GMOinfo.eu | Novo website pan-europeu sobre OGM na Agricultura

gmoinfoeuportugal

GMOinfo.eu
Novo website pan-europeu sobre OGM na Agricultura
em 10 línguas

Março de 2018 – Europabio

O tema dos Organismos Geneticamente Modificados (conhecidos por OGM)  continua a sofrer de desinformação na Internet, dada a constante dissiminação de notícias incorrectas ou falsas que espalham medos e reacções negativas sobre a sua utilização, principalmente quando  é abordado no contexto de produção Agrícola e Alimentar.

O website GMOinfo.eu foi lançado pela Europabio – Associação Europeia das Bioindústrias para divulgar informação credível, baseada em factos científicos, em colaboração com 11 países. O GMOinfo.eu está disponível em 10 línguas, incluindo o Português em GMOinfo.eu.pt. O projecto inclui ainda a divulgação através do Twitter. A versão Portuguesa é @GMOinfoEU_pt.

O website inclui quatro secções principais  – Comércio e Aprovações; Cultivo e Benefícios, Inovação e Propriedade Intelectual; e Ciência e Segurança – e ainda uma secção de notícias. Na secção “Ciência e Segurança” pode ler-se no texto de introdução:

A Biotecnologia Agrícola (ou Agrobiotecnologia) permite aos melhoradores de variedades vegetais introduzir genes, com origem da mesma espécie ou de diferentes espécies, numa planta e/ou editar genes existentes. O objectivo é melhorar essas variedades e promover características específicas nas culturas. Este processo permite aos agricultores contribuírem para a produção de alimentos, têxteis e combustíveis de forma mais eficiente e sustentável e ir de encontro às necessidades dos consumidores.

O melhoramento de culturas através da Biotecnologia permite tornar as culturas mais robustas contra doenças, resistência a determinadas pragas e herbicidas, a tolerarem condições de seca ou a tornarem-se mais nutritivas. Tem também a vantagem de usar técnicas mais específicas e rápidas do que as utilizadas no melhoramento convencional de variedades vegetais, porque apenas um ou alguns genes de interesse são introduzidos no genoma receptor, ultrapassando a necessidade de cruzar plantas múltiplas vezes, tal como é necessário no melhoramento tradicional.

Sendo apenas uma das ferramentas entre todas as que existem à disposição dos agricultores no contexto da agricultura moderna, o uso de Organismos Geneticamente Modificados (OGM) e de outras técnicas da Agrobiotecnologia tem um vasto potencial para enfrentar muitos desafios ambientais e sociais.

A Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA, sigla em Inglês) e a Comissão Europeia, conjuntamente com reguladores em todo o mundo e Academias de Ciência, incluindo o Conselho Consultivo das Academias Europeias de Ciências (EASAC, sigla em Inglês), concordam que as culturas geneticamente modificadas (conhecidas também por culturas GM ou transgénicas) são tão seguras como as culturas convencionais. Desde o início da sua comercialização, em 1996, não houve evidências de efeitos nocivos para a saúde de animais e pessoas ligados ao consumo de quaisquer culturas GM autorizadas.

Mais informação

  • Grandes destaques da página principal do GMOinfo.eu (em 20 de Março de 2018):
. Artigo Científico – Dados de 40 anos quantificam beneficios de milho GM em culturas biológicas e convencionais
. Artigo Cientifico – Milho Transgénico: 21 anos de dados confirmam segurança e benefícios para saúde e ambiente
. Guia Prático: Culturas GM e Políticas na UE
. Vídeo – O melhoramento genético de plantas no nosso dia-a-dia

gmoinfoeuportugal_evidencias

 

ESCLARECIMENTO – Como evitar ser manipulado à custa dos OGM

ESCLARECIMENTO

Como evitar ser manipulado à custa dos OGM

26 Fevereiro 2013 – Comunicado do CiB Portugal

[click to read this press release in English]

Ontem a intitulada “Plataforma Transgénicos Fora” emitiu um comunicado onde diz ter analisado a presença de OGM – Organismos Geneticamente Modificados – em hipermercados portugueses. Este comunicado é um exercício de desinformação e mais uma peça de manipulação, infelizmente com eco em alguns meios de comunicação social.

É também uma forma de tentar aterrorizar os consumidores e fazer os distribuidores e vendedores questionarem-se sobre a qualidade dos produtos que fornecem aos seus clientes. Na verdade nada há a temer. Estes produtos são tão seguros e inócuos como os produzidos com plantas convencionais.

Não existe qualquer risco no consumo de óleos alimentares produzidos a partir de soja geneticamente modificada. Não só estes alimentos foram profusamente testados antes de serem utilizados para consumo, como são aprovados pela EFSA – Agência Europeia de Segurança Alimentar. Finalmente, estão há mais de 15 anos no mercado, sem que qualquer questão de saúde pública se tenha levantado resultante do seu uso como alimento.

É extraordinário que os meios de comunicação social aceitem publicitar um estudo equívoco, feito sem qualquer controlo, por um grupo completamente conotado, sem sequer procurarem outras fontes ou contraditarem o que lhes é apresentado.

Este comunicado é emitido num momento em que mais uma vez se verifica o aumento da produção mundial de variedades vegetais geneticamente modificadas (aumento de 6% em relação a 2012, 170 milhões de hectares, 17,3 milhões de agricultores), em que variedades transgénicas de arroz e feijão foram aprovadas para ser produzidas e em que em todo o mundo se verifica as vantagens ambientais do uso das variedades geneticamente modificadas. De facto esta tecnologia tem repetidamente comprovado a excelente qualidade dos seus produtos e a redução dos impactes ambientais devido à sua utilização na produção agrícola.

Os consumidores, os vendedores e os distribuidores podem ficar descansados: nada há de prejudicial nestes produtos. E há fontes fidedignas e idóneas que podem – e devem – ser consultadas que permitem confirmá-lo.