Exocortis | Encontrada solução para combater a doença dos citrinos?

O exocortis dos citrus (também conhecido como “scalybutt”) é uma doença que afeta as árvores de citrinos e, por vezes, também a planta do tomate. Atrofia o crescimento das plantas, causando prejuízos significativos no rendimento dos produtores. Mas agora há uma solução à vista.

Investigadores espanhóis do Instituto de Biologia Molecular e Celular de Plantas (IBMCP) e do Centro de Investigação Nacional Espanhol, da Universidade Politécnica de Valência, descobriram uma nova forma de combater a doença causada pelo citus exocortis viroid (CEV), presente em quase todas as regiões do mundo produtoras de citrinos.

Os investigadores Alejandro Ferrando, Purificación Lisón e Ismael Rodrigo revelam neste vídeo as chaves de uma investigação que descobriu, pela primeira vez, que “os viróides – patogénios vegetais – causam uma falha na formação de ribossomos” (estruturas nas quais são produzidas as proteínas das células).

Siga o CiB no Twitter, no Instagram, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

COVID-19 |Cientistas estão a desenvolver teste de diagnóstico de baixo custo com tecnologia CRISPR

COVID
Créditos da imagem: Getty Images

Investigadores do Departamento de Engenharia Biomédica da Universidade de Connecticut, nos EUA, estão a usar uma ferramenta de edição do genoma – o CRISPR – no desenvolvimento de um novo teste de diagnóstico simples e de baixo custo para detetar doenças infeciosas, incluindo o novo corona vírus SARS-CoV-2, o agente causador da COVID-19.  

O investigador e Professor Associado da Universidade de Connecticut, Changchun Liu, desenvolveu o método “CRISPR-Cas12a duplo tudo-em-um” (AIOD-CRISPR) para permitir testes simples e deteção visual rápida e ultrassensível dos vírus SARS-CoV-2 e HIV, destinados a uso doméstico ou em pequenas clínicas. “O recente surto de novos coronavírus espalhou-se rapidamente por todo o mundo”, pelo que “a deteção rápida e precoce do vírus SARS-CoV-2 facilitará uma intervenção atempada e reduzirá o risco de transmissão de doenças. O nosso método tem um grande potencial para desenvolver a próxima geração de diagnóstico molecular nos pontos de atendimento”.

Embora o método da reação em cadeia da polimerase (PCR) seja atualmente considerado o “padrão de ouro” para o diagnóstico de doenças, apresenta um senão: depende de equipamentos caros e de pessoal bem treinado. Mas o método de Changchun Liu, ao contrário do PCR, é isotérmico (~ 37 ° C) e, também ao contrário de outras tecnologias de amplificação isotérmica, possui melhor sensibilidade e especificidade.

No trabalho de laboratório, o sistema AIOD-CRISPR detetou com sucesso o DNA e o RNA do SARS-CoV-2 e do HIV. Além disso, o método foi avaliado pela deteção do RNA do HIV-1 extraído de amostras de plasma humano, tendo alcançado resultados comparáveis ​​ao método de PCR.

A UConn entrou recentemente com um pedido de patente sobre esta tecnologia.

De salientar que esta não é a primeira vez que Changchun Liu responde a um surto com tecnologia inovadora de diagnóstico. Em 2015-2016, durante o surto do vírus Zika, o laboratório deste investigador na Universidade da Pensilvânia desenvolveu uma plataforma de diagnóstico molecular para a deteção do Zika, para ser usada em pontos de atendimento livres, sem necessidade de assistência médica.

Para mais informações sobre o teste de diagnóstico para deteção do novo coronavírus, com tecnologia CRISPR, leia o manuscrito, disponível na BioRxiv preprint platform.

Siga o CiB no Twitter, no Instagram, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

Edição de genoma | O que é o CRISPR?

crisprcrop2224567
Image: R&D Magazine

De vez em quando ouvimos notícias sobre a edição genética, mas o que é isso exatamente, em que consiste, para que serve e como funciona?

Com a edição de genoma, os cientistas podem fazer alterações precisas e permanentes nos quatros blocos moleculares do DNA dos seres vivos. Embora já existam vários métodos para realizar este procedimento, o mais discutido atualmente é o CRISPR / Cas9. Este vídeo de um episódio de Tech-x-planations explica como é que esta ferramenta funciona.

Siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn

Consórcio de cientistas quer sequenciar o DNA de todos os eucariotas

Sabia que neste ano de 2018 se celebram os 65 anos da descoberta do DNA (ADN em Português)? Neste contexto, parece oportuno divulgar esta notícia sobre o Projecto do Biogenoma da Terra.

Imagem do Artigo do Jornal Público.pt - Consórcio de cientistas quer sequenciar o ADN de todos os eucariotas (23 Abril 2018)

 

Consórcio de cientistas quer sequenciar o ADN de todos os eucariotas
Público.pt – 23 de Abril de 2018

Projecto vai durar dez anos e custar cerca de 3800 milhões de euros. Tudo para se descobrir mais pormenores sobre a vida na Terra.
A vida no nosso planeta ainda tem muitos mistérios. E os cientistas continuam empenhados em descobri-los. Um consórcio internacional de investigadores apresentou na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS) uma das “propostas mais ambiciosas na história da biologia”: quer sequenciar, catalogar e analisar os genomas de todas as espécies de eucariotas que se conhecem no planeta. Chama-se Projecto do Biogenoma da Terra, vai durar dez anos e custar cerca de 3800 milhões de euros.

O projecto foi mencionado pela primeira vez em 2015 em dois encontros científicos e influenciado pelo Projecto do Genoma Humano, em que se sequenciou todo o genoma humano. Lançado em 1990 e concluído em 2003, esse projecto foi considerado um enorme contributo não só para a medicina humana mas também para a medicina veterinária, a biociência agrícola, a biotecnologia, as ciências ambientais ou para as ciências forenses. Outra iniciativa semelhante é o Projecto de Microbioma da Terra, que tem descodificado o genoma das bactérias e dos arquea (domínio dos seres vivos com semelhanças às bactérias).

Voltando aos encontros científicos de 2015: decidiu-se aí que teria de ser criado um projecto ambicioso em que se descodificaria todos os genomas da vida complexa do planeta. Aqui está ele, o Projecto do Biogenoma da Terra.

MAIS INFORMAÇÃO
SOBRE A DESCOBERTA DO ADN (DNA)

 

 

Website ilustrado | História da Biotecnologia desde há 10.000 anos

HistoryBiotechPT-Partida
Website  | A Evolução da Revolução: Cronologia da Inovação na Biotecnologia

Website Ilustrado
História da Biotecnologia desde há 10.000 anos

– Novo website em Português

No início da Semana Europeia da Biotecnologia (BiotechWeek) divulgamos um website ilustrado sobre a a Evolução da Biotecnologia desde há 10.000 anos, com a prática agrícola, até aos dias de hoje.

HistoryBiotechPT8000bc
A Biotecnologia teve início há 10.000 anos, quando o Homem cultivava batatas
HistoryBiotechPT4000bc
Há cerca de 6.000 mil anos (4000 AC), os Egípcios contribuiram para a evolução do conhecimento da Biotecnologia enquanto desenvolviam a produção de vinho
HistoryBiotechPT1919-Biotecnologia
Em 1919, utilizou-se a palavra “Biotecnologia” pela primeira vez.
HistoryBiotechPT1953DNA
Em 1953, a revista científica Nature publica a descrição da estrutura do ADN. Este evento marcou o início da era moderna da Genética e foi um momento fulcral para a História da Humanidade, pois originou importantes descobertas até hoje nas seguintes áreas: saúde, agricultura, energia, tratamento de águas residuais,  processos bioquímicos, entre outros.

Visite o Website  “A Evolução da Revolução:
Cronologia da Inovação na Biotecnologia

e todos os eventos mais importantes desta incrível História.

Conte aos seus amigos, partilhe com a sua família!
Ajude-nos a divulgar entre professores e estudantes!

