Edição de genoma | Carta aberta ao ministro da Agricultura

dna-163466_1280

A CAP-Confederação dos Agricultores de Portugal e o CiB-Centro de Informação de Biotecnologia subscrevem a carta aberta aos Membros da União Europeia, na qual manifestam a sua preocupação quanto ao acórdão do Tribunal de Justiça da UE sobre Mutagénese. A carta foi também enviada a ao ministro da Agricultura de Portugal, Luís Capoulas Santos, pelas mesmas organizações.

Ex.mo Senhor Ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural,

Dr. Luís Capoulas Santos,

Em baixo segue tradução da carta aberta subscrita por 27 Organizações Europeias aos Estados Membros da União sobre o acórdão do Tribunal de Justiça da UE sobre Mutagénese, assunto para o qual chamamos a atenção de V. Exa., numa época em que a confiança na ciência e no trabalho dos cientistas é crucial para fazer face aos enormes desafios que a humanidade enfrenta na atualidade.

 

Carta aberta sobre o acórdão do Tribunal de Justiça da UE sobre Mutagénese

Nós, as organizações europeias abaixo-assinadas, reiteramos a nossa preocupação relativamente ao acórdão do Tribunal Europeu de Justiça no processo C-528/16 (25 de julho de 2018), que interpreta as disposições da Diretiva OGM 2001/18 da EU de tal forma que os produtos resultantes de métodos inovadores de mutagénese direcionada poderão vir a ser indevidamente regulamentados ao abrigo da Diretiva dos OGM.

A introdução de mutações genéticas pontuais direcionadas em culturas e em outros organismos pode ajudar a alcançar importantes metas do desenvolvimento sustentável e contribuir para um ambiente mais limpo, para uma alimentação mais saudável e para a proteção da biodiversidade, tornando as culturas mais resilientes e mais resistentes às alterações climáticas.

O dispendioso e demorado processo de aprovação da UE para estes produtos, combinado com eventuais opt-out nacionais de cultivo, ao abrigo da Diretiva 2001/18, irá privar os agricultores e consumidores europeus dos seus benefícios. Além disso, o acórdão está já a dificultar a disponibilização de produtos inovadores de base biológica e soluções sustentáveis para a indústria, a agricultura e a saúde, que envolvem micro-organismos geneticamente editados. Alguns dos setores mais inovadores da UE ficarão efetivamente isolados do progresso científico e em desvantagem competitiva em comparação com um grupo de países em rápido crescimento e com legislação mais adequada.

Além de difícil de implementar, uma decisão concordante com o acórdão é virtualmente impossível de aplicar, dado que muitos dos produtos geneticamente editados não serão distinguíveis de produtos modificados por processos naturais ou por técnicas de melhoramento convencionais, como já foi reconfirmado pelo relatório “Detecção de produtos vegetais para alimentos e rações obtidos por novas técnicas de mutagénese”, realizado pelo Joint Research Center e publicado em 26 de março de 2019.

O relatório destaca dois aspetos de grande importância:

1) “Para alterações não-únicas que afetam um ou poucos pares de bases de DNA, um requerente pode não ser capaz de desenvolver um método específico para a identificação do evento.”

2) “Os produtos vegetais obtidos por edição de genoma podem entrar no mercado sem serem detetados. Além disso, se fosse detetado, no mercado da UE, um produto suspeito com uma alteração de DNA desconhecida ou não-única, seria difícil ou mesmo impossível fornecer prova em tribunal de que essa sequência modificada teria tido origem na edição intencional do genoma.”

Estamos plenamente de acordo com os investigadores, as partes interessadas e os parceiros comerciais, que se tornou urgente que a UE adapte a sua legislação ao progresso tecnológico atual, alinhando-a com a legislação vigente em outros países. Temos o compromisso de trabalhar em conjunto com decisores políticos e stakeholders para desenvolver uma mudança construtiva e direcionada. O nosso objetivo é ter regras práticas alicerçadas no conhecimento científico para os produtos resultantes dos mais recentes métodos de mutagénese, que estimulem a confiança do público. Isto iria desbloquear o caminho para soluções biotecnológicas diversificadas, inovadoras e de alta performance, em sectores como a criação de animais e plantas, agricultura, alimentação animal e humana, cuidados de saúde e produção de energia, contribuindo, assim, para a resiliência da Europa às alterações climáticas e beneficiando os consumidores, os pacientes e o ambiente.

Os produtos que também podem ser obtidos por métodos convencionais ou de processos espontâneos na natureza não devem estar sujeitos aos requisitos da Diretiva 2001/18 ou a outra regulamentação a ela associada. Desejamos enfatizar que esta posição é cada vez mais adotada num número crescente de países, a qual deverá igualmente criar segurança jurídica aos operadores da UE, evitando que os Estados-Membros adotem regras nacionais individuais para produtos resultantes de mutagénese convencional aleatória. Além disso, evitará que dois produtos ou organismos indistinguíveis sejam regulamentados de duas formas diferentes, o que abriria a porta à concorrência desleal, com as importações de países não pertencentes à UE.

Pelo exposto, exortamos os Estados membros e a Comissão da UE a iniciar um processo de alteração legislativa que implemente regras favoráveis à inovação.

