Estudo | Mercado dos alimentos transgénicos vai crescer 3,2%/ano    

genetically-modified-organism-gmo-market-size-demand-global-opportunity-analysis-outlook-2021-1-638

Um relatório recente da Research Nester, uma consultora britânica especialista em estratégias de mercado, prevê que, até ao final do ano 2021, o mercado dos alimentos que na sua composição contêm organismos geneticamente modificados (OGM) irá registar um crescimento anual de 3,1%.

 

O relatório “Análise do Mercado de Alimentos Geneticamente Modificados (OGM) & Oportunidades e Perspetivas até 2021”, publicado recentemente pela Research Nester dá-nos uma visão geral detalhada do mercado global de alimentos transgénicos, segmentando-o por tipo, característica e região, além de uma análise aprofundada dos agentes que mais têm contribuído para o crescimento do setor, das restrições ao cultivo, dos riscos da oferta e da procura, da competitividade e atratividade do mercado.

Distribuídos por segmentos – legumes, culturas, produtos de origem animal e frutas -, os alimentos que irão dominar o mercado num futuro próximo pertencem aos segmentos dos legumes e culturas. Ainda de acordo com o mesmo documento, o crescimento anual previsto de 3,2% durante os próximos dois anos dever-se-à a fatores como a fertilidade do solo, a alta taxa de produção e o alto valor nutricional dos alimentos.

Em termos de quantidades de produção, os autores do estudo estimam que a produção global de culturas geneticamente modificadas rondará, em 2021, os 130 milhões de toneladas (em 2015 era de 121 milhões de t), sendo na América do Norte que continua a verificar-se a maior área de ocupação. Os números falam por si: nos EUA, 86% do milho, 93% da soja e 90% do algodão são transgénicos. E os países enquadrados na região Ásia-Pacífico têm registado nos últimos anos um forte crescimento no Produto Interno Bruto (PBI), graças em grande medida à produção de culturas GM. Também de acordo com este relatório, a Índia e a China são apontados como os países emergentes no mercado de alimentos geneticamente modificados.

Este estudo permite-nos ainda ter uma noção clara da competição existente neste mercado em crescimento, traçando um perfil das maiores empresas que atuam na fileira dos OGM, nomeadamente a Syngenta (Suiça), Monsanto (EUA, que foi há meses adquirida pela Bayer), Sakata (Japão), Bayer Crop Science (Alemanha), BASF GmbH (Alemanha), DuPont (EUA), Groupe Limagrain (França), Dow Chemical Company (EUA), KWS SAAT SE (Alemanha) e outras.

O acesso ao relatório integral é pago, mas se pretender mais  informações sobre o conteúdo do mesmo clique aqui.

Siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

Anúncios

OGM | Sorgo com altos níveis de vitamina A ajuda a combater a cegueira infantil

Todos os anos, cerca de 250 milhões de crianças em todo o mundo perdem a visão devido à falta de vitamina A na sua alimentação. O problema afeta os países mais pobres, sobretudo em África e no sudeste asiático. Para resolver o problema na África Oriental, os investigadores em plantas estão a fazer modificação genética numa das culturas mais comuns na região, o sorgo, para lhe acrescentar nutrientes.   

A deficiência de vitamina A é a principal causa de cegueira infantil evitável e aumenta o risco de doenças e morte por infeções graves. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, são 250 milhões as crianças que ficam cegas, todos os anos, em todo o mundo, por falta desse nutriente.

A situação é tão grave que se tornou num problema de saúde pública em mais da metade dos países no mundo, especialmente em África e no Sudeste Asiático, tendo como principais vítimas as crianças e as mulheres grávidas mais pobres.

Mas no Quénia, os investigadores em plantas já estão a trabalhar para resolver o problema. Como? Através da modificação genética de uma cultura muito comum no país – o sorgo – com o objetivo de produzir sorgo com caraterísticas nutricionais mais elevadas, nomeadamente níveis mais altos de vitamina A, ferro e zinco do que as variedades convencionais.  

O melhoramento do sorgo no Quénia faz parte do projeto África Biofortified Sorghum (ABS), uma parceria público-privada estabelecida para combater a deficiência crónica de vitamina A em crianças, bem como melhorar os níveis de zinco e ferro. Se obtiver aprovação comercial, será o primeiro sorgo biotecnológico do mercado.  

Mais informação aqui  e aqui .

Siga o CiB no Twitter, Facebook e no Linkedin

OGM | Nova variedade de batata ajuda a combater anemia nas crianças

Existe uma nova batata no Peru e os investigadores que a criaram, através de modificação genética, acreditam que esta variedade, de polpa roxa, será uma importante ajuda na luta contra a anemia infantil, uma vez que tem o dobro das quantidades de ferro e zinco encontradas nas batatas convencionais.

O ministro da Agricultura, Gustavo Mostajo, afirmou em Dezembro de 2018, na estação de radio peruana RPP, que a nova batata foi modificada geneticamente por investigadores do Instituto Nacional para a Investigação Agrícola (INIA), tendo sido designada de “INIA 328-Kulli batata“. “Kulli” significa roxo in Quechua, a língua indígena falada no sudeste do Peru.

Além de ter o dobro da quantidade de ferro e zinco das batatas que atualmente estão no mercado, a nova batata tem também capacidades antioxidantes excecionais.

A anemia provocada por carência em ferro atinge 46,6% das crianças até aos três anos de idade e já é considerada um problema de saúde pública no Peru, de acordo com dados oficiais. Na região andina de Puno, a doença afeta 75,9% dos menores.

Segundo os investigadores, a “INIA 328-Kulli batata” é um tubérculo com uma vasta capacidade de adaptação, podendo ser plantada a uma altitude até 4100 metros, em zonas onde, justamente por causa da alta atitude, não crescem plantas.  

É nos Andes, perto do Lago Titicaca, que fica o berço da batata, aí criada há cerca de sete mil anos. Acredita-se que atualmente existem mais de quatro mil variedades de batata diferentes. Segundo a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura, a batata é a terceira cultura mais consumida no mundo, depois do arroz e do trigo, segundo tubérculo, que tem mais de 4000 variedades, é a terceira safra mais consumida no mundo depois do arroz e do trigo, de acordo com a agência de alimentos das Nações Unidas.

Leia a história completa, em espanhol, no Argenpapa, o portal da batata na Argentina.

Siga o CiB no Twitter @cibpt e no Facebook @cib.portugal.