Vídeo | Graham Brookes apresenta estudo inédito sobre impactos do milho Bt em Portugal e Espanha

 

 

O CiB-Centro de Informação de Biotecnologia, teve o privilégio de receber no Seminário “Poderá a agricultura portuguesa usufruir das Novas Técnicas de Melhoramento?”, o economista agrícola britânico Graham Brookes, que, neste evento promovido pelo CiB em parceria com a CAP e a Embaixada dos EUA em Portugal, apresentou e comentou um estudo inédito da sua autoria sobre os impactos económicos e ambientais do cultivo de milho geneticamente modificado em Portugal e Espanha.

Veja a apresentação integral: https://www.youtube.com/watch?v=BiNuDXT94mQ&feature=share

Anúncios

Estudo inédito | Milho Bt tem impactos muito positivos na economia e no ambiente 

graos de milho

Desde que começou a ser cultivado em Portugal e Espanha, em 1998, o milho Bt permitiu uma produção adicional de 1,89 milhões de toneladas e um aumento substancial no rendimento dos agricultores. Mas os benefícios não se confinam à economia e à sustentabilidade na produção de alimentos. Para o ambiente, os ganhos são também inquestionáveis. Estas são algumas das conclusões de um estudo recente publicado em maio e apresentado e comentado ontem em Portugal pelo próprio autor, o economista agrícola Graham Brookes, no Seminário “Poderá a agricultura portuguesa usufruir das Novas Técnicas de Melhoramento?”, promovido pelo CiB e pela CAP na Feira Nacional da Agricultura.

  • Para atingir essa produção com milho convencional, teria sido necessário cultivar uma área agrícola adicional de 15.240 hectares;
  • Conseguir o mesmo resultado com sementes convencionais exigiria o uso adicional de 1.042 milhões de m3 de água de irrigação;
  • O rendimento dos agricultores portugueses e espanhóis nestes últimos 21 anos de utilização de milho Bt foi de 284,4 milhões de euros;
  • Por hectare, os ganhos financeiros dos agricultores subiram 173 euros, em média.

Em Portugal e Espanha, muitos agricultores têm cultivado continuamente milho Bt desde 1998. Decorridos 21 anos de investimento nesta variedade geneticamente modificada que protege o milho do ataque da broca (uma praga endémica presente em certas áreas da Península Ibérica responsável por grandes perdas na produção), os resultados são bastante positivos.

Essa é a grande conclusão do estudo recente “Vinte e um anos de milho resistente a insetos (GM) em Espanha e Portugal – contribuições agrícolas, económicas e ambientais”, do economista agrícola britânico Graham Brookes, da PG Economics (Reino Unido), publicado em maio na revista GM Crops & Food e apresentado e comentado em Portugal pelo próprio autor, no Seminário “Poderá a agricultura portuguesa usufruir das Novas Técnicas de Melhoramento”, organizado pelo CiB-Centro de Informação de Biotecnologia em parceria com a CAP e a Embaixada dos Estados Unidos em Portugal, no dia 11 de junho, no CNEMA, na Feira Nacional de Agricultura.

O estudo de Graham Brookes analisa exaustivamente, com vários exemplos e dados estatísticos, os impactos económicos e ambientais do cultivo desta variedade de milho, desde que se iniciou o seu cultivo em Portugal e Espanha. De salientar que o autor foi o primeiro a fazê-lo, tendo como foco a contribuição económica e ambiental do milho transgénico.

Benefícios económicos

Desde 1998, o cultivo do milho Bt permitiu que os agricultores portugueses e espanhóis obtivessem uma produção adicional de 1,89 milhões de toneladas, reduzindo substancialmente a utilização de recursos valiosos como a água. Para atingir esses níveis de produção com o milho convencional, teria sido necessário cultivar uma área agrícola adicional de 15.240 hectares nos dois países.

Em 21 anos de produção de milho Bt, por causa do aumento da produção, evitou-se a ocupação de terra na ordem dos 188.890 hectares. O cultivo desta variedade de milho também contribuiu para a economia de água graças ao aumento dos rendimentos e da produção, uma vez que para conseguir os mesmos resultados com sementes convencionais teriam de ser gastos adicionalmente 1.042 milhões de m3 de água de irrigação.