Com os melhores cumprimentos,

(Assinaturas de 27 Organizações Europeias)
Céline Duroc, Director General of MAIZ’EUROP’ for the Platform Agriculture and Progress

Patrick Fox, Secretary General Association of Manufacturers and Formulators of Enzyme Products

Dirk Carrez, Executive Director of Bio-based Industries Consortium

Marc Vermeulen, Executive Director of Specialty Chemicals, The European Chemical Industry Council

Marie-Christine Ribera, Director General, European Association of Sugar Manufacturers

Jérôme Bandry, Secretary General, CEMA – European Agricultural Machinery

Elisabeth Lacoste, Director C.I.B.E.-International Confederation of European Beet Growers

Iliana Axiotiades, Secretary General, European Association of Cereals, Rice, Feedstuffs, Oil Seeds, Olive Oil, Oils and Fats and Agrosupply Trade

Marc Casier, President, Confederation of European Yeast Producers

Ana Granados Chapatte, Director, European Forum of Farm Animal Breeders

Jean-Philippe Azoulay, Director General, European Crop Protection Association

Bernard Valluis, President, European Flour Milling Association

Patrick FOX, Secretary General, EFFCA – European Food and Feed Cultures Association

Thierry de l’ESCAILLE, Secretary General – CEO, European Landowners’ Organization
Raquel Izquierdo, Secretary General, European Potato Trade Association

Susanne Meyer, Secretary General, EUVEPRO – European Vegetable Protein Association

Garlich von Essen, Secretary General, ESA – European Seed Association

Joanna Dupont-Inglis, Secretary General, EuropaBio – The European Association for Bioindustries

Aleksandra Malyska, Executive Manager, European Technology Platform Plants for the Future

Nick Major, President, European Feed Manufacturers’ Federation

Joerg Seifert, Secretary General, FEFANA Asbl – EU Association of Specialty Feed Ingredients and their Mixtures

Ernesto Morgado, President, Federation of European Rice Millers

Nathalie Lecocq, Director General, FEDIOL – EU Vegetable Oil and Protein Meal Industry Association

Mella Frewen, Director General, FoodDrinkEurope

Jamie Fortescue, Managing Director, Starch Europe

Sylvie Mamias, Secretary General, UNION FLEURS

Anúncios

OGM | Nigéria é o primeiro país a aprovar o cultivo de feijão-frade resistente à broca

feijaofrade

A Nigéria está a caminho de se tornar no primeiro país do mundo a cultivar feijão-frade geneticamente modificado (GM). Esta conquista permitirá reduzir o uso de pesticidas de oito para cerca de dois pulverizadores por estação e aumentará a produção até 20%. 

A Agência Nacional de Biossegurança (NBMA) autorizou o Instituto de Pesquisa Agropecuária (IAR) a comercializar a variedade de feijão-frade resistente à podridão, que foi geneticamente molhorado para resistir à praga de insetos lepidópteros Maruca vitrata. A licença é válida até o final de 2022.

Num documento decisivo de 22 de janeiro de 2019, a NBMA informou que a emissão da licença foi feita após levar em consideração o parecer do Comité Nacional de Biossegurança, Subcomité Técnico Nacional de Biossegurança e o relatório de avaliação de risco e gestão de risco fornecido pelo IAR, o candidato. “Depois de uma análise minuciosa do dossier de aplicação, é improvável que a aprovação proposta tenha um impacto adverso no meio ambiente e na saúde humana”, lê-se no documento.

A aprovação é o culminar de mais de nove anos de testes intensivos em feijão-frade geneticamente modificado resistente à broca Maruca vitrata, um inseto que pode destruir até 80% das culturas de feijão-frade. Esta decisão é, pois, um alívio para milhões de agricultores nigerianos que dependem desta cultura para viver.

Os resultados da pesquisa, liderada pelo Instituto de Pesquisa Agrícola da Nigéria em parceria com a Fundação Africana de Tecnologia Agrícola (AATF), mostraram que o cultivo de feijão-frade Bt permitirá reduzirá o uso de pesticidas de oito para cerca de dois pulverizadores por estação e aumentará a produção até 20%. Isso significa que a Nigéria poderá ter um aumento de receita de mais de 117 milhões de euros por ano.

O feijão-frade Bt é a segunda cultura GM a ser lançada na Nigéria após o algodão Bt, aprovado para cultivo e comercialização em 2018.

Veja aqui o documento de decisão da NBMA.

Siga o CiB no Twitter @cibpt e no Facebook @cib.portugal.

Recursos | Alimentos GM são a salvação?

Copy march 2019

Além de benéficos para a saúde, os alimentos geneticamente modificados (GM) estão a ser considerados uma solução inteligente para enfrentar a iminente crise de recursos alimentares. Saiba porquê, neste artigo publicado na revista Mens Health.

Porque é que as cenouras são cor de laranja? A pergunta é séria, não é uma piada de Michael McIntyre, e a resposta resume o que está em jogo na produção de alimentos geneticamente modificados: ciência, moda e, acima de tudo, política.

Serão os benefícios dos alimentos GM demasiado grandes para deixarmos uma oposição ingénua descartá-los completamente?


Os benefícios dos alimentos transgénicos serão assim tão grandes para deixarmos a oposição instintiva e ingénua descartá-los completamente? Os nossos antepassados conheciam as cenouras, mas nesse tempo as cenouras não como nós as conhecemos hoje. Eram pequenas e grossas como rabanetes e em vez de cor de laranja eram amarelas, brancas, roxas ou vermelhas.

