#ANTAMALIVE | “A cadeia alimentar perante uma situação de pandemia”

Realizou-se ontem mais uma transmissão em direto da Fundación Antama, a segunda do ciclo de reuniões virtuais #ANTAMALIVE. Desta vez, foi eleito o tema “A cadeia alimentar perante uma situação de pandemia”.

Os intervenientes, o produtor e presidente da Associação Agrícola Espanhola de Jovens Agricultores  (ASAJA), Pedro Gallardo, e o investigador do Departamento de Farmácia e Alimentação da Faculdade de Farmácia (UCM, AESAN) em Madrid, Montaña Cámara falaram sobre as implicações da COVID-19 na segurança alimentar e explicaram de que forma o setor agrícola está a enfrentar esta situação de crise mundial.

Se não teve oportunidade de assistir, clique no vídeo.

Siga o CiB no Twitter, no Instagram, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

#ANTAMALive | Transmissão em direto sobre “CRISPR na luta contra o coronavírus”

A Fundação espanhola Antama criou o  #AntamaLIVE, uma transmissão virtual de eventos em direto, onde os investigadores analisam a utilização de tecnologias de edição do genoma como o CRISPR na luta contra vários vírus, entre os quais o da hepatite e o do novo coronavírus, os Organismos Geneticamente Modificados (OGM) que consumimos todos os dias e não sabemos, e a segurança alimentar em tempos de pandemia. Não perca. É hoje, às 17H30.

Com duração aproximada de uma hora de transmissão, o #AntamaLIVE de hoje, com início às 18h30, é dedicado ao tema “’CRISPR na luta contra o conoravírus” e contará com a  participação de José Antonio López Guerrero, investigador e professor titular de microbiologia da Universidade Autónoma de Madrid, e de Lluís Montoliu, investigador no CNB- Centro Nacional de Biotecnologia|Biologia Molecular e Celular, em Barcelona.

Siga o CiB no Twitter, no Instagram, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

 

 

 

OGM|Quais os custos da inovação?

imagem traduções 1.JPG

Antes de chegarem ao mercado, as culturas geneticamente modificadas são submetidas a um processo de avaliação de segurança rigoroso e bastante oneroso. Clique no link abaixo para saber quanto custa introduzir uma nova variedade GM e que caminhos percorre antes de ser aprovada.

Click to access INFOGRAPHIC_PRICING_INNOVATION_OUT_PT_v2.pdf

Opinião | Não faz sentido ignorar a ciência: OGM e o dilema do PE*

shutterstock_1007277487
Crédito da imagem: MJ Graphics / Shutterstock 

“A Europa parece cada vez mais preparada para enfrentar os desafios do século XXI e liderar o caminho para um futuro “mais verde” e mais sustentável. Em lado nenhum isso é mais visível do que nas aspirações da nova Comissão Europeia de delinear um “Acordo Verde” e uma estratégia “Farm to Fork” com o objetivo de garantir o acesso da Europa a alimentos seguros, nutritivos e sustentáveis ​​num futuro próximo. Mas que papel o Parlamento Europeu (PE) pode desempenhar perante as recentes “objeções” sem fundamento contra os OGM (Organismos Geneticamente Modificados)?

As universidades europeias de Ciência afirmaram: “Há evidências convincentes de que as variedades agrícolas geneticamente modificadas (GM) podem contribuir alcançar os objetivos de desenvolvimento sustentável, com benefícios para agricultores, consumidores, economia e meio ambiente”. [1] Além disso, um relatório da Organização para a Agricultura e a Alimentação de 2016 [2] confirma que as biotecnologias agrícolas podem ajudar os pequenos produtores a serem mais resilientes e adaptarem-se às mudanças climáticas. Mas os europeus, incluindo alguns membros do PE, estão, no entanto, confusos. Desconfiam dos OGM, desconfiam dos organismos da UE encarregados da sua avaliação e desconfiam da ciência em geral.

A Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA), a Comissão Europeia e mais de 280 instituições científicas e técnicas em todo o mundo [3] declararam que os OGM são pelo menos tão seguros quanto as variedades agrícolas convencionais. Além disso, em quase 25 anos de comercialização, mostraram que os OGM oferecem uma infinidade de benefícios: permitem, por exemplo, que os agricultores cultivem mais alimentos usando menos recursos, como água, terra e energia, do que as culturas convencionais ou até biológicas. Significa que os agricultores que escolhem cultivar variedades GM – onde, face às características do solo e do clima, é conveniente usá-las – estão a preservar a biodiversidade em redor e a mitigar alguns dos efeitos das mudanças climáticas. Os benefícios da utilização de variedades agrícolas transgénicas estão bem documentados, mesmo na Europa, apesar do cultivo de OGM ser muito limitado neste território. Em Espanha, nos últimos 21 anos, o milho GM provou aumentou os rendimentos dos agricultores [4], tornando o País menos dependente das importações de milho. Resultados semelhantes foram observadas na Roménia entre 1999 e 2006, antes da proibição da soja GM neste País como resultado da sua adesão à UE. [5]

O recém-eleito Parlamento Europeu (PE) deverá trazer consigo um raio de esperança. Espero que a Europa tome medidas adequadas ao conhecimento científico atual para enfrentar os desafios globais, entre os quais as alterações climáticas e a insegurança alimentar. E os OGM – e a biotecnologia em geral – podem e devem fazer parte da solução. Infelizmente, após uma alteração de mais de 60% dos deputados europeus, as objeções do PE aos OGM, que começaram há vários anos, continuaram, com alguns deputados atribuindo as culpas aos OGM por muitos dos desafios globais que enfrentamos hoje.

As evidências mostram que o cultivo de OGM levou a uma redução de 37% na aplicação de produtos químicos agrícolas e mostram muito mais quando se trata de culturas GM resistentes a insetos. [6] O seu uso aumentou muito a segurança agrícola e ambiental: por exemplo, nos países em desenvolvimento, reduziu significativamente as taxas de suicídio e de intoxicação por pesticidas em pequenas propriedades agrícolas [7].

Acresce que o aumento da produção por hectare associado aos OGM poupa a pressão nas terras vizinhas, incluindo as florestas tropicais. Seja para alimentação animal ou para consumo humano direto, faz sentido fazer um cultivo eficiente para evitar a conversão adicional da terra. Um relatório recente do ISAAA [8] mostra que, entre 1996 e 2016, as culturas biotecnológicas pouparam 183 milhões de hectares de terra (22,5 milhões de hectares de terra apenas em 2016), conservando a biodiversidade e reduzindo as emissões de CO2. Em 2016, a poupança nas emissões de dióxido de carbono foi de 27,1 bilhões de kg, o equivalente a retirar 16,7 milhões de veículos das estradas a cada ano.

Hoje em dia, a realidade na Europa é que a maioria das pessoas usa algodão GM e come uma variedade de produtos alimentares produzidos com a ajuda da biotecnologia, incluindo OGM. Além dos muitos benefícios que os consumidores europeus usufruem todos os dias, os agricultores de outros continentes (da América, África e Ásia) estão a ser empoderados pela biotecnologia, entre os quais milhões de pequenos agricultores asiáticos que cultivam transgénicos. Embora, historicamente, os OGM tenham sido usados ​​para produzir soja, milho e colza para alimentação animal, atualmente os OGM também são usados ​​para consumo humano, melhorando a saúde e a nutrição das pessoas, evitando o desperdício de alimentos e tornando as culturas mais resistentes à seca e às doenças.

Então, por que ninguém fala dos benefícios dos OGM?