De 1998 até 2018, a área total cultivada com milho Bt nos dois países foi de 1,65 milhões de hectares, o que resultou num aumento de receita de 285,4 milhões de euros. Segundo o autor do estudo, por cada euro extra gasto na compra da semente transgénica em comparação com o custo da semente convencional, os agricultores ganharam mais 4,95 euros.

O aumento da produção  e a redução de custos aumentaram o rendimento dos agricultores em uma média de 173 euros por hectare, impulsionando as economias rurais dos dois países.

 Benefícios ambientais

No relatório pode ler-se que a tecnologia utilizada reduziu a pulverização de inseticidas em 678.000 kg de ingrediente ativo (−37%) e, como resultado, diminuiu o impacto ambiental associado ao uso de herbicidas e inseticidas nessas culturas (em 21%, conforme medido pelo indicador, o Quociente de Impacto Ambiental-EIQ).

Além disso, a redução das pulverizações resultou numa poupança de água entre 141.000 e 705.000 metros cúbicos em 21 anos de utilização de milho Bt (o que dá cerca de 7.250 e 36.260 metros cúbicos por ano). Em Portugal, a diminuição do consumo de água é de 0,2% do total anual de água gasta na irrigação.

Ainda segundo o economista agrícola britânico, a tecnologia também permitiu reduzir o consumo de combustível (593.000 litros), o que corresponde a uma redução substancial de CO2 libertado para a atmosfera. Só no ano de 2016, houve uma redução da emissão de dióxido de carbono na ordem dos 27,1 mil milhões de kg, o equivalente à retirada de 16,7 milhões de carros das estradas.

Outros benefícios

Os grãos de milho Bt são de melhor qualidade do que os grãos de milho convencionais, com níveis mais baixos de agentes cancerígenos.

Menor desperdício de grãos para utilização em alimentos e rações.

Melhor monitorização dos riscos de produção.

Redução do tempo gasto na monitorização das plantações devido a prejuízos causados por pragas.

Colheita mais fácil.

Impactos negativos

Segundo Graham Brookes, não há nenhuma evidência de impactos económicos ou ambientais negativos e também não há nenhuma evidência de que as pragas desenvolvem resistência à biotecnologia.

O CASO DE PORTUGAL

Em 2018, a área cultivada com milho Bt em Portugal era 6 mil hectares, o que representa 6% da área total cultivada com milho (em Espanha, no mesmo ano, era de 115 mil hectares e em onze países fora da EU somava 85 milhões de hectares).

Tal como em todos os países da União Europeia, em Portugal apenas é permitido o cultivo de milho geneticamente modificado e de uma só variedade – o milho Bt, resistente a insetos. Mas o facto de na União Europeia não ser permitida a produção de outras culturas e variedades geneticamente modificadas (GM), não significa que a UE não as compre a outros países.

Na verdade, como pode ler-se no estudo de Graham Brookes, a UE importa grandes quantidades de culturas geneticamente modificadas, principalmente para utilização em rações para animais. Por exemplo, importa anualmente 35 milhões de toneladas de soja e farelo de soja GM.

Estima-se que a cada ano, em Portugal, sejam afetados regularmente pela praga do milho mais de 15 mil hectares (cerca de 14%-15% da área total de milho) e a aplicação de inseticidas tem revelado uma eficácia limitada.

As regiões mais prejudicadas são o Alentejo, Litoral Centro, Lisboa e Vale do Tejo. Isso explica por que razão as maiores concentrações de culturas de milho Bt se verificaram nestas regiões quando a tecnologia se tornou disponível para os agricultores.

Estudo completo aqui: 

‘Twenty-one years of using insect resistant (GM) maize in Spain and Portugal: farm level economic and environmental contributions’

Infografía do Estudo Graham Brookes

Seminário | Edição de genoma em debate na Feira Nacional de Agricultura

foto seminário santarém 2

As Novas Técnicas de Melhoramento de plantas, como a edição de genoma, vão marcar a manhã do dia 11 de junho na Feira Nacional de Agricultura, em Santarém. Para além de investigadores e agricultores portugueses e espanhóis, o seminário “Poderá a agricultura portuguesa usufruir das Novas Técnicas de Melhoramento?”, promovido pelo CiB em parceria com a CAP, contará com a presença do reputado economista agrícola britânico, Graham Brookes, para apresentar e comentar o relatório da sua autoria “Vinte e um anos de milho resistente a insetos (GM) em Espanha e Portugal – contribuições agrícolas, económicas e ambientais.”