No século XVII, a Holanda tinha os principais tecnólogos de vegetais do mundo e a cenoura foi um dos alimentos básicos que os holandeses decidiram “melhorar”. Através de técnicas de produção seletivas, tornaram-na mais doce e menos lenhosa. Ao longo do tempo, a cenoura tornou-se no vegetal de raiz cor de laranja que atualmente se produz em todo o mundo. A sua cor, diz a lenda, estará associada a razões políticas: os holandeses quiseram homenagear o seu governante de então, Guilherme I, Príncipe de Orange, defensor da fé protestante e, a partir de 1689, também rei da Inglaterra.

O que é o CRISPR?

A sigla pode soar ao nome de uma start-up de alimentos sem glúten no leste de Londres, mas CRISPR é um novo sistema molecular que os investigadores podem usar para manipular o DNA mais rapidamente e de forma simples e precisa do que nunca.

Assim como o CRISPR é capaz de enriquecer os frutos com mais nutrientes e tornar os grãos resistentes aos efeitos das alterações climáticas, também poderá um dia ser usado em embriões humanos, embora, neste caso, se coloquem considerações éticas significativas.

O melhoramento seletivo é modificação genética: é a engenharia do DNA, o código dentro das células. Os seus resultados são visíveis no corredor de vegetais de qualquer supermercado e em animais domésticos. É o que faz um cão Dachshund ter uma aparência tão diferente da de um Great Dane, apesar de pertencerem à mesma espécie. Isso é evolução, acelerada e dirigida da maneira que nós, humanos, queremos – no caso dos cães, criar um animal socialmente amigável e de companhia, com um comportamento distinto dos lobos.

O cavalo de corrida puro é o produto de mais de três séculos de ajustes de DNA, emparelhando o melhor macho com a melhor fêmea. Apesar do entusiasmo da sua própria família por essa forma específica de modificação genética, o príncipe Charlos de Inglaterra opôs-se aos seres humanos que brincam com a natureza fazendo-se passar por Deus. Mas, como o cientista Richard Dawkins rebateu: “Nós temos vindo a fazer de Deus há séculos!”

Design inteligente

O problema com a aquisição de poderes divinos é que provavelmente faremos uso deles. Quando as técnicas de alteração de genes transitaram das estufas para os laboratórios, os investigadores concentraram-se em ajudar os produtores, criando plantas com maior produtividade, reduzindo a sua dependência de pesticidas e desenvolvendo frutos e vegetais com um prazo de validade mais longo. É por isso que temos hoje cogumelos que não são castanhos e tomates que estão mais uniformemente espaçados nos galhos da planta, para que possam ser colhidos mais facilmente pelas máquinas. E, no reino animal, já temos salmão que cresce duas vezes mais depressa.

 

O problema com a aquisição de poderes divinos é que provavelmente faremos uso deles

Mas a última safra é diferente. Os novos organismos geneticamente modificados (OGMs) prometem benefícios para todos nós, consumidores. Produzir alimentos mais saudáveis tornou-se o objetivo primordial dos usuários comerciais da tecnologia, até porque é uma maneira de conquistar os mais céticos. Temos trigo cujo glúten não afeta os que sofrem de doença celíaca, temos abacaxi (“milenar rosa”) enriquecido com licopeno e nutrientes anticancerígenos e temos pão branco desenvolvido para ser mais rico em fibra. O trabalho de Deus está em progressão e parece improvável que até mesmo o príncipe Carlos possa travá-lo.

Na próxima década, o número de novos cultivos focados na promoção e manutenção da saúde deverá aumentar exponencialmente. Isso é parcialmente resultado de uma nova técnica de edição de DNA, CRISPR (abreviação de “repetições palindrómicas curtas, agrupadas e regularmente interespaçadas”) que trabalha com características nativas de uma maneira que poderia ocorrer na natureza, mas com uma precisão sem precedentes. Isso difere dos métodos anteriores de modificação genética, nos quais uma cópia de um gene de um organismo seria colocada noutro, com o qual não se poderia reproduzir naturalmente.

Na “ponta afiada” desta nova tecnologia está Geoff Graham, vice-presidente de criação de plantas da empresa norte-americana Corteva Agriscience, que criou óleos vegetais modificados para conter níveis mais altos de gorduras monoinsaturadas.

“O CRISPR e a modificação genética podem ser usados para melhorar a qualidade nutricional”, afirma. “Por exemplo, CRISPR está a ser usado no tomate para torná-lo mais saudável, aumentando os níveis de Gaba [ácido gama-aminobutírico, que está associado à promoção de melhor sono e menor pressão arterial]. A tecnologia também está a ser explorada como uma ferramenta para reduzir as reações prejudiciais a certos alimentos, como amendoins que não provocam alergias”. O óleo de Corteva, chamado Plenish, é feito de soja modificada para conter 20% menos gordura saturada. Também é mais estável durante o cozimento.

As novas culturas GM prometem benefícios para os consumidores, sendo embalados com nutrientes extras

A partir do momento em que sabemos que a dieta pobre é responsável por uma em cada cinco mortes em todo o mundo – e a educação nutricional não está a causar o impacto esperado -, os superalimentos produzidos em laboratório parecem oferecer uma solução lógica. Afinal de contas, se não mudarmos os nossos hábitos, tentar melhorar os alimentos que estamos a comer é uma tarefa que pode valer a pena.