O facto é que, embora o Parlamento Eropeu esteja parcialmente implicado nas campanhas de desinformação de alguns ativistas anti-OGM, aceitando-as, os estados membros da UE também estão aquém das suas responsabilidades. Apesar de já beneficiarem das vantagens económicas dos OGM, países como Alemanha, França, Itália e Polónia não votaram a favor da aprovação de produtos OGM seguros, nem para importação. Este comportamento eleitoral, a que se soma a falta de apoio do PE e o fracasso geral das instituições da UE em combater a desinformação sobre os OGM, é a principal razão pela qual a Europa expulsou efetivamente a inovação agrícola nesse campo, o que prejudica e mina a confiança nos procedimentos de avaliação de segurança alimentar da UE. Uma decisão do Tribunal de Justiça da UE de julho de 2018, em que equipara os OGM aos produtos em que foi aplicada a edição de genoma, torna esta situação ainda mais insustentável.

Embora a Europa possa, em certa medida, permitir-se – temporariamente – ignorar a ciência e a tecnologia, é irresponsável e injusto demonizar os OGM e impedir que o mundo em desenvolvimento faça uso desses produtos. Em tempos como estes, é necessário que os líderes políticos defendam a ciência e apoiem os factos científicos divulgados pelas agências da UE responsáveis ​​por avaliar a segurança dos OGM. O Parlamento Europeu deve agora definir uma nova direção para a inovação na agricultura, apoiando, inclusive, a aprovação de produtos GM seguros, de acordo com evidências e procedimentos democraticamente adotados.

Chegou a hora de uma nova geração de decisores políticos europeus aproveitar todo o potencial dos OGM em benefício das pessoas e do planeta. A EuropaBio, representando a indústria de biotecnologia, está comprometida em comunicar esses benefícios. Instamos todos os decisores políticos, que pensam que a ciência pode e deve desempenhar um papel positivo na sociedade, a ler o nosso manifesto de biotecnologia agrícola e a juntarem-se a nós nessa missão.”

*Este texto é uma tradução integral de um artigo (em inglês) escrito por Beat Späth, diretor de biotecnologia agrícola da EuropaBio, e publicado no Euroactiv.

Mais informações em:

An antidote to fear-based politics?

GMOs: Time to stand up for EU law and innovation

EU nations should overcome GMO hypocrisy

[1] http://www.easac.eu/home/reports-and-statements/detail-view/article/planting-the.html

[2] http://www.fao.org/3/a-i6030e.pdf

[3] http://www.siquierotransgenicos.cl/2015/06/13/more-than-240-organizations-and-scientific-institutions-support-the-safety-of-gm-crops/

[4] https://gmoinfo.eu/eu/articles.php?article=Insect-resistant-GM-maize-has-benefited-farmers-and-the-environment-in-Iberia-

[5] https://www.europabio.org/sites/default/files/EU_protein_GAP_WCover.pdf (p.17)

[6] https://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0111629https://www.e-elgar.com/shop/handbook-on-agriculture-biotechnology-and-development and https://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S0921800911002400

[7] https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/pbi.13261

[8] http://isaaa.org/resources/publications/briefs/54/executivesummary/default.asp

Alterações climáticas|Como é que a biotecnologia pode salvar o arroz?

tipos-de-arroz

Mais de metade da população mundial consome arroz todos os dias. Mas, apesar de poder ser cultivado em todos os continentes, precisa de muita água para crescer. Reside aqui o problema do arroz – com o agravamento das alterações climáticas, fenómenos extremos como secas e enchentes estão a tornar-se mais frequentes. A biotecnologia pode ajudar.

Para garantir a segurança alimentar a longo prazo, em todo o mundo, é urgente produzir alimentos básicos como o arroz, que possam sobreviver a estas condições extremas e descobrir formas de tornar o uso da água na agricultura mas preciso e eficiente.

Por outras palavras, em vez de despender esforços na procura por variedades que já são resistentes à seca, pode-se usar ferramentas biotecnológicas para produzir arroz que requere muito menos água ao longo de todo o processo de cultivo. De resto, é com este objetivo que Julie Gray, professora de sinalização de células vegetais na Universidade de Sheffield, trabalha.