 

Pela primeira vez na história da Feira Nacional de Agricultura, as Novas Técnicas de Melhoramento de plantas, entre as quais a edição de genoma, vão ser tema em discussão na 56ª edição do evento, que decorre entre 8 e 16 de junho.

Na manhã do dia 11 de junho, a sala Scalabis do Centro Nacional de Exposições, em Santarém, vai acolher dezenas de investigadores e agricultores nacionais e espanhóis para discutirem os aspetos científicos, técnicos e regulatórios da edição de genoma e das suas aplicações na agricultura no Seminário “Poderá a agricultura portuguesa usufruir das Novas Técnicas de Melhoramento?”, promovido pelo CiB-Centro de Informação de Biotecnologia em parceria com a CAP-Confederação dos Agricultores de Portugal.

A intervenção da investigadora espanhola Pilar Cubas sobre os aspetos científicos da edição do genoma e a ciência por trás das Novas Técnicas de Melhoramento irá abrir este encontro, que contará também com as intervenções da adida para a agricultura da Embaixada dos Estados Unidos em Espanha e Andorra, para falar dos aspetos regulatórios da edição de genoma.

Para perspectivar o impacto que poderá ter o uso das novas tecnologias de melhoramento na agricultura em Espanha e em Portugal, estarão presentes como oradores o agricultor espanhol Pedro Gallardo, presidente da ALAS-Aliança para uma Agricultura Sustentável e vice-presidente da ASAJA- Associação Agrária de Jovens Agricultores, e o agricultor português José Palha, presidente da ANPOC-Associação Nacional de Produtores de Cereais e Diretor da CAP-Confederação dos Agricultores de Portugal.

Um dos momentos mais esperados deste evento será a intervenção do economista agrícola britânico Graham Brookes, que irá apresentar e comentar as conclusões do relatório da sua autoria “Vinte e um anos de milho resistente a insetos (GM) em Espanha e Portugal – contribuições agrícolas, económicas e ambientais.”

Este estudo inovador avalia os impactos económicos e ambientais do milho Bt, geneticamente modificado (GM) resistente a insetos, na Península Ibérica, desde 1998, altura em que foi semeado pela primeira vez em Espanha. Desde então, cerca de 1,65 milhão de hectares foram semeados com milho com esta caraterística, o que resultou num aumento acumulado no rendimento dos agricultores de mais de 285,4 milhões de euros. Segundo os cálculos de Graham Brookes, “por cada euro extra gasto com as sementes GM em relação às sementes convencionais, os agricultores ganharam um adicional de 4,95 € em rendimento extra.”

dryland-ag-day-tribune-photo

No relatório pode ler-se que a tecnologia utilizada reduziu a pulverização de inseticidas em 678.000 kg de ingrediente ativo (−37%) e, como resultado, diminuiu o impacto ambiental associado ao uso de inseticidas nessas culturas (em 21%, medido pelo indicador, o Quociente de Impacto Ambiental-EIQ).

Ainda segundo o economista agrícola britânico, a tecnologia também permitiu reduzir o consumo de combustível, o que também resultou na redução da libertação de emissões de gases de efeito estufa da área de cultivo de milho transgénico e contribuiu para a economia de recursos hídricos escassos.

A participação neste evento é sujeita a inscrição prévia ou a confirmação de presença por telefone ou email (abaixo indicados).

Programa

9h00 – Abertura

09h15 – 11h00: 1ª Sessão – Aspetos científicos, regulatórios e económicos

09h15 – 09h55: Aspetos científicos da edição de genoma e a ciência por trás das Novas Técnicas de Melhoramento – Pilar Cubas, investigadora do CNB – Centro Nacional de Biotecnologia | Genética Molecular Vegetal (Madrid)

09:55 – 10:35: Apresentação e discussão do relatório “Twenty one years of using resistant (GM) maize in Spain and Portugal: farm level, economic and environmental contributions of GM crops food” (“Vinte e um anos de utilização de milho resistente a insetos (GM) em Espanha e Portugal:  contribuições agrícolas, económicas e ambientais das culturas e alimentos GM” – Graham Brookes, economista agrícola, diretor da PG Economics (UK)

10:35 – 10:55: Aspetos regulatórios da edição de genoma – Jennifer Clever, adida para a agricultura da Embaixada dos Estados Unidos em Espanha e Andorra