Mesmo os alimentos há muito considerados “saudáveis” sofreram um impacto nutricional nos últimos anos, já que a agricultura intensiva diminuiu os níveis de vitaminas e minerais presentes nos frutos e vegetais. A nova tecnologia que impulsiona a nutrição pode ser a nossa melhor oportunidade de corrigir isso. Mas, é claro, nem todos estão convencidos.

 

Os Superalimentos do futuro

01 / Hambúrgueres sem carne

Sem a leghemoglobina de soja, feita com levedura geneticamente modificada, não o seria possível confecionar o vegan Impossible Burger, preparado para os consumidores sentirem o gosto, o cheiro e a sensação de um verdadeiro pedaço de carne de vaca. Este hambúrguer é vendido em todos os Estados Unidos da América.

02 / Batatas fritas mais saudáveis

Vendido nos EUA desde 2015, os White Russets, da Simplot Plant Sciences, contêm menos asparagina com aminoácidos, o que poderia reduzir os níveis de acrilamida cancerígena quando fritos.

 

03 / Pão com baixo índice glicémico

A Calyxt está a desenvolver um trigo que poderia produzir farinha branca com o triplo da fibra e níveis de glicose mais baixos. A empresa espera lançar este produto nos EUA dentro de dois anos.

04 / “Óleo de peixe” vegan

Ao adicionar genes de algas a plantas de camelina, uma equipa da Rothamsted Research, em Hertfordshire, criou um óleo vegetal rico em ácidos graxos ómega-3 encontrados em peixes. É bom para o ambiente e é saboroso na salada.

05 / Tomate Roxo

Produzido no John Innes Center, em Norwich, este tomate contém níveis mais altos de antocianinas que protegem o coração e dão aos bagos a tonalidade roxa. Foi produzido para ter um efeito anti cancerígeno em camundongos.

 

Mentes suspeitas

A principal barreira para muitos desses alimentos que começam a ser produzidos é a desaprovação pública. Quando um novo fruto-maravilha transgénico “salta” dos jornais científicos para o Daily Mail, a notícia é transmitida com um destaque sobre “Comida Frankenstein”.

Desde o início que a engenharia genética levanta preocupações morais e práticas. Uma das preocupações reside no controlo: como podemos regular de forma justa e evitar que as empresas produtoras abusem dessas tecnologias? No Reino Unido, esta questão é mais relevante agora do que nunca. Embora as atuais leis da União Europeia garantam que o desenvolvimento e o uso de culturas GM sejam altamente restritos, a situação pode mudar em breve com o Brexit. Qualquer acordo comercial com os EUA provavelmente resultará no facto de o Reino Unido aceitar as regulamentações alimentares americanas mais frouxas.

A preocupação mais significativa é o risco para a nossa saúde. Ao tentar resolver um problema, corremos o risco de criar um pior? Em estudos recentes sobre a tecnologia usada na modificação genética, os investigadores descobriram efeitos preocupantes que podem afetar os seres humanos. Por exemplo, um artigo publicado na revista Plos One descreveu borboletas com asas deformadas que estavam a alimentar-se de plantas transgénicas, alteradas para produzir gorduras ómega-3 saudáveis. Mas, como é que os cientistas poderiam ter a certeza do que deformara as borboletas? E os humanos seriam igualmente afetados?

Michael Antoniou, do King’s College London, trabalha em terapia genética – em particular, na adaptação de genes para tratar doenças de base genética. “Há alegações dos Estados Unidos de que ninguém foi prejudicado comendo alimentos transgénicos. Mas ninguém realmente viu”, afirma este especialista ele. “Um número crescente de estudos laboratoriais em ratos e camundongos está a mostrar evidências de danos, principalmente na função renal, hepática e, em certa medida, digestiva e do sistema imunológico.” M. Antoniou acredita que “uma dieta GM pode causar os efeitos adversos observados nesses estudos.”

As opiniões deste especialista são controversas. Embora Antoniou faça parte de uma rede de centenas de cientistas que se juntam a grupos ecologistas em campanhas para restringir a investigação sobre transgénicos, em todo o mundo há mais cientistas pró-GM do que contra.

Uma das principais queixas do lobby pró-GM é que o medo do público e a cautela governamental – especialmente na Europa – estão a atrasar o progresso da investigação em técnicas com benefícios potencialmente amplos. Entre os cientistas que falam a favor de uma abordagem mais aberta está Jayson Lusk, professor de economia agrícola na Universidade Purdue, em Indiana. “É apenas uma ferramenta e uma ferramenta pode ser usada para o bem ou para o mal”, garante. “Uma rejeição generalizada de uma ferramenta é uma posição ingénua e não crítica. Precisamos de uma avaliação caso a caso”.

O futuro está nas mãos da opinião pública e dos decisores políticos e, no momento, estão ambos cautelosos com a tecnologia. A pesquisa de Lusk sobre as atitudes dos consumidores dos EUA mostra que, no mínimo, a indústria dos alimentos GM tem culpa desses medos públicos. Nos EUA, onde quase 90% das culturas agrícolas básicas, como milho, soja, algodão e beterraba, são GM, os consumidores “sabem muito pouco” sobre a tecnologia.