História da Biotecnologia | Novo website

História da Biotecnologia
– Novo website –
Setembro 2016 | Biotech Week

Na Semana Europeia da Biotecnologia / Biotech Week 2016 foi lançado um website ilustrado sobre a a evolução da Biotecnologia ao longo do tempo e desde há 10.000 anos, em 8.000 anos Antes de Cristo: The Evolution of the Revolution – Biotechnology Timeline Celebrating Innovation in Biotechnology

historybiotechnology

 

COMUNICADO – “São raros os leites para bebé que não incluem transgénicos” é falso e demagógico

 icone_actividadesCIB_final

COMUNICADO

“São raros os leites para bebé que não incluem transgénicos”
é falso e demagógico

30 Junho 2015 | CiB Portugal

O CiB – Centro de Informação de Biotecnologia vem informar que a notícia “São raros os leites para bebé que não incluem transgénicos”, publicada no jornal Expresso no dia 29 de Junho de 2015, contém uma série de incorreções e falsidades que têm como única finalidade assustar injustificadamente a população Portuguesa.

Segundo, Pedro Fevereiro, Presidente da Direção do CiB e investigador de biotecnologia de plantas, “não existem quaisquer leites para bebés que incluam transgénicos, sendo que esta notícia pretende assustar os consumidores e os decisores políticos deliberadamente com o objetivo de incentivar à votação favorável da proibição do uso de milho e soja Geneticamente Modificados para a produção de rações para gado”.

O milho e a soja geneticamente modificados (conhecidos também por transgénicos) aprovados para comercialização na União Europeia foram sujeitos a análises de risco em instituições oficiais de vários países, incluindo a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) e o seu risco considerado não superior ao do milho e soja não transgénicos. Verifica-se até que os animais alimentados com este produtos apresentam melhores características, como comprova a redução do número de carcaças recusadas, no conjunto dos matadouros dos Estados Unidos da América, desde que as variedades transgénicas foram colocadas no mercado. Da mesma forma o grão transgénico apresenta menores teores de micotoxinas do que o grão de plantas não transgénicas, o que é benéfico para a saúde de pessoais e de animais que que consomem estes produtos. Não existe portanto, qualquer razão para apelar ao princípio da precaução.

Não foram até ao momento detetadas proteínas transgénicas ou DNA transgénico no leite produzido por vacas alimentadas com rações contendo milho ou soja geneticamente modificada. Por outro lado, um animal que consome rações contendo milho ou soja transgénica não se torna transgénico, nem é possível verificar na sua carne ou leite que se alimentou deste tipo de produtos. “Não existe nenhuma forma técnica de se provar “à posteriori” que um animal foi alimentado com rações contendo produtos geneticamente modificados e portanto seria ridícula a rotulagem destes animais”, explica Pedro Fevereiro.

A frase que inicia o último parágrafo desta notícia é paradigmática da falta de honestidade desta mensagem: “Não conseguimos ter garantias de risco zero e estamos longe de demonstrar uma relação de causa-efeito”. Não é possível garantir o risco zero de nenhum alimento. Contudo, é possível demonstrar que mesmo os “aclamados” produtos “biológicos” são arriscados e já existiram casos de internamentos e mesmo mortes, derivados do consumo desse tipo de produtos. Todos os alimentos que ingerimos contêm um risco associado. O risco zero não existe em nenhuma atividade humana. Nascer é um risco e viver também. A questão é decidir qual o nível de risco que estamos dispostos a assumir.

Se uma relação causa-efeito não é demonstrada, isso acontece porque não existe ou não foi devidamente avaliada. No entanto, só na Europa, já se gastaram 400 milhões de euros em investigação para tentar verificar esta causa-efeito e nada foi encontrado. Os poucos relatos que a pretendem demonstrar têm sido, por uma larga maioria, considerados incorretos cientificamente e os mais dramáticos, como aquele que diz que os transgénicos causam cancro, retirados de publicação, por serem considerados completamente falsos e os seus dados manipulados.

O objetivo desta notícia não é “…informar os consumidores sobre como podem evitar ingerir elementos transgénicos, mesmo quando estes não constam dos rótulos dos produtos.” O objetivo é assustar tentando transmitir a noção de que o leite é perigoso para as crianças que dele se alimentam, o que é completamente falso. Ao associar esta mensagem a determinadas marcas tenta também condicionar as próprias marcas, dando-lhes a entender que os consumidores, ao aceitarem esta mensagem, se recusarão a comprá-las.

Pedro Fevereiro diz ainda que “é pena que um órgão de comunicação com o prestígio do “Expresso” publique uma notícia com o nível de falsidade e de demagogia que esta transporta”.