10:55 ­- 11:10: Discussão

11:10 – 11:40: Pausa para café

11h20 – 13h00: 2ª sessão – As aplicações das Novas Técnicas de Melhoramento na perspetiva dos agricultores

11:40 – 12:10: A realidade em Espanha – Pedro Gallardo, agricultor e Presidente da ALAS-Aliança para uma Agricultura Sustentável, vice-Presidente da ASAJA- Associação Agrária de Jovens Agricultores (Espanha)

12:10 – 12:40: A realidade em Portugal – José Palha, Agricultor, Presidente da ANPOC-Associação Nacional de Produtores de Cereais e Diretor da CAP-Confederação dos Agricultores de Portugal

12:40 – 13:00: Discussão

13:00 – 13:10: Encerramento

 

Local do seminário:

CNEMA-Centro Nacional de Exposições e Mercados Agrícolas

Quinta das Cegonhas

2001-904 Santarém

 

Para informações adicionais e confirmação de presença, por favor contactar:

Carla Amaro

Gabinete de Comunicação | Communication Office

CiB – Centro de Informação de Biotecnologia, Portugal
E-mail – gabcom@cibpt.org

Tel. +351 21 446 9768 // +351 91 266 3482

Website || Blog || Twitter || Facebook

 

 

 

Desafio |Concurso de fotografia para celebrar Dia do Fascínio das Plantas

file-19 planta

18 de maio de 2019 | Dia Internacional do Fascínio das das Plantas

Convite

“À Descoberta das Plantas”

Tal como em anos anteriores, o ITQB NOVA, o IBET e o CiB-Centro de Informação de Biotecnologia, com o apoio da Câmara Municipal de Oeiras e a ANSEME-Associação Nacional dos Produtores e Comerciantes de Sementes, juntam-se à comemoração do Dia Internacional do Fascínio das Plantas, a 18 de maio, com um conjunto de atividades que apelam à participação da sociedade em geral.

Com o objetivo de sensibilizar os mais novos para a importância do conhecimento sobre as plantas o seu papel na nossa vida e sustentabilidade do planeta o ITQB NOVA, o IBET, o CiB e a ANSEME irão realizar várias iniciativas, entre as quais uma exposição de desenhos, subordinada ao tema “Porque precisamos das plantas?”, e um concurso de fotografia de plantas, de tema livre.

Neste sentido, convidamos a comunidade escolar a participar na celebração do dia do fascínio das plantas.

A exposição de desenhos “Porque precisamos das plantas?” está aberta à participação dos alunos que frequentam o ensino pré-escolar até ao 9º ano (inclusive). Os trabalhos deverão ser realizados em folha de tamanho A4 e enviados até 30 de abril, por correio, para: ITQB NOVA, gabinete de comunicação, Av. da República, 2780-157, Oeiras.

O concurso de fotografia dirige-se a alunos do terceiro ciclo e do ensino secundário. As fotografias deverão ser enviadas até 24 de abril, com tamanho 5 megas e em formato JPG, para o endereço de email: cfplantas@itqb.unl.pt. Haverá prémios para os três primeiros classificados do concurso, conforme regulamento em anexo.

A divulgação dos três primeiros classificados do concurso de fotografia será feita a partir de 6 de maio nos sites e redes sociais do ITQB, do CiB e da ANSEME e os prémios serão entregues a 18 de maio, em Oeiras, em local ainda a definir. No mesmo dia e local, serão expostos os desenhos enviados para a exposição “Porque precisamos das plantas”, bem como as dez melhores fotografias.

Para além destas, estão previstas outras atividades, como a realização de uma palestra informal sobre o melhoramento de plantas e uma mostra de desenhos de plantas feitos em ambiente de laboratório por artistas urban sketchers e integrados na exposição itinerantePlantLab Sketching”. Esta celebração contará ainda com a presença de cientistas, que guiarão os visitantes pelo admirável mundo das plantas, dando a conhecer um pouco do que se faz no laboratório.

Mais tarde, publicaremos aqui informação detalhada, nomeadamente o programa das atividades, instruções para os alunos participarem na exposição de desenhos  e o regulamento do concurso de fotografia.

O Dia Internacional do Fascínio das Plantas é organizado em todo o mundo sob a égide da European Plant Science Organisation (EPSO), sendo promovido em Portugal pela Sociedade Portuguesa de Fisiologia Vegetal.