A indústria prefere que assim seja e fez campanha sem sucesso contra uma lei de 2016 que, em breve, tornará obrigatória a rotulagem de produtos GM. Esse ponto de vista poderia ter feito algum sentido quando o uso da tecnologia não oferecia nenhum benefício claro para o consumidor. Mas, com a chegada de, digamos, pães sem glúten, as empresas podem decidir reconsiderar a sua posição. Em qualquer caso, a transparência parece funcionar melhor. Em Vermont, o único estado americano onde já é obrigatório rotular os produtos, a resistência do consumidor à tecnologia baixou. Os rótulos dão às pessoas uma sensação de controlo e, portanto, de menor risco.

É difícil prever se a introdução dos novos superalimentos geneticamente modificados mudará a opinião dos consumidores, mas, no momento, as posições contra a tecnologia parecem estar a endurecer, sobretudo na Europa. Há três anos, nos Estado Unidos, o salmão transgénico – que contém DNA de diferentes espécies e cresce duas vezes mais depressa – foi considerado isento em termos de efeitos para a saúde, mas ainda está com problemas de aceitação pública.

Como muitos académicos, Lusk acredita que a oposição “ingénua” aos alimengtos GM é contraproducente – que os benefícios da tecnologia são grandes demais para permitir que os medos instintivos a descartem. E a comida mais saudável não é, provavelmente, a questão mais urgente. O maior benefício da tecnologia reside no seu potencial para ajudar a alimentar as 9,8 bilhões de pessoas que habitarão este planeta até 2050, já que as alterações climáticas dificultam cada vez mais o cultivo em regiões que antes eram adequadas.

Os animais geneticamente modificados também estão a caminho, embora esses ajustes não sejam tão extremos quanto os dos filmes de ficção científica, como a super-galinha em Oryx e Crake, de Margaret Atwood, que não tinha olhos nem pernas, apenas vinte mamas e uma boca. Mais subtis, mas imensamente importantes, são as alterações nas bactérias intestinais dos animais, permitindo-lhes ingerir resíduos como palha e, no caso de porcos e vacas, produzir menos metano (uma das principais causas do aquecimento global).

A próxima geração

Em última análise, será o sentido lógico da tecnologia, mais do que o desejo por frutas que combatem o cancro, que irá mudar a opinião pública. Veja-se o caso do autor Mark Lynas, que na década de 1990 foi um eco ativista determinado a impedir que as grandes corporações corrompessem a natureza em prol do lucro. Em investidas noturnas, Mark e os seus amigos destruíram plantações GM cultivadas em campos experimentais e chegaram a atirar uma torta a um economista pró-OGM. Os esforços de militantes anti-OGM levaram empresas como a Monsanto a tornarem-se, aos olhos da opinião pública, espiões globais, acusados ​​de “aprisionar” os agricultores às suas sementes transgénicas patenteadas e aos seus produtos químicos.

Mas Lynas é atualmente uma persona non grata na organização ecologista Greenpeace e noutros grupos ativistas ambientais. Ele é agora um dos mais ferozes críticos do movimento anti-OGM, apelidando-o de hipócrita.  “Não se pode defender o consenso científico sobre as alterações climáticas [com sendo responsabilidade da ação humana], ao mesmo tempo em que se nega o consenso científico, igualmente forte, de que a tecnologia usada nas culturas GM é segura e tem enormes benefícios”, justifica.

No seu livro Seeds of Science: Why We Got It So Wrong on OGMs, publicado no início deste ano, Lynas acusa a campanha anti-OGM de negar-nos essa tecnologia sem outra razão senão o preconceito, usando argumentos sem base científica. “Os OGM, tal como as máquinas de lavar ou os carros, é uma tecnologia e temos de tomar uma decisão política … quanto a se queremos usá-la ou não e até que ponto queremos usá-la”, escreveu o autor científico George Monbiot no livro de Lynas.

Os políticos hesitaram em relação à tecnologia de alteração de genes durante anos. Atualmente, na Grã-Bretanha e nos outros países da UE, a não ser que se tenha uma dieta estritamente biológica ou vegana, as pessoas estão seguramente a consumir produtos GM, uma vez que a forragem que se dá aos animais é autorizada no País. Mas a Europa continua a manter o muro que ergueu contra a tecnologia dos OGM: em julho, após meses de debates, o Tribunal de Justiça Europeu determinou que as novas tecnologias de edição genética, como o CRISPR, deve submeter-se às mesmas regras de controlo dos métodos de melhoramento de plantas mais antigos.

Ainda assim, estão a fazer-se progressos. A Costa Rica está a produzir abacaxis rosa, que receberam o selo de aprovação da Food and Drug Administration dos EUA. No ano passado, na Austrália, investigadores apresentaram uma banana cor de laranja com altos níveis de pró-vitamina A, desenvolvida para tratar deficiências nutricionais no Uganda. Com as preferências ocidentais em mente, os cientistas do Laboratório Sainsbury, em Norwich, Inglaterra, estão a modificar batatas para as tornar mais saudáveis quando fritas.

Com tais ferramentas agora disponíveis, parece improvável que se possa impedir de explorá-las. Se isso é bom ou mau, seguro ou preocupante, ainda é uma questão de em discussão. No entanto, uma coisa é certa: o futuro dos alimentos está cada vez mais próximo.

 

Siga o CiB no Twitter @cibpt e no Facebook @cib.portugal.