A sala de cultivo onde Gray desenvolve a sua investigação permite a realização de experiências com arroz cujos estômatos – estruturas constituídas por um conjunto de células localizadas especialmente na epiderme inferior das folhas, e, em menor número em caules jovens – os tornam mais resistentes à seca.

Leia o artigo completo, em inglês, aqui.

Siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

 

Eurobarómetro | Preocupação com os OGM reduziu para metade em nove anos

vegetables on the cutting board are falling in the pot

O mais recente estudo de opinião pública sobre segurança alimentar na Europa, publicado no mês passado, mostra, uma vez mais, que é falso o argumento amplamente promovido de que “90% dos europeus são contra os OGM”. Na verdade, apenas 27% dos inquiridos afirmam estar preocupados com os ingredientes geneticamente modificados (GM) incluídos em alimentos e bebidas. A edição de genoma é o que menos preocupações suscita (4%).

Entre as 15 maiores preocupações da população relativamente à segurança alimentar, especificadas na lista do Eurobarómetro de 2019, os OGM estão em 8º lugar – 27% dos inquiridos dizem estar preocupados com a sua presença nos alimentos. Uma percentagem consideravelmente inferior à registada no inquérito anterior, de 2010, tendo diminuído para metade (no estudo de 2010, os alimentos com ingredientes GM ocupavam o 4º lugar dos maiores receios, com 66% das pessoas a afirmarem estar apreensivas quanto aos eventuais efeitos na saúde).

A edição de genoma foi uma das questões incluídas no inquérito e é a que menos preocupações suscita (4%), embora também seja o tema que 22% das pessoas assume perceber menos.

Mais problemáticos para a maioria dos inquiridos são os vestígios de antibióticos, hormonas e esteróides (44%), os resíduos de pesticidas (39%) e os aditivos alimentares (36%).

Resultados detalhados e referências por país aqui.

Fontes:

.Relatório integral do Eurobarómetro  sobre a segurança alimentar na UE.

.Mapas interativos das preocupações sobre segurança alimentar em todos os países da UE.

.Relatório do Eurobarómetro de 2010 em várias línguas.

Siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

 

 

Conferência | Bruxelas discute Segurança alimentar na EU

Depois das recentes atualizações das normas europeias sobre segurança alimentar, política agrícola e informação transparente aos consumidores, a Conferência “Segurança alimentar na EU: manter padrões elevados e garantir a transparência das informações”, que terá lugar no dia 29 de janeiro, em Bruxelas, é uma oportunidade para especialistas em segurança alimentar, agências governamentais, representantes da indústria alimentar e outras partes interessadas avaliarem as perspetivas atuais e futuras do sistema de legislação alimentar da UE e da sua ação a nível mundial.
 

Segundo o relatório anual FoodDrink Europe 2016, a indústria alimentar e de bebidas constitui o maior sector transformador da União Europeia, liderando em termos de volume de negócios (15,6%), valor acrescentado (13%) e emprego (15,2%). Proteger a saúde dos cidadãos europeus, permitindo simultaneamente que a indústria alimentar opere nas melhores condições possíveis, é de importância capital, pelo que as instituições europeias introduziram fortes estruturas políticas que protegem os alimentos, desde o campo até ao prato.

Mas com a atualização das normas europeias sobre segurança alimentar, política agrícola e informação transparente aos consumidores, é necessário avaliar as perspetivas atuais e futuras do sistema de legislação alimentar da UE e da sua ação a nível mundial. É com esse objetivo que se vai realizar, em Bruxelas, no dia 29 de janeiro, a Conferência “Segurança alimentar na EU: manter padrões elevados e garantir a transparência das informações”. Será uma oportunidade para especialistas em segurança alimentar, agências governamentais, representantes da indústria alimentar e outras partes interessadas analisarem a atual regulamentação e delinearem os próximos passos.