Para esclarecimentos adicionais, por favor consultar a página online do Dia do Fascínio das Plantas ou contactar:

Carla Amaro | Gabinete de Comunicação do CiB | 214 469 768 | 912 663 482 | gabcom@cibpt.org

 

PARTICIPEM

 

 

Evento | ITQB NOVA acolhe terceira conferência anual iPlanta

Entre 27 de Fevereiro e 1 de Março, o Auditório do ITQB NOVA, em Oeiras, acolhe a terceira conferência anual iPlanta. Depois de Roma, em Itália, e de Poznań, na Polónia, onde se realizaram, respetivamente, a primeira e segunda edição, este ano será Portugal a receber um dos mais importantes debates internacionais sobre a necessidade de usar a biotecnologia para o desenvolvimento de novas formas de proteger as culturas agrícolas de doenças e pestes.

Promovida pelo CiB – Centro de Informação de Biotecnologia e pelo Laboratório de Biotecnologia de Células Vegetais, da Unidade de Investigação Green-it, a terceira Conferência anual iPlanta contará com a presença e a intervenção de vários investigadores de diferentes países, que falarão sobre o desenvolvimento de novas metodologias através da utilização do RNA de interferência, um processo biológico no qual as moléculas de RNA inibem a expressão de um gene, neutralizando as moléculas específicas do RNA mensageiro (ácido ribonucleico responsável pela transferência de informações do ADN).

Haverá ainda lugar para a divulgação de novidades sobre a estabilidade do RNA, nomeadamente no silenciamento genético induzido por pulverização (SIGS) e do silenciamento genético induzido por hospedeiro (HIGS).

A importância deste encontro reside na necessidade urgente de encontrar soluções mais eficazes, através da aplicação de RNAi, no combate das interações patogénicas enfrentadas pelas culturas, responsáveis pela perda de quantidades substanciais da produção agrícola mundial, incluindo em Portugal, onde todos os anos se perdem cerca de 40 % de culturas. Em termos globais, os números são semelhantes. Segundo estimativas da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), entre 20% a 40% das culturas são destruídas todos os anos devido a pragas e doenças.

Com o estimado aumento populacional, a agricultura moderna enfrenta um dos seus maiores desafios: garantir o abastecimento de alimentos para 10 mil milhões de pessoas daqui a apenas 30 anos. Mas poderá a produção de alimentos aumentar sem o recurso a metodologias como, por exemplo, o RNAi?

Para o investigador Pedro Fevereiro, presidente do CiB-Centro de Informação de Biotecnologia, Professor Auxiliar do Departamento de Biologia Vegetal na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa e Chefe do Laboratório do Grupo de Biotecnologia Vegetal no ITQB NOVA, a realização da III Conferência iPlanta em Portugal “é uma oportunidade para debater e divulgar os aspetos científicos e técnicos desta tecnologia, de forma a se efetivar a sua utilização na proteção das culturas agrícolas contra pragas e doenças.”

Tal como as Conferências iPlanta anteriores, esta é uma ação COST, uma organização europeia que promove e financia o networking em investigação e tecnologia.

A participação na iPlanta está sujeita a inscrição prévia (até ao dia 15 de fevereiro). Consulte o programa aqui.

CONVITE | Exposição – PlantLab Sketching | 8-30 Nov, Lisboa

Expo-PlantLabSketching-Facebook

Exposição

PlantLab Sketching
Urban Sketching no ITQB NOVA

8 a 30 de Novembro de 2017, Bar Irreal, Lisboa

Convidamos todos os interessados a visitar a exposição PlantLab Sketching – Urban Sketching no ITQB NOVA na qual estarão expostos desenhos que resultaram de actividades de urban sketching no Dia Aberto 2017 do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier (ITQB NOVA). A exposição estará patente no bar Irreal, em Lisboa de 8 a 30 de Novembro de 2017, a partir das 21h (de terça a domingo).

A inauguração da exposição PlantLab Sketching irá realizar-se, no dia 8 de Novembro, às 19h30, no contexto do 22º PubhD Lisboa, no qual alunos de doutoramento irão explicar brevemente o seu projecto de investigação (em BioEngenharia e Ciências de Comunicação), de forma clara para públicos não especialistas.

