Transgénicos | Ativistas anti-OGM comprometem segurança alimentar em África com mentiras sobre culturas GM

 

agricultura em áfrica
Créditos da imagem: Pablo García Saldaña

Grupos de ativistas contra as culturas geneticamente modificadas, como a Greenpeace e outros, têm vindo a disseminar falsidades sobre os alimentos transgénicos. O alerta foi feito pela bióloga molecular sul-africana Jennifer Thomson, investigadora na Universidade da Cidade do Cabo.

 

Num episódio da série de podcasts chamada Talking Biotech, da autoria do cientista Kevin Folta, da Universidade da Flórida, EUA, a investigadora e bióloga molecular sul-africana da Universidade do Cabo Jennifer Thomson afirma que África tem o máximo a ganhar com a biotecnologia na agricultura, no entanto, alerta, os agricultores e os consumidores desse continente estão a ser altamente prejudicados por não terem acesso a grande parte das culturas geneticamente modificadas (GM).

Segundo a especialista, é essencialmente por razões políticas que se está a negar aos produtores agrícolas africanos esse acesso. Não são questões científicas e como prova disso apresenta o exemplo do que está a acontecer em muitos laboratórios africanos, onde se desenvolvem variedades de culturas GM resistentes a pragas e outras com mais vitaminas dos que as variedades convencionais. O problema, diz, é que essas experiências estão exclusivamente confinadas aos laboratórios onde se faz investigação, não sabendo prever quando ou se virão algum dia a ser cultivadas em plantações não experimentais e comercializadas.

Para Jennifer Thomsom, a resistência à biotecnologia reside, em boa medida, às “mensagens falsas” transmitidas por grupos norte-americanos e europeus anti-OGM, como a Greenpeace e outras influentes. Mensagens como “os alimentos transgénicos provocam cancro e infertilidade”, lamenta a investigadora, além de mentirosas, prejudicam as pessoas que mais poderiam beneficiar das vantagens da implementação da biotecnologia na agricultura.

jennifer Thomson
Jennifer Thomsom

De recordar que não é a primeira vez que os grupos ativistas anti-OGM são desmentidos por cientistas. Em 2016, por exemplo, 110 investigadores galardoados com o Prémio Nobel acusaram a Greenpeace e outras de cometer um crime contra a humanidade. Numa carta tornada pública, os subscritores afirmaram que estas organizações “apresentaram os transgénicos de forma incorreta, incluindo seus riscos, benefícios e impactos, e apoiaram a destruição criminosa de plantações aprovadas para testes e pesquisas.”

O texto pedia à Greenpeace que “reconhecesse as conclusões das instituições científicas competentes” e “abandonasse a sua campanha contra os organismos geneticamente modificados em geral e o arroz dourado em particular.” Os investigadores mencionaram vários estudos publicados nos últimos anos que mostram que as plantações de alimentos transgénicos são seguras e não muito diferentes das plantações normais.

Ouça aqui o podcast com a entrevista de Kevin Folta a Jennifer Thomsome siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

Mais de 100 Prémios Nobel apoiam Agricultura de Precisão com OGMs

Arroz Dourado - Fonte - Golden Rice Project
Arroz convencional e Arroz dourado geneticamente modificado

Carta
Mais de 100 Prémios Nobel
apoiam Agricultura de Precisão com OGMs

1 Julho 2016 | Campanha “Support Precision Agriculture”

Mais de 100 galardoados com o Prémio Nobel assinaram uma carta enviada aos líderes da Greenpeace, das Nações Unidas e aos Governos de todo o mundo, apoiando a Agricultura de Precisão com utilização de Organismos Geneticamente Modificados (OGMs).

O Programa das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura fez notar que será necessário duplicar a produção global de alimentos, rações e têxteis até 2050, para colmatar as necessidades de uma população global em crescimento. Várias organizações se opõem à utilização de tecnologia moderna no melhoramento de plantas. A Greenpeace  lidera essa oposição, nega repetidamente estes factos e opõe-se à inovação biotecnológica na agricultura. Essas organizações deturpam a informação sobre os riscos, os benefícios e os impactos e apoiam a destruição criminosa de campos de ensaios  e projectos de investigação.

Os signatários da carta instam a Greenpeace e os seus apoiantes a reexaminarem a experiência com culturas e alimentos melhorados através da biotecnologia, de agricultores e consumidores em todo o mundo, a reconhecerem as evidências das autoridades científicas e de regulamentação,e a abandonarem as suas campanhas contras os OGMs em geral e o Arroz Dourado em particular.

As autoridades científicas e de regulamentação em todo o mundo têm mostrado repetida e consistentemente evidências de que as culturas e os alimentos melhorados através da biotecnologia são tão seguros, ou mais seguros, do que os derivados de outros métodos de produção. Não existe um único caso confirmado de consequências para a saúde humana ou animal do consumo de produtos com OGMs.

Tem-se mostrado também repetidamente que os impactos ambientais do uso de culturas geneticamente modificadas é menos danoso para o ambiente e para a biodiversidade global.

A Greenpeace tem liderado a oposição ao Arroz Dourado, com potencial para reduzir ou eliminar muitas das mortes e doenças causadas pela Deficiência em Vitamina A (sigla em Inglês VAD). A VAD tem um grande impacto nas populações mais pobres de África e do Sudeste Asiático.

A Organização Mundial de Saúde estima que 250 milhões de pessoas sofrem de Deficiência em Vitamina A, incluindo 40 por cento de crianças com menos de cinco anos no mundo em desenvolvimento. Com base em estatísticas da UNICEF, um total de um a dois milhões de mortes desnecessárias ocorrem anualmente como consequência de VAD, uma vez que a doença compromete o sistema imunitário, colocando bebés e crianças em grande risco. A VAD provoca directamente a cegueira afectando 250 mil a 500 mil crianças em cada ano. Metade das quais morre após 12 meses depois de perder a visão.

Os signatários desta carta pedem à Greenpeace que cesse e desista das suas campanhas contra o Arroz Dourado e contra as culturas e os alimentos melhorados através da biotecnologia;

Pedem aos Governos de todo o mundo para rejeitarem as campanhas da Greenpeace contra o arroz dourado e contra as culturas e alimentos melhorados através da biotecnologia; e que façam tudo o que estiver ao seu alcance para se oporem às acções da Greenpeace e para acelerarem o acesso dos agricultores a todas as ferramentas da biologia moderna, principalmente às sementes melhoradas através da biotecnologia. A oposição com base nas emoções e nos dogmas contrários às evidências têm que parar.

Quantas pessoas pobres no mundo têm que morrer antes que este seja considerado um “crime contra a humanidade”?