Edição de genomas | Tecnologia está a ser usada para produzir trigo com menos glúten

pão
Créditos da imagem: Karim MANJRA/unsplash.com/@karim_manjra

Dada a importância do trigo na produção de pão e de uma infinidade de outros alimentos, investigadores de uma universidade norte-americana estão a usar a edição de genomas para produzir trigo com mais benefícios nutricionais.

O trigo é dos cereais mais presentes na dieta alimentar em todo o mundo. É fonte de mais de 20% das calorias consumidas, pelo não é difícil imaginar a sua extrema importância socioeconómica.

É por isso que uma equipa de investigadores da Universidade do Kansas, nos EUA, estão a usar tecnologias inovadoras como a edição de genomas para produzir trigo com benefícios adicionais, entre os quais níveis mais baixos de glúten.

Esta mais-valia permitiria que as pessoas sensíveis à proteína, em especial celíacas, pudessem comer pão e outros alimentos que incluem trigo na sua composição.

Saiba mais na parte 3 da série de vídeos “Inovação no Melhoramento de Plantas, da American Sees Trade Association e da CropLife International.

Clique aqui para ver também as partes 1 e 2 da mesma série.

Siga o CiB no Twitter, no Facebook e no LinkedIn. No CiB, comunicamos biotecnologia.

Manipulação genética | Investigadores melhoram fotossíntese para aumentar a produção de arroz e trigo

A RuBisCo é uma enzima vital para a fotossíntesse, mas em vez de usar sempre o dióxido de carbono para o converter em açucares que alimentam as plantas, também usa oxigénio, dando origem a um subproduto tóxico responsável pela perda de 20 a 50% das colheitas de trigo e arroz. Mas a manipulação genética das plantas pode reverter a situação.

Entre 20 a 50% do potencial das colheitas de trigo e arroz é destruído, em grande medida devido à ineficiência da RuBisCo, uma enzima vital para o processo de fotossíntese, na utilização de dióxido de carbono para a construção dos açucares que alimentam as plantas. Mas investigadores norte-americanos da Universidade do Illinois estão a tentar mudar esta fatalidade, através da manipulação genética de plantas que conseguem ter 40% mais de biomassa do que as plantas produzidas de modo convencional.

As primeiras experiências realizaram-se em plantas de tabaco e foram bem-sucedidas. Este método de manipulação genética vai ser testado agora em colheitas de trigo e arroz.

Saiba mais neste artigo da Exame Informática e neste, em inglês, do jornal científico Bio Techniques.

Speed Breeding|Vem aí a tecnologia que melhora a velocidade de produção?

Créditos da imagem: QUAAFI

Inspirado pela forma como os astronautas da NASA cultivam trigo no espaço, o australiano Lee Hickey e a sua equipa de investigadores estão a dar os primeiros passos numa tecnologia que tem o poder de melhorar a velocidade de produção de culturas agrícolas, permitindo até seis gerações de plantas por ano.

O melhoramento da velocidade de produção de culturas agrícolas é uma tecnologia poderosa para aumentar a qualidade e quantidade das colheitas. Através dela, o australiano Lee Hickey e a sua equipa de investigadores da Universidade de Queensland, na Austrália, estudam a genética da doença e da resistência à seca com o objetivo de conseguir colheitas mais robustas para os agricultores.

Hickey trabalha com trigo e cevada, as mais importantes culturas de cereais da Austrália, e é já considerado uma autoridade emergente no melhoramento de plantas por via da edição genética.

O papel de Hickey no desenvolvimento da tecnologia de ‘melhoramento da velocidade’ de produção tem sido crucial, pois permite colher até seis gerações de plantas por ano.

Saiba mais na palestra que o investigador deu num evento TEDx, organizado por uma comunidade local australiana, e num artigo, em inglês, no site da QUAAFI – Queensland Alliance for Agriculture and Foof Innovation.

Siga o CiB no Twitter @cibpt e no Facebook @cib.portugal