Os autores que participam nesta exposição desenharam ao vivo durante visitas guiadas a laboratórios de Biotecnologia de Plantas e noutras actividades do evento que celebrou a investigação que se faz no ITQB NOVA, o Dia Mundial da Metrologia e o Dia Internacional do Fascínio das Plantas. Mais informações em: http://rabiscos.itqb.unl.pt  
A finissage da exposição, no dia 30 de Novembro, a partir das 19h30, incluirá uma breve apresentação sobre a investigação que se faz no Laboratório de Biotecnologia de Células Vegetais e que foi abordada numa das visitas desenhadas no Dia Aberto 2017 do ITQB NOVA. Desenhadores e fotógrafos amadores irão reunir-se para fazer a reportagem do evento, num encontro organizado pelo grupo Foto&Sketchers 2 Linhas (quem quiser participar mesmo não tendo experiência em desenho e fotografia deve inscrever-se para fotosketchers2linhas@gmail.com).

 

Visite-nos!

____

LOCALIZAÇÃO DO IRREAL
Rua do Poço dos Negros, nº 59, Santos-Lisboa | Indicações no Google Maps

ORGANIZAÇÃO
ITQB NOVA 
– Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier da Universidade NOVA de Lisboa
CiB – Centro de Informação de Biotecnologia

APOIOS
FS 2´´ – Foto&Sketchers 2 Linhas

ACOLHIMENTO
PubhD Lisboa – Três doutoramentos num bar
Irreal

18 Maio | Conversa – Importância do melhoramento de plantas em Portugal

Conversa -Fascinio Plantas - Anseme-CiB - 18maio2017

Conversa
Importância do melhoramento de plantas em Portugal

18 Maio 2017 – ISA, Lisboa

No Dia Internacional do Fascínio das Plantas, celebrado em 18 de Maio de 2017, contamos consigo para uma “Conversa sobre a importância do melhoramento de plantas em Portugal”.

Convidados | António Sevinate Pinto (Anseme), Pedro Fevereiro (ITQB NOVA e CiB) e Gabriela Cruz (Agricultora)

18 Maio 2017 | 17h30
Sala de Actos do Instituto Superior de Agronomia, Lisboa

Inscrição gratuita, mas obrigatória.
E-mail: anseme@anseme.pt

Organização
Anseme – Associação Nacional dos Produtores e Comerciantes de Sementes.
CiB – Centro de Informação de Biotecnologia

__

O Dia Internacional do Fascínio das Plantas “Fascination of Plants Day 2017” – http://www.plantday.org/portugal.htm – é organizado sob a égide da European Plant Science Organisation (EPSO). Esta iniciativa pretende envolver o maior número de pessoas em todo o mundo para o despertar do fascínio das plantas e para a importância do seu estudo na melhoria da agricultura e produção sustentável de alimentos, bem como para a horticultura, silvicultura e produção de bens não-alimentares, como papel, madeira, químicos, fármacos e energia. O papel determinante das plantas na conservação do meio ambiente é igualmente objeto de destaque.

Artigo – Biotecnologia e Melhoramento Vegetal por Pedro Fevereiro

Artigo-RevistaCultivar_GPP_MA_Pt

Artigo de Comunicação e Agricultura
Biotecnologia e Melhoramento Vegetal

Pedro Fevereiro – ITQB NOVA, CiB Portugal

Junho 2016 | Revista Cultivar (GPP)

 

A biotecnologia tem como programa racionalizar e tornar eficientes os processo que recorrem aos organismos vivos ou seus componentes para a obtenção de produtos e serviços.

Não admira, portanto, que historicamente seja a agricultura – uma atividade que tem como um dos seus objetivos a produção de matéria-prima para a alimentação humana e animal – uma das áreas que mais tende a incorporar a inovação desenvolvida pela biotecnologia.

Dependendo da perspetiva, é possível assumir que a biotecnologia, entendida como atividade humana que recorre aos “serviços” dos seres vivos, sempre esteve presente desde que o homem se sedentarizou. De facto, os processos de seleção artificial que foram sendo impostos por nós a espécies vegetais e animais e que deram origem às atuais variedades vegetais cultivadas e às raças de animais domésticos, bem como os múltiplos usos que delas foram sendo feitos, são considerados por alguns como biotecnologia, embora a componente de racionalização destes processos só nos últimos dois séculos se tenha vindo a impor, devido à compreensão dos fenómenos biológicos subjacentes aos processos utilizados.