Várias medidas e ações adicionais foram implementadas para aumentar a confiança do público nos padrões de segurança alimentar, mas a confiança dos consumidores voltou a ser abalada devido a escândalos como os “alimentos de qualidade dupla” – diferentes empresas multinacionais vendiam para os mercados da Europa Oriental produtos com ingredientes de menos qualidade ou substitutos mais baratos do que os produtos que colocavam nos mercados da Europa Ocidental com as mesmas embalagens e marcas -, e os casos de contaminação de ovos com fipronil e do uso de pesticidas como o “glifosato”. Estes casos estiveram no centro de uma controvérsia que causou grande impacto na confiança do público.

Para resolver estas questões, a Comissão Europeia apresentou em abril de 2018 uma proposta para restabelecer a confiança do público nos estudos científicos sobre segurança alimentar, sugerindo maior transparência na tomada de decisões e maior envolvimento dos especialistas dos Estados membros.

Tendo em conta os acontecimentos recentes, a Conferência “Segurança alimentar na EU: manter padrões elevados e garantir a transparência das informações”, não podia acontecer em momento mais oportuno. Nela, os intervenientes irão rever a regulamentação da informação alimentar aos consumidores e avaliar as suas alterações. Vão também obter insights sobre tendências recentes na rotulagem de produtos alimentícios e aprender sobre legislação abrangente sobre segurança de alimentos e ração animal. Além disso, vão partilhar as melhores práticas sobre como garantir que as importações mundiais cumpram os requisitos de segurança alimentar da EU, discutir as avaliações divergentes sobre o uso de glifosato, explorar formas de restabelecer a confiança do público na segurança alimentar e rever as medidas propostas. Por último, vão abordar a questão dos padrões duplos de alimentos e aferir formas de conseguir um cumprimento e verificações de regras eficazes.

Mais detalhes deste encontro aqui.

Siga o CiB no Twitter, Facebook e Linkedin

Debate | O papel da ciência na produção e segurança alimentar

Crédito: Fundación Antama

A população mundial está a crescer, os recursos existentes são insuficientes e é preciso produzir alimentos de forma eficaz, segura e em quantidade. Qual é o papel que a ciência assume na produção e segurança alimentar e na atividade agrícola atual? Saiba AQUI as respostas, num debate que a TSF realizou sobre o tema a 24 de novembro, a pretexto do Dia Mundial da Ciência.

Siga o CiB no Twitter @cibpt e no Facebook @cib.portugal

Culturas e alimentos transgénicos são seguros diz Academia de Ciências dos EUA

Cover-Image-High-Resolution-201x300

“Culturas GM são seguras”
Nova Avaliação da Academia Nacional de Ciências,
Engenharia e Medicina dos EUA

17 Maio 2016 | Acad. Nac. Ciências EUA e CiB Brasil

A Academia Nacional das Ciências, Engenharia e Medicina dos Estados Unidos da América (EUA) declarou que o uso de culturas agrícolas e alimentos geneticamente modificados (conhecidos por culturas GM ou transgénicos) é seguro. 

Foi realizada uma nova e extensa avaliação por 20 peritos em diferentes áreas do conhecimento científico e publicado o  relatório “Genetically Engineered Crops: Experiences and Prospects”, com mais de 400 páginas que inclui extensa informação compilada dos últimos 30 anos de investigação, pareceres e recomendações.

No website de divulgação deste estudo estão também disponíveis outros relatórios científicos, respostas a perguntas frequentes (FAQ) sobre as culturas GM, sobre este estudo de avaliação e ainda material de divulgação geral na secção de comunicação pública (com apresentação de slides e vídeos).