Manipulação genética | Investigadores melhoram fotossíntese para aumentar a produção de arroz e trigo

A RuBisCo é uma enzima vital para a fotossíntesse, mas em vez de usar sempre o dióxido de carbono para o converter em açucares que alimentam as plantas, também usa oxigénio, dando origem a um subproduto tóxico responsável pela perda de 20 a 50% das colheitas de trigo e arroz. Mas a manipulação genética das plantas pode reverter a situação.

Entre 20 a 50% do potencial das colheitas de trigo e arroz é destruído, em grande medida devido à ineficiência da RuBisCo, uma enzima vital para o processo de fotossíntese, na utilização de dióxido de carbono para a construção dos açucares que alimentam as plantas. Mas investigadores norte-americanos da Universidade do Illinois estão a tentar mudar esta fatalidade, através da manipulação genética de plantas que conseguem ter 40% mais de biomassa do que as plantas produzidas de modo convencional.

As primeiras experiências realizaram-se em plantas de tabaco e foram bem-sucedidas. Este método de manipulação genética vai ser testado agora em colheitas de trigo e arroz.

Saiba mais neste artigo da Exame Informática e neste, em inglês, do jornal científico Bio Techniques.

PBi | Avanços na edição de genoma podem alterar lei que regula OGM

636770287140839426GMFoods

Depois de dezenas de investigadores de vários países da Europa enviarem uma carta aos deputados europeus a solicitarem a criação de legislação mais favorável à inovação no melhoramento de plantas, também investigadores holandeses e suecos manifestaram publicamente o seu apoio a uma proposta recente do Ministério de Infraestrutura e Meio Ambiente da Holanda para alterar a Diretiva da UE sobre a libertação deliberada de organismos geneticamente modificados (OGM) no ambiente.

Com esta iniciativa, os investigadores pretendem apelar à alteração da legislação em vigor sobre OGM, questionando se será adequada à luz dos avanços até agora alcançados e emergentes nas tecnologias de edição de genoma. Num artigo publicado no jornal Trends in Biotechnology, argumentam que as novas técnicas de melhoramento de plantas (também conhecidas como Plant Breeding Innovation – PBi), desenvolvidas nas últimas duas décadas, permitiram um melhoramento mais eficiente e seletivo de plantas.

Apontando como exemplo o surgimento de tecnologias como o sistema CRISPR, que pode ser usado para editar genes dentro de organismos, e de outras, os investigadores garantem que estão a ser feitas mais inovações do que nunca no campo da codificação genética. Veja-se o caso do genoma do trigo de pão, a cultura mais amplamente cultivada no mundo, que, segundo o Consórcio Internacional de Sequenciamento do Genoma do Trigo (IWGSC), “irá preparar o caminho para a produção de variedades de trigo melhor adaptadas aos desafios climáticos, com maiores rendimentos, melhor qualidade nutricional e melhor sustentabilidade”.

Sucede que a lei que regulamenta os OGM está muito atrasada em relação a esta área da ciência, a que acresce o ceticismo da União Europeia quando se trata de modificação genética. É justamente esta realidade que os investigadores gostariam de ver alterada.

Saiba mais AQUI

PBI | Cientistas assinam carta a favor da inovação no melhoramento de plantas

Parceiros, CiB, Centro de Informação de Biotecnologia, CiB Portugal, CiB - Centro de Informação de Biotecnologia, Stakeholders, FSN, PRRI, Farmers & Scientists Network, Public Research & Regulation Initiative,

Preocupados com a recente decisão do Tribunal de Justiça Europeu relativamente às modernas técnicas de edição do genoma, investigadores de 85 institutos europeus de pesquisa em plantas e ciências biológicas, assinaram um documento em que apelam aos deputados europeus para que salvaguardem a inovação na ciência vegetal e na agricultura (Plant Breeding Innovation – PBi), manifestando, desta forma, o seu apoio à aplicação de técnicas inovadoras no processo de melhoramento de plantas.

Os cientistas justificam esta posição de força, garantindo que a decisão do Tribunal de Justiça Europeu poderia conduzir a uma proibição efetiva da criação de culturas vegetais inovadoras, o que por sua vez privaria os agricultores do acesso a uma nova geração de variedades de culturas mais nutritivas e mais resistentes ao clima e que, segundo os cientistas, são necessárias para responder aos atuais desafios ambientais e sociais.

Juntamente com as declarações que foram surgindo na internet nos últimos meses, por parte de vários institutos de pesquisa europeus, esta declaração é a prova do consenso sólido que existe entre a comunidade de investigação em ciências da vida sobre as consequências negativas desta decisão.

Segundo Margarida Oliveira, coordenadora e vice-directora da Green-it no ITQB NOVA, explica porque razão o ITQB subscreveu a declaração: “Assinámos este documento de apoio, como muitos outros em Portugal e em todo o mundo, para apoiar e destacar a necessidade das tecnologias de edição de genoma na agricultura.” Margarida Oliveira acredita que “os deputados nacionais e europeus querem definir políticas estratégicas com fundamento científico.”

De salientar que as técnicas inovadoras representam um próximo passo no melhoramento de plantas, permitindo fazer o desejado melhoramento genético com uma grande eficiência e precisão.

Mais informação AQUI ALI

 

 

OGM | Milho Bt beneficia culturas biológicas e convencionais: Investigação de 40 anos de dados

Maçaroca de milho convencional com ataque de broca e fungos - CiB (2)

 

Investigação científica em OGM
Análise de 40 anos de dados:
Milho Bt beneficia culturas biológicas e convencionais

12 Março 2018 | Artigo científico PNAS

Uma meta-análise de dados de 40 anos de cultivo de milho Bt confirma que a utilização das variedades de milho geneticamente modificado contribuem para a grande redução de aplicação de insecticidas e beneficiam culturas vizinhas, tanto convencionais como biológicas (orgânicas), com redução dos impactos no meio ambiente, mas também na saúde de pessoas e animais.