Nos últimos cem anos, a acumulação do conhecimento biológico, fruto da aplicação do método científico ao estudo dos seres vivos que nos rodeiam, tem permitido o desenvolvimento de várias tecnologias para otimizar os processos de melhoramento das espécies vegetais. O desiderato final é permitir o desenvolvimento de cultivares, das diferentes espécies vegetais que são utilizadas na agricultura, adequadas às diferentes condições edafoclimáticas, aos diferentes modos de produção e aos diferentes ataques bióticos (doenças e pragas). Estes objetivos são tanto mais relevantes quanto as perdas relativas aos stresses bióticos se estimam entre 30 a 40 porcento atuais (figura 1), podendo as perdas de produtividade potencial resultantes dos impactos abióticos ultrapassar os 60%.

LER ARTIGO COMPLETO nas pág. 27-35

Pedro Fevereiro (2016) “Biotecnologia e Melhoramento Vegetal”. Revista Cultivar. 4. GPP (*) – Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral. pp. 27-35. Url: http://www.gpp.pt/pbl/Period/Cultivar_4_digital.pdf. 

Apres.Cultivar4-GPP-MAM-5jul2016-FotoGPP
Sessão de Apresentação da Revista Cultiva nº 4

O GPP (*) organizou no Ministério da Agricultura e Mar uma sessão de reflexão, com intervenções sobre o tema, na sessão de apresentação desta publicação.

APRESENTAÇÃO “Biotecnologia e Agricultura” de Pedro Fevereiro

Programa do evento

* O GPP – Gabinete de Planeamento, Políticas e Administração Geral tem por missão apoiar a definição das linhas estratégicas, das prioridades e dos objetivos das políticas do Ministério da Agricultura e do Mar (MAM) e coordenar, acompanhar e avaliar a sua aplicação, bem como assegurar a sua representação no âmbito comunitário e internacional e prestar o apoio técnico e administrativo aos gabinetes dos membros do governo e aos demais órgãos e serviços integrados no MAM.

16 Out 2015 | V Encontro – Biotecnologia e Agricultura: O Futuro é Agora, Coimbra

Cartaz - CiB-UC-16Out2015 - 800 px

V Encontro
Biotecnologia e Agricultura: O Futuro é Agora

16 Outubro de 2015

Auditório do Pólo II – Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra

PROGRAMA
(Provisório)

10h30 – Sessão de Abertura
10:45 – Ana Paula Carvalho – DGAV – Direcção Geral de Alimentação e Veterinária em Portugal
| O Impacto do melhoramento e da biotecnologia na agricultura
11:30 – Coffee-break
11:45 – Beat Spath – Europabio – The European Association for Bio-industries
| A ganhar os benefícios, mas não na Europa? (em Inglês)
12:30 – Discussão com o público
13:00 –  Almoço
14:30 – Cecile Collonnier – Investigadora do Laboratório de Dinâmica e Expressão do Genoma do INRA, França
| Novas tecnologias de modificação do genoma, aplicações e impacto na Regulamentação da UE (em Inglês)
15:15 –  Francisco Aragão – Investigador principal da Embrapa, Brasil
| Desenvolvimento de plantas biotecnológicas no Brasil: o caso do feijão transgénico
16:00 – Coffee-break
16:15 – António Sevinate Pinto – Presidente da Anseme – Associação Nacional dos Produtores e Comerciantes de Sementes
| Título a definir
17:00 – Discussão com o público
17:30 – Conclusões
17:45 – Sessão de Encerramento

Todas as informações sobre INSCRIÇÕES (Normal: 25 euros | Estudantes: 15 euros) e  MAPA de LOCALIZAÇÃO podem ser consultadas em www.cibpt.org

ORGANIZAÇÃO

Logos-VEncontro16Ago2015-CiB-UC

CiB – Centro de Informação de Biotecnologia
Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra
InProPlant – Investigação e Propagação de Plantas

Concurso de Comunicação de Ciência – Plantas Transgénicas: 30 anos de Estórias


Concurso de Comunicação de Ciência
– Plantas Transgénicas: 30 anos de Estórias – 

Para alunos de Licenciatura ou Mestrado inscritos em Universidades Portuguesas

Entrega dos trabalhos até 27 Março de 2014

Inscrições Obrigatórias até 28 de Fevereiro de 2014

Mais informações

http://concurso30anosplantasgm.wordpress.com/

Poster Final Cores - 600x800