A Academia Nacional de Ciências, Engenharia e Medicina dos Estados Unidos reúne cientistas reconhecidos pela comunidade científica e, desde 1863, funciona como conselheira para as decisões do governo norte-americano. A produção deste relatório de avaliação das culturas e alimentos GM foi realizada a partir da avaliação de cerca de 1000 publicações científicas, foram ouvidas mais de 80 opiniões em audiências públicas e em seminários e foram analisados mais de 700 comentários enviados pela população.

A CONCLUSÃO é de que não foram encontradas diferenças para a segurança do ambiente entre as culturas e os alimentos geneticamente modificados quando comparados com os seus homólogos convencionais. O relatório aborda também as implicações para a saúde e conclui que não há evidências de que os alimentos transgénicos causem obesidade, doenças gastrointestinais, diabetes, doenças renais, autismo, alergias ou cancro.

Estas conclusões confirmam mais uma vez o que tem vindo a ser reconfirmado desde há mais de vinte anos. Estes produtos foram rigorosamente e extensamente testados e analisados pela comunidade científica e pelas autoridades internacionais. A agricultura e os agricultores, as fileiras alimentares, a sociedade em geral e o ambiente têm benefícios da utilização destes produtos biotecnológicos.

LINKS PARA INFORMAÇÕES

  • Relatório – “Genetically Engineered Crops: Experiences and Prospects” -, Resumo do Relatório e Recomendações
  • Website de divulgação do estudo com relatório e documentos complementares

 

Culturas Transgenicas no Mundo 2015 - NAS-EUA
Distribuição das culturas GM (transgénicas) comercializadas no mundo em 2015. Foram cultivados 180 milhões ha  – 12% do total cultivado – por cerca de 18 milhões de agricultores – 90% dos quais estão em países em desenvolvimento – (pág. 47 do relatório completo).

 

5 DESTAQUES SOBRE O ESTUDO
“Genetically Engineered Crops: Experiences and Prospects”

18 Maio 2016 | Vox Energy and Environment

1 – A evidência + importante sugere que as culturas GM são tão seguras como as culturas convencionais.
2 – As Culturas GM usadas até agora provaram que têm elevado valor para muitos agricultores, mas o contexto da sua utilização é importante.
3 – É necessário cuidado com argumentos simplistas sobre as culturas GM poderem “alimentar o mundo”.
4 – Algumas Culturas GM têm efeitos ambientais positivos, mas há que ter cuidado com a gestão da resistência das “super ervas-daninhas”.
5 – A Engenharia Genética de plantas está a mudar radicalmente e é necessário ajustar as regulamentações de acordo com a realidade dos avanços do conhecimento, como em qualquer outra área da inovação tecnológica.
LER MAIS

Uso Insecticidas Culturas Transgenicas 2015 - NAS-EUA
Redução nas taxas de aplicação de pesticidas em Algodão e Milho entre 1995-2010 nos EUA (pág. 75 do relatório completo)

Genes

COMENTÁRIOS DE 15 ESPECIALISTAS AO ESTUDO
“Genetically Engineered Crops: Experiences and Prospects”

17 Maio 2016 | GENeS – Genetic Expert News Service

A GENes divulga os comentários de 15 especialistas sobre este estudo da Academia Nacional das Ciências, Engenharia e Medicina dos EUA sobre o conhecimento acumulado ao longo dos últimos 30 anos de investigação científica.  Esses especialistas são académicos de diferentes áreas das ciências da vida e medicina (plantas,  insectos, genética e engenharia genética, saúde das plantas, toxicologia em seres humanas e animais, alergias humanas e animais), da gestão ambiental e agrícola e da gestão económica.

 

Culturas Transgénicas | 27 Anos de Investigação +

25 anos Investigação Relatório CE - Culturas GM - Transgénicas  UE - PNG

Culturas Transgénicas
 27 Anos de Investigação +
(3 Estudos em 1985-2000 + 2001-2010 + 2002-2012)

17 Dezembro de 2015 | CiB Portugal

A Comissão Europeia (CE) tem publicados dois relatórios que incluem 25 anos (1985-2010) de investigação científica na UE financiada pela  própria CE que concluiem a elevada qualidade e segurança do uso de Culturas Geneticamente Modificadas (conhecidas também por culturas GM, ou transgénicas ou OGM) na agricultura.