O estudo publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences – PNAS (ver referência em baixo) é uma análise de dados de 1976 a 2016 (40 anos), que compara os 20 anos anteriores e os 20 anos após a comercialização de milho Bt. Estudos anteriores tinham já demonstrado os benefícios da adopção de milho Bt ou de algodão Bt na redução de aplicação de insecticidas, para benefício económico dos agricultores e para uma melhor gestão de pragas. Contudo, este é o primeiro estudo a analisar os seus efeitos em culturas vizinhas.

 

Maçaroca de milho convencional com ataque de broca e fungos - CiB (1)
Legenda: Maçaroca de milho convencional afetada pela broca e infectada com fungos (que se instalam devido aos ferimentos provocados pelos insectos e produzem micotoxinas cancerígenas para animais e pessoas).

 

O milho Bt (exemplo na imagem em baixo) é geneticamente modificado para resistir a ataques de insectos, como a broca europeia, uma praga com incidência elevada em algumas em algumas regiões de Portugal e de outros países da Europa.  Visualise a imagem em cima e no topo que mostram maçarocas de milho convencional com praga da broca e fungos (que se instalam após o ataque do insecto e produzem micotoxinas cancerígenas para animais e pessoas). O milho Bt é cultivado em mais de 80 por cento das explorações agrícolas que produzem milho nos Estados Unidos da América.

 

Macaroca Milho Bt Mon810 (OGM) - FotoCiB
Legenda: Maçaroca de milho Bt geneticamente modificado para resistir ao ataque de broca

Os investigadores quantificaram os efeitos do milho Bt em campo. Os dados de monitorização mostram:

. A diminuição de actividade de insectos adultos (fase de traça ou borboleta nocturna);
. A diminuição de aspersão de insecticidas;
. A diminuição de danos noutras culturas, como: milho doce, pimentas e feijão verde.

Estes benefícios nunca tinham sido documentados e demonstram que as culturas Bt são ferramentas poderosas para reduzir populações de pragas, beneficiando também outras culturas vizinhas.

A segurança do milho Bt tem sido extensamente testada e tem sido comprovada, mas este estudo foca a sua eficácia na gestão de pragas e, em particular, os benefícios para outras culturas que não o milho Bt, explicou Dilip Venugopal, um dos autores deste estudo.

Outros dos autores, Galen Dively, explicou que “este é o primeiro trabalho publicado que mostra os benefícios paralelos noutras plantas hospedeiras da  broca europeia, uma praga severa para muitas culturas como o feijão verde e os pimentos”. E acrescentou “de facto observa-se mais de 90 por centro de supressão da população de broca europeia na nossa área para essas culturas, o que é incrível.”.

Há mais de 20 anos que os agricultores têm benefícios económicos pelo cultivo de variedades de milho GM, como referido por Brookes e Barfoot no seu relatório de 2017:  GM crops: global socio-economic and environmental impacts 1996-2015 (ver referência em baixo). Mas este artigo agora publicado na revista PNAS demonstra que o milho Bt traz ainda mais vantagens, pois promove a redução da aplicação de pesticidas e beneficia  as culturas vizinhas, tanto biológicas como convencionais.

Estas evidências demonstram que as críticas dos grupos anti-OGM, que afirmam que as culturas transgénicas aumentam o uso de pesticidas e são uma ameaça à agricultura biológica,  não fazem sentido.

INFORMAÇÃO ADICIONAL

Já abriu! Exposição | Ciência e Melhoramento de Plantas em Rabiscos

Expo-Rabiscos (1)

Exposição 
Ciência em Rabiscos
Urban Sketching no ITQB NOVA

 27 de Setembro a 17 de Outubro 2017, Oeiras

No contexto da Semana Europeia da Biotecnologia (BiotechWeek) e de actividades de desenho realizadas no Dia Aberto do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier (ITQB NOVA) para celebrar o Dia Internacional do Fascínio das Plantas e do Dia Mundial da Metrologia, o CiB – Centro de Informação de Biotecnologia co-organizou a Exposição “Ciência em Rabiscos: Urban Sketching no ITQB NOVA”.

No dia 27 de Maio de 2017, vinte pessoas desenharam e escreveram em cadernos sobre visitas guiadas relacionadas com biotecnologia de plantas e o melhoramento genético de variedades com utilidade na agricultura e em actividades sobre como medir o mundo. Estas actividades estão incluídas no projecto “Rabiscos no ITQB” que se realiza desde 2015.

Os desenhos concretizados irão ser expostos à comunidade científica do ITQB NOVA, à comunidade de urban sketchers Portugueses, a escolas e a todos os interessados. A exposição é aberta ao público com entrada livre e pode ser visitada junto ao bar do ITQB NOVA, em Oeiras, até 17 de Outubro de 2017.

Os desenhos realizados desde 2015 estão disponíveis em exposição online AQUI.

Agrademos a todos os autores terem disponibilizado os seus trabalhos.

