados e portanto seria ridícula a rotulagem destes animais”, explica Pedro Fevereiro.

A frase que inicia o último parágrafo desta notícia é paradigmática da falta de honestidade desta mensagem: “Não conseguimos ter garantias de risco zero e estamos longe de demonstrar uma relação de causa-efeito”. Não é possível garantir o risco zero de nenhum alimento. Contudo, é possível demonstrar que mesmo os “aclamados” produtos “biológicos” são arriscados e já existiram casos de internamentos e mesmo mortes, derivados do consumo desse tipo de produtos. Todos os alimentos que ingerimos contêm um risco associado. O risco zero não existe em nenhuma atividade humana. Nascer é um risco e viver também. A questão é decidir qual o nível de risco que estamos dispostos a assumir.

Se uma relação causa-efeito não é demonstrada, isso acontece porque não existe ou não foi devidamente avaliada. No entanto, só na Europa, já se gastaram 400 milhões de euros em investigação para tentar verificar esta causa-efeito e nada foi encontrado. Os poucos relatos que a pretendem demonstrar têm sido, por uma larga maioria, considerados incorretos cientificamente e os mais dramáticos, como aquele que diz que os transgénicos causam cancro, retirados de publicação, por serem considerados completamente falsos e os seus dados manipulados.

O objetivo desta notícia não é “…informar os consumidores sobre como podem evitar ingerir elementos transgénicos, mesmo quando estes não constam dos rótulos dos produtos.” O objetivo é assustar tentando transmitir a noção de que o leite é perigoso para as crianças que dele se alimentam, o que é completamente falso. Ao associar esta mensagem a determinadas marcas tenta também condicionar as próprias marcas, dando-lhes a entender que os consumidores, ao aceitarem esta mensagem, se recusarão a comprá-las.

Pedro Fevereiro diz ainda que “é pena que um órgão de comunicação com o prestígio do “Expresso” publique uma notícia com o nível de falsidade e de demagogia que esta transporta”.