Edição de genoma | Investigadores dizem que Europa tem de mudar de atitude

crispr

A aplicação da biotecnologia na agricultura pode ser uma opção viável para aliviar a escassez que se tem vindo a registar na produção de alimentos em certas regiões do mundo, como resultado das alterações climáticas. Além de permitir uma redução do uso de pesticidas, pode tornar as culturas mais resilientes e férteis. E não serão só os agricultores que ficam a ganhar, seremos todos nós, como garante uma equipa de investigadores da Universidade de Göttingen, na Alemanha.

Num artigo publicado na revista Science, uma equipa internacional de investigadores da Universidade alemã de Göttingen defendeu que a Europa deve tomar uma posição progressista sobre as novas tecnologias de melhoramento de plantas (NPBTs), especialmente a edição de genoma, e criticam a legislação rígida que regulamenta e limita a aplicação dessas práticas.
“As culturas agrícolas submetidas à editação de genoma com mutações pontuais simples não contêm DNA estranho. Os riscos ambientais destas culturas não são de forma alguma diferentes das culturas produzidas de modo convencional”, explica o investigador do Departamento de Economia Agrícola e Desenvolvimento Rural da Universidade de Göttingen, Matin Qaim. “As posições negativas em relação aos OGM (Organismos Geneticamente Modificados) estão profundamente enraizadas na Europa, mas é importante esclarecer que as culturas editadas pelo genoma com mutações pontuais não contêm genes estranhos e são tão seguras quanto as culturas convencionais”, ressalta Matin Qaim.

De lembrar que em julho de 2018, o Tribunal de Justiça Europeu emitiu uma decisão no sentido de regulamentar as culturas editadas pelo genoma da mesma forma que os OGMs, o que limita bastante a aplicação das práticas biotecnológicas emergentes no melhoramento das culturas.

Os investigadores observam que as novas ferramentas atualmente à disposição dos melhoradores de plantas estão a expandir-se rapidamente e de várias maneiras e que a Europa não está a aproveitar os seus benefícios ao aprovar legislação que limita a aplicação de práticas de melhoramento agrícola.

298fdb60-67fd-4d68-a5ae-5671779575ddfarming
Ao tornar as culturas mais resistentes a pragas e doenças, a edição de genoma reduz substancialmente a necessidade de aplicação de agro-químicos

Qaim e a sua equipa entendem que a Europa, ao regulamentar as práticas, devia distinguir uma (edição de genoma) da outra (modificação genética de organismos), uma vez que na edição de genoma nunca ocorreria o que foi dito das culturas geneticamente modificadas: que estariam contaminados por genes estranhos. “Nunca ocorreria, porque a edição genética altera ou “desliga” certas sequências de DNA de uma forma tão precisa que permite que a planta se torne mais resistente a pragas e doenças e mais tolerante à seca e ao calor, não havendo necessidade de introduzir genes estranhos ao organismo”, esclarece M. Qaim.

De resto, os investigadores enfatizam que é justamente a ausência de transgenes em culturas editadas pelo genoma que poderia acelerar a inovação das aplicações agrícolas, aumentar a concorrência na indústria de sementes e tornar as sementes melhoradas mais acessíveis aos países em desenvolvimento.

China, Índia, Paquistão, Bangladesh e África do Sul estão entre as poucas economias emergentes que estão a explorar o potencial das culturas geneticamente modificadas no aumento da produtividade agrícola.

Leia na Science o artigo original.

Siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn.

Anúncios

OGM | Espanha desenvolve plantas resistentes à seca extrema

A seca é o principal problema da agricultura em todo o mundo, o que levou a que uma equipa de investigadores do CRAG – Centro de Investigação em Agrigenómica, em Espanha, desenvolvesse plantas resistentes a secas severas.

A seca afeta tudo e todos, mas de um modo muito particular afeta mais quem vive do campo. Quer a agricultura, quer a pecuária e a pastorícia são das primeiras atividades a sofrer os efeitos da falta de água, com a consequente redução da produção e o aumento da despesa para manter as culturas e os animais.

Em 2017 e 2018, a Península Ibérica foi devastada com uma seca extrema, traduzindo-se em prejuízos incalculáveis. Mas graças ao trabalho de uma equipa de investigadores do CRAG-Centro de Investigação em Agrigenómica, em Espanha, a solução do problema pode estar para breve. Através de modificação genética, os investigadores conseguiram desenvolver plantas resistentes à seca extrema.

Neste vídeo, a investigadora principal deste projeto, a espanhola Ana I. Caño-Delgado, resume as conclusões da investigação e explica a importância para a agricultura da modificação genética de plantas.

Além de ver a entrevista, a que poderá ter acesso neste vídeo, leia também o artigo científico aqui.

Siga o CiB no Twitter, Facebook e no Linkedin