O relatório mais recente (2000-2010) tem como base a investigação realizada em consórcio e co-financiado pela União Europeia (UE) em 200 milhões de euros, sumarizando os resultados de 50 projectos. Esses projectos tiveram como objectivo avaliar a segurança do uso de OGM na agricultura para o ambiente e para a saúde humana e animal e fazem parte de um enorme esforço de investigação já com 25 anos.

Este relatório (2000-2010) seguiu-se a outro que relatava os financiamentos e os resultados obtidos nesta mesma área entre 1985 e 2010. Este primeiro relatório investigou na UE os aspectos chave do melhoramento vegetal, como a resistência a doenças provocadas por fungos, nemátodes e vírus, e o uso eficiente do azoto. Foram também abordadas questões relacionadas com o fluxo de genes, quer vertical, quer horizontalmente, bem como os efeitos em organismos não-alvo e na ecologia do solo. Desde 1985, a UE investiu um total de 300 milhões de euros e envolveu mais de 400 grupos de investigação europeus. Dos resultados dessa investigação o que sobressai é a conclusão de que a utilização das variedades vegetais transgénicas (obtidas com recurso à tecnologia do DNA recombinante) não constitui um risco acrescido, quer para a saúde humana e animal, quer para o ambiente, quando comparado com o uso de variedades vegetais obtidas com outras técnicas de melhoramento.

Estas conclusões podem ser observadas em centenas de artigos científicos explicitando os resultados da investigação efectuada referidos nesses dois relatórios da CE, mas também num Artigo de Revisão de 2013 “An overview of the last 10 years of genetically engineered crop safety research , publicado no jornal científico “Critical Reviews in Biotechnology”. Investigadores da Universidade de Perugia (Itália) analisaram 1783 estudos (artigos científicos, artigos de revisão, opiniões científicas e relatórios) publicados durante 10 anos (2002 e 2012), que abrangiam  todos os aspectos das questões da segurança das culturas  transgénicas, desde a forma como as plantas cultivadas interagem com o ambiente, os seus impactos e forma como elas podem afectar potencialmente os animais ou seres humanos que se alimentam delas. Os autores Italianos sumarizaram o conhecimento da sua análise, cujas conclusões desse artigo de revisão indicam que não foram detectados quaisquer malefícios directos relacionados com o uso de culturas e alimentos transgénicos por animais e humanos.

As informações divulgadas por estes dois relatórios da CE e este artigo de revisão  contrastam com todos os argumentos utilizados e dissiminados pelos grupos de activistas “anti-transgénicos” Portugueses e Internacinais (incluindo informações incorrectas – e sem fundamento científico – de que as culturas transgénicas causam cancros, malformações congénitas, consequências graves para o equilibrios dos ecossistemas, perdas para a biodiversidade), com o cepticismo de muitos decisores políticos e com a hesitação constante da Comissão Europeia em agilizar os processos de aprovação de novas culturas GM para importação e consumo por animais e seres humanos, mas também para o seu cultivo pelos próprios agricultores dos países da União Europeia.

 

REFERÊNCIAS 

Comunicado de Imprensa da Comissão Europeia 25 anos de investigação na UE em culturas transgénicas / GM (1985-2000 e 2001-2010)

Relatório (2001-2010) – A decade of EU-funded GMO research (2001-2010

Relatório (1985 – 2000) – EC-sponsored research on Safety of Genetically Modified Organisms (1985-2000)

• Artigo de Revisão (2013) – An overview of the last 10 years of genetically engineered crop safety research publicado no jornal científico “Critical Reviews in Biotechnology”.