COMO CHEGAR?
Informações sobre como chegar de veículo próprio e de transportes (a 10 minutos a pé da estação de comboio de Oeiras)

ORGANIZAÇÃO
ITQB NOVA – Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier da Universidade NOVA de Lisboa

APOIOS
CiB – Centro de Informação de Biotecnologia
FS 2´´ – Foto&Sketchers 2 Linhas

Exposição | Ciência em Rabiscos: Urban Sketching no ITQB NOVA

rabiscos_logo_banner_web2017

Exposição
Ciência em Rabiscos
Urban Sketching no ITQB NOVA

27 Setembro a 17 Outubro 2017, Oeiras

No dia 27 de Maio de 2017, vinte pessoas desenharam e escreveram em cadernos sobre visitas guiadas relacionadas com biotecnologia de plantas e em actividades sobre como medir o mundo. O projecto “Rabiscos no ITQB” foi incluído no Dia Aberto 2017 do Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier (ITQB NOVA) que celebrou o Dia Internacional do Fascínio das Plantas e o Dia Mundial da Metrologia.

Os desenhos concretizados irão ser expostos à comunidade científica do ITQB NOVA, à comunidade de urban sketchers Portugueses, a escolas e a todos os interessados. A exposição “Ciência em Rabiscos: Urban Sketching no ITQB NOVA” estará patente junto ao bar do instituto, a partir de 27 de Setembro e até 17 de Outubro de 2017.

Visite-nos!

____

COMO CHEGAR AO ITQB NOVA?
Informações sobre como chegar de veículo próprio e de transportes (a 10 minutos a pé da estação de comboio de Oeiras):

ORGANIZAÇÃO
ITQB NOVA 
– Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier da Universidade NOVA de Lisboa

APOIOS
CiB – Centro de Informação de Biotecnologia
FS 2´´ – Foto&Sketchers 2 Linhas

 

 

13 Julho – VI Encontro Biotecnologia e Agricultura: O Futuro é Agora

BannerA3-VICiB-13Julho2017

 

VI Encontro
Biotecnologia e Agricultura: O Futuro é Agora

13 Julho 2017, Porto

Universidade Católica Portuguesa, Porto
Campus Foz – Edifício Central – Auditório Carvalho Guerra

Co-organização
CiB – Centro de Informação de Biotecnologia

CONTEXTO

Nos últimos 10 anos, houve um progresso significativo na investigação científica na área do melhoramento de plantas, nomeadamente no desenvolvimento de novos métodos que permitem introduzir ou revelar características de interesse de forma mais precisa e eficiente e em diferentes variedades vegetais. Este conjunto de tecnologias é conhecido por “New Breeding Techniques” (NBTs) – Novas Técnicas de Melhoramento.

A investigação científica levada a cabo na Europa tem tido um papel fundamental na evolução destas tecnologias, as quais apresentam um enorme potencial para desenvolver soluções inovadoras para os desafios globais relacionados com a segurança alimentar, a sustentabilidade da produção agrícola e as alterações climáticas.

O Centro de Informação de Biotecnologia organiza o seu sexto encontro nacional com o objectivo de apreciar as possibilidades da aplicação das NBT no melhoramento das culturas, em particular das variedades utilizáveis na agricultura portuguesa e de discutir as contingências da sua utilização no contexto europeu.

PROGRAMA

Em Português e em Inglês | Tradução simultânea disponível

10:00 – Sessão de Abertura

| Sessão da Manhã moderada por Marta Vasconcelos, ESB-UCP – Escola Superior de Biotecnologia da
Universidade Católica Portuguesa

10:15 – Margarida Oliveira, ITQB NOVA – Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier, Portugal
| NBTs (Novas Técnicas de Melhoramento): O que são e o que acrescentam ao melhoramento de plantas
11:00 – Coffee-break
11:15 – René Custers, ViB, Bélgica (em Inglês)
| Gene edited agricultural products: are they regulated and should they be regulated?
12:30 – Almoço (Serão distribuídas, aos participantes, senhas para almoço na cantina da Universidade Católica Portuguesa)

| Sessão da Tarde moderada por Pedro Fevereiro, CiB – Centro de Informação de Biotecnologia

14:00 – Cecília Fialho, Nuffield International, Brasil
| A adoção de organismos geneticamente modificados e suas implicações legais
14h45 – Maria Gabriela Cruz, APSOLO – Associação Portuguesa de Mobilização de Conservação do Solo, Portugal
| Importância da Biotecnologia para a Agricultura Portuguesa
15:30 – Coffee-break

15:45 – Mesa Redonda entre os oradores convidados e Debate com o Público
| Moderação por Pedro Fevereiro e Marta Vasconcelos
16:45 – Conclusões
17:00 – Sessão de Encerramento

INSCRIÇÃO

A inscrição é gratuita, mas obrigatória por e-mail para: geral@cibpt.org
Enviar, por favor, as seguintes informações: Nome, E-mail, Nº Telemóvel e Institutição.
Os participantes irão receber certificado de presença.

CONTACTOS

CiB – Centro de Informação de Biotecnologia
www.cibpt.org  | E – geral@cibpt.org | T – 913 159 291

LOCALIZAÇÃO e MAIS INFORMAÇÕES

Download: Programa + Como chegar + Mapas

ORGANIZAÇÃO

CiB – Centro de Informação de Biotecnologia

logo_cor-1000

Escola Superior de Biotecnologia
da Universidade Católica Portuguesa

UCP_ESB_RGB-V